SEMINÁRIOS EM CIÊNCIA DO SOLO

Formas de potássio em Latossolo sob sistema integrado de produção agropecuária no Sul do Brasil

Tauana Ferreira de Almeida

Mestranda em Ciência do Solo (UFRGS), Engenheira Agrônoma (UFRGS)

Orientador: Tales Tiecher     Co-Orientadora: Amanda Posselt Martins

 Resumo:

Atualmente cerca de aproximadamente 15,3 milhões de hectares estão em semeadura direta na região subtropical brasileiras (RS, SC e PR), com milho e soja durante a safra de verão. No entanto, menos da metade desta área é cultivada com cereais de inverno. A maior parte da área permanece em pousio ou com culturas de cobertura de alto potencial forrageiro no período hibernal. Nesse contexto, a inserção do animal nessas áreas, durante o período hibernal, pode ser uma fonte de renda extra ao produtor constituindo um sistema integrado de produção agropecuária (SIPA).  O potássio pode ser encontrado na estrutura de minerais, na forma não trocável (ocupando posições internas na entrecamada de argilominerais), na forma disponível (ligado eletrostaticamente as cargas superficiais negativas dos colóides do solo) e na forma iônica na solução do solo. Estudos sobre a ciclagem de nutrientes em SIPA tem sido desenvolvidos, no entanto, estudos sobre dessorção de K que mostrem as formas e a disponibilidade deste nutriente em solos e na rizosfera sob SIPA são inexistentes. Esses estudos podem contribuir para o melhor entendimento da disponibilidade deste nutriente nestes sistemas. O objetivo deste estudo foi avaliar os teores e formas de K em Latossolo após 16 anos da adoção de um SIPA em plantio direto no Sul do Brasil, bem como avaliar os efeitos do pastejo bovino e da rizosfera de soja nos teores de K disponível no solo e na solução O estudo está sendo desenvolvido em um experimento de longo prazo situado no município de São Miguel das Missões, sob Latossolo Vermelho Distroférrico típico. Os tratamentos consistem de diferentes intensidades de pastejo no período hibernal, sendo considerados, pastejo intensivo (PI), pastejo moderado (PM) e sem pastejo (SP). O delineamento experimental é o de blocos ao acaso. Foram realizadas coletas de solo nas camadas de 0-5, 5-10, 10-15 e 15-20 nos anos de 2001, 2004, 2007, 2010, 2012, 2014 e 2017. Nessas amostras foi determinado o teor de K disponível por Mehlich-1, e realizada a dessorção de K por extrações sucessivas diariamente, utilizando solução Mehlich-1, e ajustada equação para determinar o teor de K prontamente disponível e potencialmente disponível, através das variáveis a e b, respectivamente. Na média de todos os tratamentos está ocorrendo variação no teor de potássio no perfil do solo ao longo dos anos. Ocorreu mudança no teor de K no solo durante os anos de condução do experimento no tratamento SP e PI, enquanto que no PM não houve variação. Os resultados obtidos até o momento mostraram que após 17 anos não ocorreu aumento nos teores de K nos tratamentos pastejados, enquanto que no tratamento SP está ocorrendo aumento no teor deste nutriente. Os resultados encontrados na análise de dessorção para a variável a corroboram com os resultados observados na análise de K disponível. Os resultados obtidos mostram que o pastejo hibernal em SIPA de longo prazo mantém os teores de K disponível estáveis ao longo do tempo.