SEMINÁRIOS EM CIÊNCIA DO SOLO

 

Quarta-feira, 03/JUL/19, 14h, na sala PG 08

 

Título: Estratégias de manejo da acidez em solos conduzidos em sistema de plantio direto para alto rendimento de grãos

 

 

Osmar Henrique de Castro Pias

Doutorando em Ciência do Solo, Engenheiro Agrônomo (UFSM), MSc Agronomia, Agricultura e Ambiente (UFSM)

 

Orientador: Prof. Cimélio Bayer

 

Resumo:

A baixa solubilidade do calcário (CaCO3) e a ausência de revolvimento em solos conduzidos em sistema plantio direto (SPD) pode reduzir a eficiência  da calagem superficial em reduzir o Al3+ trocável (toxico para plantas) e aumentar a saturação por bases ao longo do perfil do solo. No entanto, os efeitos da acidez subsuperficial pode ser mitigado pela aplicação do gesso agrícola (CaSO4•2H2O), o qual é mais solúvel que o calcário e então, pode lixiviar bases (Ca2+, Mg2+ e K+ trocáveis) e S-SO42- para camadas profundas do solo reduzindo a toxidade do Al3+ trocável para as plantas. Nesse estudo, foi conduzido um experimento de campo para avaliar os efeitos a curto prazo (1 ano) e longo prazo (11 anos) da calagem superficial e da aplicação de gesso nas propriedades químicas do solo nas camadas de 0,00–0,10, 0,10–0,20, 0,20–0,40 e 0,40–0,60 m e no rendimento de grãos de 22 cultivos (i.e., 10 soja, 3 milho, 4 aveia branca, 3 trigo e 2 cevada). O estudo foi realizado em um Latossolo Vermelho típico de moderada acidez conduzido em SPD há 15 anos em Guarapuava, Paraná, Brasil. Três estratégias de calagem superficial, além de um tratamento controle, foram testadas visando elevar a saturação por bases para 70%, sendo elas: (a) 4.62 Mg ha–1 de calcário de baixo poder relativo de neutralização total (PRNT = 75%); (b) 3.47 Mg ha–1 de calcário com alto PRNT (101%); e (c) a mesma dose de calcário de alto PRNT parcelada em três aplicações (i.e., 1/3 no início do experimento; 1/3 depois de 1 ano e 1/3 depois de 2 anos). As estratégias de calagem foram combinadas com quarto doses de gesso agrícola (i.e., 0, 3, 6 e 9 Mg ha–1) aplicadas no início do experimento. Nossos resultados revelaram não haver sinergismo dos efeitos de calcário e gesso nas propriedades do solo e produtividade das culturas. O gesso incrementou a produtividade de 25% dos cultivos com cereais, sendo o incremento de apenas 4% em média. Por outro lado a calagem incrementou em 14% em média a produtividade da soja em 40% dos cultivos. O gesso foi mais eficiente que a calagem em aumentar os teores de Ca2+ trocável até a profundidade de 0,60 m em curto prazo, contudo, a calagem promoveu maior redução da acidez do solo e teve maior efeito residual nos teores de Ca2+ trocável que o gesso. As estratégias de calagem não apresentaram diferenças substanciais em produtividade de grãos, porém o calcário de baixo PRNT sustentou melhores condições de acidez do solo para o crescimento das plantas por um período mais prolongado.  A calagem superficial reduziu a acidez do solo em subsuperfície já no primeiro ano de sua aplicação beneficiando a cultura da soja. Nas condições do estudo o uso do gesso não promoveu benefícios para os atributos do solo e rendimento das culturas.