SEMINÁRIOS EM CIÊNCIA DO SOLO

 

Quarta-feira, 04/DEZ/2019, após o Seminário de Luciana da S. C. Lima, na sala PG 08

 

Título: Qualidade funcional da estrutura de solos em ambientes naturais e de produção agrícola

 

Letícia Salvi Kohn

Mestranda em Ciência do Solo, Engenheira Agrônoma (UFSC)

 

Orientador: Prof. Getulio Coutinho Figueiredo

 

Resumo:

A física do solo influi nas condições de crescimento de plantas, sendo a funcionalidade da estrutura e a organização do sistema poroso fatores-chave para o entendimento dos processos de transferência de energia e matéria que ocorrem no solo. Uma estratégia pioneira para descrever a disponibilidade hídrica às plantas inclui o binômio energia potencial mátrica e umidade do solo. Assim, um estado mais úmido (capacidade de campo, CC) e um mais seco (ponto de murcha permanente, PMP), cujos potenciais mátricos convencionalmente são -10 e -1500 kPa, respectivamente, definem um intervalo de umidade passível de absorção pelas plantas (água disponível, AD). Contudo, a água no solo afeta outros processos, como a aeração e a impedância mecânica. Portanto, para melhorar o entendimento sobre a fração da água no solo passível de absorção radicular, o intervalo hídrico ótimo (IHO) foi idealizado como um conceito que incorpora o da AD juntamente com aspectos mecânicos e de gases no solo. Dessa maneira, a CC, o PMP, a resistência à penetração (RP) e o conteúdo de ar no solo (PA) podem ser combinados para predizer mais claramente a faixa de umidade do solo menos limitante ao crescimento de raízes. O manejo agrícola promove alterações na configuração tridimensional do sistema poroso, podendo afetar atributos físico-hídricos e, consequentemente, a capacidade funcional do solo. Portanto, frequentemente a avaliação da qualidade do solo tem considerado aspectos de disponibilidade hídrica às plantas. Neste sentido, o PMP obtido no potencial mátrico de -1500 kPa é uma visão simplista, pois não reflete diretamente outros processos dinâmicos relacionados ao sistema solo-água-planta-atmosfera. Por outro lado, recentemente foi desenvolvido um conceito que demonstra mais claramente as condições de contorno no solo que podem afetar o suprimento da demanda hídrica às culturas, o corte hidráulico (kco). O kco é o binômio energia potencial mátrica e umidade quando passa a ocorrer apenas movimento imiscível de água no solo. Em outras palavras, há descontinuidade da fase líquida, embora ainda exista conteúdo de água remanescente no solo. Visto ser uma propriedade dinâmica, o kco idealmente pode ser mais sensível que o PMP para predizer a disponibilidade hídrica às plantas, sendo útil para descrever a qualidade funcional da estrutura do solo. Assim, a hipótese é que a incorporação do kco aos conceitos de AD e IHO melhora as estimativas de disponibilidade hídrica às plantas. O objetivo é avaliar a qualidade funcional da estrutura de um Argissolo sob tráfego controlado de máquinas agrícolas e seu efeito sobre as condições físico-hídricas do solo para o crescimento de plantas. A área de estudo está na Estação Experimental Agronômica da UFRGS, em Argissolo de textura franco-argilo-arenosa, sob sistema plantio direto (SPD; iniciado em 2002) e tráfego agrícola controlado. O delineamento experimental é o de blocos casualizados, com cinco repetições. Os tratamentos consistem em: solo sob campo nativo (T1), solo sob SPD não trafegado (T2), solo sob SPD trafegado por trator (T3) e solo sob SPD trafegado por colhedora (T4). Análise visual da estrutura do solo será realizada em campo, sendo coletadas amostras indeformadas, utilizando cilindro de 100 cm³, nas profundidades de 0,05-0,10 e 0,10-0,15 m, para determinação da condutividade hidráulica, retenção de água, kco, relações massa/volume e IHO do solo. ANOVA, teste de Tukey e modelagens da dinâmica da água no solo serão realizados para identificar o efeito dos tratamentos experimentais. Com o presente estudo, espera-se entender mais claramente o comportamento da água em SPD e, assim, melhorar a estimativa da disponibilidade hídrica no solo às plantas a partir do estado energético da água nas condições definidas pela AD, IHO e kco.