SEMINÁRIOS EM CIÊNCIA DO SOLO

 

Quarta-feira, 11/DEZ/2019, 14h, na sala PG 08

 

Título: “Análise espectroscópica, cromatográfica e termogravimétrica para o rastreamento de Cannabis sativa L. proveniente do Colorado, Estados Unidos”

 

Mariana Fernandes Ramos

Doutoranda em Ciência do Solo, Tecnóloga em Gestão Ambiental  (IFSul-Rio-Grandense), MSc Recursos Hídricos (UFPel)

 

Orientador: Prof. Flávio Anastácio de Oliveira Camargo

 

Resumo:

A maconha (Cannabis seca e moída) é a droga ilícita mais consumida mundialmente. Apesar disso, o cultivo de Cannabis é reportado na maioria dos países e há uma tendência de crescimento nas quantidades de maconha apreendida no Brasil, nos Estados Unidos e nos países membro da União Europeia. Considerando os efeitos adversos e até mesmo irreversíveis que o consumo de maconha pode causar no usuário, o desenvolvimento de um sistema de rastreamento de Cannabis se faz necessário a fim de colaborar com a inteligência policial na detecção de redes de tráfico nacional e internacional. Face ao exposto, objetivou-se rastrear a origem geográfica de Cannabis em território norte-americano, a fim de obter dados que contribuam na formação de um sistema de rastreamento que possa ser utilizado também no Brasil. Inicialmente, a parte aérea de doze amostras de Cannabis provenientes de cinco empreendimentos produtores dessa planta para uso medicinal no estado do Colorado, Estados Unidos, foi adquirida. Seis dessas amostras foram divididas pela metade para realizar um estudo do possível impacto de diferentes temperaturas nas características químicas da planta, fazendo com que o número total de amostras aumentasse para 18. Um grupo com 12 amostras foi seco ao ar por sete dias, e o grupo com seis amostras foi seco em estufa a 40 ºC por sete dias; após esse período, ambos grupos foram moídos com grau e pistilo, transferidos para tubos falcon de plástico e mantidos em geladeira a 7 ºC. Todas as amostras foram analisadas por espectroscopia no infravermelho com transformada de Fourier por reflexão total atenuada (ATR-FTIR), cromatografia líquida de alta eficiência acoplada a detector de arranjo de diodos (HPLC-DAD) e análise termogravimétrica (TGA); os dados foram avaliados por cluster heatmaps e índice de Rand. Até o momento, a ATR-FTIR mostrou os melhores resultados, com até 94,11% de acurácia, fazendo com que a junção dessa técnica com a abordagem estatística escolhida seja altamente recomendável para o rastreamento de Cannabis.