DEFESA DE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DE

JOÃO PEDRO MORO FLORES

          Engenheiro Agrônomo (UFSM)

 

 

Orientador: Prof. Tales Tiecher

 

 

Título: “FORMAS E BALANÇO DE POTÁSSIO NO SOLO AFETADOS POR DIFERENTES SISTEMAS INTEGRADOS DE PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA EM TERRAS BAIXAS E TERRAS ALTAS NO SUL DO BRASIL

 

 

Data: 20/03/2020, às 14h, na Sala de Reuniões do Departamento de Solos da Faculdade de Agronomia/UFRGS

 

 

Banca Examinadora:

-Profa. Amanda Posselt Martins  – UFRGS;

-Prof. Edson Campanhola Bortoluzzi – UPF (através de videoconferência/Skype); e

-Prof. Leandro Souza da Silva – UFSM (através de videoconferência/Skype).

 

 

Resumo:

O sul do Brasil possui uma grande variabilidade de solos utilizados para exploração de atividades agropecuárias. Em solos de terras altas predomina o monocultivo de soja e solos de terras baixas predomina o monocultivo de arroz irrigado. Em ambas as situações, o uso de sistemas integrados de produção agropecuária (SIPA) pode ser uma alternativa interessante para diversificar os sistemas de produção e promover maior ciclagem de potássio (K) devido à rotação de culturas e o pastejo animal. A medida em que a concentração das formas prontamente disponíveis de K do solo decresce, ocorre uma depleção contínua de formas potencialmente disponíveis, como a não trocável e estrutural. No entanto, o potencial de liberação ou contribuição dessas frações é frequentemente negligenciado em estudos de fertilidade do solo, especialmente naqueles envolvendo SIPAs. O objetivo desse estudo foi quantificar as formas de K no solo e estimar o balanço de K sobre diferentes SIPA, com base na produção de soja em terras altas e arroz irrigado nas terras baixas. Dois estudos foram conduzidos em diferentes locais do estado do Rio Grande do Sul, Brasil. O experimento de terras altas foi estabelecido em 2017 em um Plintossolo testando duas estratégias de fertilização de K no verão ou no inverno, sobre SIPA contendo soja no verão e pastagem de azevém com pastejo de ovelhas no inverno. O experimento em terras baixas foi estabelecido no ano de 2013 em um Planossolo, onde os tratamentos são (i) monocultivo de arroz com preparo convencional do solo e pousio no inverno, (ii) monocultivo de arroz com plantio direto e pastagem de azevém pastejado no inverno, e o mesmo tratamento incluindo rotação com (iii) soja ou (iv) milho no verão. As amostras de solo foram coletadas nas camadas 0-10, 10-20 e 20-30 cm. As formas de K avaliadas foram K disponível, K trocável, K não trocável, K estrutural e K total. No ambiente de terras altas, fração de K não trocável foi sensível em detectar efeitos da época da adubação nos diferentes sistemas. No ambiente de terras baixas, a intensidade de cultivo de arroz e a quantidade de fertilizante adicionado aumenta os níveis de K não trocável e estrutural. Esses resultados demonstram que a adoção de SIPA aliado ao sistema plantio direto pode aumentar as frações não trocáveis e estruturais de K no solo, essas potencialmente disponíveis para as plantas, além de reduzir as possíveis perdas do nutriente para o ambiente.