Tudo isso que chamamos de formação estética: ressonâncias para a docência, de Luciana Gruppelli Loponte


O artigo procura lançar um olhar aos sentidos que a palavra “estética” adquire aliada à formação docente em pesquisas educacionais brasileiras. Para compor a paisagem filosófica que dá contorno a este texto, recorre-se especialmente a autores como Foucault e Nietzsche, além de Hermann, Frigério e Pereira, cujos escritos ampliam as perspectivas aliadas à estética e à formação. Em um primeiro momento, são apresentadas análises iniciais sobre levantamento realizado em torno de pesquisas que associam formação estética e docência, do banco de dados da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) de 2006 a 2010, a fim de apreender a emergência de discussões diante da indeterminação de que se trata de uma formação aliada a uma dimensão estética. Na última parte do texto, procura-se dar um contorno mais nítido a experimentações de formação nesse âmbito, não apenas restrita aos docentes vinculados às artes, reivindicando a urgência de que o pensamento sobre formação estética docente contemple as produções artísticas contemporâneas.
Palavras-chave: formação estética, docência, arte contemporânea.

LOPONTE, Luciana Gruppelli. Tudo isso que chamamos de formação estética: ressonâncias para a docência. REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO, v. 22, p. 429-452, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v22n69/1413-2478-rbedu-22-69-0429.pdf

 

Everything we call aesthetic training: resonances for teaching
This article seeks to survey the meanings that the word “aesthetics” acquires combined with the training of teachers in Brazilian educational researches. To compose the philosophical landscape which gives this text its outline, we resort to authors such as Foucault and Nietzsche, in addition to Hermann, Frigério, and Pereira, whose writings expand the perspectives allied to aesthetics and training.
At first, we present analyses of the survey carried out around researches which combine aesthetic training and teaching, from the theses bank of Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) from 2006 to 2010, in order to grasp the emergence of discussions and authors facing the indeterminacy that it is a kind of training combined with an aesthetic dimension. The last part of the text, we try and give a clearer outline to experiments on training in this context, not only restricted to teachers involved with the artistic field, claiming the urgency that the ideas about aesthetic training contemplates contemporary art productions.
KEYWORDS: aesthetic training; teaching; contemporary art.

Versão em inglês do artigo disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v22n69/en_1413-2478-rbedu-22-69-0429.pdf