Thomas Hirschhorn – Ferramentas de intervenção no mundo


Bataille Monument, 2002 - Documenta 11, Kassel, 2002 Bataille Monument, 2002, Documenta 11, Kassel.

Bataille Monument, 2002, Documenta 11, Kassel.

Considerado um líder entre os artistas de sua geração, Thomas Hirschhorn nasceu em 16 maio de 1957 em Berna na Suíça e trabalha atualmente como artista gráfico em Paris. Hirschhorn reúne referências e imagens retiradas de mídias populares juntamente com o trabalho de teóricos radicais, como Gilles Deleuze e Georges Bataille. O artista é conhecido pelo seu trabalho escultórico onde utiliza materiais como madeira, papelão, plástico, acrílico, piso de linóleo, fita adesiva, tinta, tinta spray, fio elétrico, lâmpadas fluorescentes, fotocópias, manequins, mesas com pregos e parafusos, globos, ferramentas, megafones, sofás, faixa de tecido, cavaletes, materiais impressos e livros para criar uma realidade distópica.

Nail Family, 2006 - Wood, board of agglomerate, models, cardboard, transparent adhesive tape, nails, screws, prints and African statuette - 94 x 98 x 94 inches (238.8 x 248.9 x 238.8 cm)

Nail Family, 2006. Madeira, tábua de aglomerado, modelos, cartolina, fita adesiva transparente, pregos, parafusos, estampas e estatuetas africanas, 238.8 x 248.9 x 238.8 cm

Universal Gym, 2009

Universal Gym, 2009

Tattoo-serie, Embarrassing Questions, 2007

Tattoo-serie, Embarrassing Questions, 2007

 

Concordia, 2012

Concordia, 2012

Too Much, Too Much (2010)

Too Much, Too Much, 2010

Too Much, Too Much (2010)

Too Much, Too Much, 2010

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em seu trabalho Restore Now (2006), que pode ser visto no Instituto Inhotim, o artista usa […] “uma diversidade de objetos e materiais se transforma em ferramentas para uma interpretação (re)construtiva do mundo.”  Em busca da rejeição de pensamentos formatados e interrogando sobre o acesso democrático ao conhecimento, ele transforma suas ideias sociopolíticas em objetos que funcionam por associação simbólica tirando os de seu contexto comum e tornando-os objects trouvés.

Alguns dos seus trabalhos utilizam-se de discussões filosóficas e históricas para tratar de temas como valores estéticos, consumismo, agenda política, responsabilidade moral, espetáculo da mídia. O artista produziu uma série de monumentos interativos para grandes filósofos como Deleuze, Gramsci, Spinoza, Gramsci.

Seus trabalhos, mesmo que tridimensionais, nos remetem a colagem e a uma propagação anárquica de informações visuais e gráficas que passeiam por referencias como Merzbau de Kurt Schwitters, Joseph Beuys  e Andy Warhol. Formado em Design Gráfico, nos anos 1980 Hirschhorn migra para o campo das artes buscando uma maior liberdade de criação.

 

Como a arte e a filosofia podem convocar a participação, a interação e o desenvolvimento de um pensamento crítico em relação ao mundo?

 

ThomasHirschhorn-1

Para conferir mais informações sobre o artista e seus trabalhos clique aqui.

Referências:

http://www.stephenfriedman.com/artists/thomas-hirschhorn/

http://www.gladstonegallery.com/artist/thomas-hirschhorn

http://www.art21.org/artists/thomas-hirschhorn

http://www.inhotim.org.br/inhotim/arte-contemporanea/obras/restore-now/


Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

One thought on “Thomas Hirschhorn – Ferramentas de intervenção no mundo