O tempo de Cinthia Marcelle


Cinthia Marcelle nasceu em Belo Horizonte em 1974, assim como diversas outras pessoas. Mora em São Paulo, assim como diversas outras pessoas.

Este é um dos principais pontos de seu trabalho, as coincidências e simultaneidades que não são percebidos no nosso cotidiano se tornam arte aos olhos da artista. São repetições que questionam o tempo, o uso do espaço e o seu objetivo.

Escolhida para ocupar sozinha o pavilhão brasileiro da Bienal de Veneza em 2017, na série Unus Mundus as coincidências são automobilísticas. O trabalho “Volta ao Mundo”, parte da coleção de Inhotim, nos mostra uma sequência de kombis circulando uma rotatória. A princípio vemos uma, duas, três, até chegarmos a nove kombis e vê-las aos poucos sumindo. Assim como em “Fonte 193” e “475 Volver” onde um caminhão de bombeiros e uma escavadeira exercem atividades sem finalidade útil, como um círculo enlameado e um infinito de terra onde o principal objetivo é a ação. Então percebemos algo indispensável para entender o trabalho de Cinthia: Observar a arte presente no cotidiano.

"Volta ao Mundo", da Série Unus Mundus

“Volta ao Mundo”, da Série Unus Mundus

 

 

Cinthia-Marcelle-8-e1280344461474

 

O tempo e o seu propósito são questões fundamentais para Marcelle, mas não só o tempo contado, aquele do relógio. “Sobre este mesmo mundo”, obra exposta na 29ª Bienal de São Paulo questiona o tempo do saber e seus resíduos, representados pelo pó de giz e seus resquícios no quadro negro que logo serão esquecidos e levados como poeira.  No trabalho “Homage to M.A”., um dos materiais mais simples da escola é mostrado como objeto fundamental: sustentando cadeiras e apoiando paredes. Convidada a realizar uma exposição no MoMa PS1, a artista retorna ao giz na obra “Educação pela Pedra”, uma instalação que preenche as paredes de tijolos com giz.

 

Sobre Este Mundo, 2010

Sobre Este Mundo, 2010

 

"Educação pela Pedra" 2016

“Educação pela Pedra” 2016

 

 Detalhe - Educação pela pedra

A artista ressignifica objetos cotidianos, os iluminando com outros olhares. O quê, um simples giz branco de quadro negro, presente na grande maioria das escolas pode nos dizer além do óbvio? Poderíamos atribuir novos significados a outros objetos comuns de uma escola? Que outros olhares inesperados podem ser lançados à própria escola e seus habitantes?

Referências:

http://www.galeriavermelho.com.br/pt/artista/87/cinthia-marcelle


Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

2 thoughts on “O tempo de Cinthia Marcelle