Dilema


Prof. José Roberto Goldim

A ocorrência de dilemas na atividade dos profissionais de saúde ao atenderem pacientes  tem provocado inúmeras reflexões na área da Bioética Clínica. Estas situações reais ocorrem quando duas abordagens são possíveis e defensáveis tecnicamente, existindo dúvidas quanto a adequação moral de cada escolha. Muitas vezes ocorrem falsos dilemas, pois as situações propostas não são equivalentes ou por que existem outras possibilidades, além das duas colocadas em discussão. Muitas vezes uma solução criativa afasta a ocorrência do dilema.

Segundo o Dicionário Aurélio, um dilema ocorre quando se utiliza um argumento que coloca o adversário entre duas proposições opostas. Pode ser, igualmente, uma situação embaraçosa com duas saídas difíceis ou penosas .

De acordo com Walter Sinnott-Armstrong, 1988, citado por Sottomayor Cardia, dilema moral é qualquer situação na qual simultaneamente: a) há para o agente o dever moral de adotar cada uma das duas alternativas; b) nenhum dever moral é preterido em termos moralmente relevantes; c) o agente não pode adotar conjuntamente as duas alternativas; d) o agente pode adotar separadamente qualquer das duas alternativas.

Um dos dilemas mais conhecidos da literatura universal talvez seja o vivido por Hamlet (ato 3, cena 1).

Um outro dilema muito citado, especialmente em estudos de desenvolvimento moral, é o Dilema de Heinz,
proposto por Kohlberg.
 
 Uma mulher que estava a morte devido a um tipo de câncer. Uma droga pode salvá-la, uma nova fórmula que um farmacêutico de sua cidade havia desenvolvido. O farmacêutico  está cobrando $2000,00 pelo medicamento, cercade dez vezes o preço de custo. O marido destasenhora, chamado Heinz, procutrou todas as pessoas que conhecia para edir dinheiro emprestado, mas conseguiu apenas metade da quantia necessária. Ele falou com o farmacêutico que a sua esposa estava morrendo e pediu que lhe vendesse a droga mais barato ou que deixasse para complementar o pagamento posteriormente. Mas o farmacêutico disse "Não!".  O marido ficou desesperado e arrombou a farmácia para roubar a droga para sua esposa. O marido deveria fazer isto ? Por que ?


Segundo Kohlberg, o marido da senhora que estava doente,  tinha apenas duas saídas possíveis (dilema): deixar a sua esposa morrer por falta do remédio ou roubar o remédio. Segundo a proposta original o dilema era entre o dever de salvar uma vida e não roubar. Kohlberg propunha que a opção por salvar a vida era superior a de não roubar, e a sua utilização era justificativa ética da autonomia do indivíduo, que estaria situada acima das regras morias e legais. Ele utilizava o  raciocínio de que estes deveres - salvar uma vida e não roubar - são deveres prima facie, e não de deveres absolutos utilizado por Kant. Weston levantou inúmeras outras alternativas a esta situação, retirando-lhe a característica dilemática.



Buarque de Holanda A. Pequeno dicionário da lingua portuguesa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983:412.
Sottomayor Cardia M. Etica I. Lisboa: Presença, 1992:132.
Wells S, Taylor G. (ed) William Shakespeare: the complete works. Oxford: Clarendon, 1991:669.
Weston A. A practical companion to Ethics. New York: Oxford, 1997:33-34.

Bioética Clínica
Material de Apoio - Conceitos Básicos
Página de Abertura - Bioética

Texto incluído em 12/04/1998 e atualizado em 03/07/2002
(c)Goldim/1998-2002