Caso Hemofilia


hemofi/Goldim&Matte

Uma consulente vem procurar um serviço de aconselhamento genético para diagnóstico pré-natal. O levantamento da genealogia mostrou que seu pai é hemofílico, o que significa que ela é portadora deste gene e, portanto, um feto do sexo masculino terá uma probabilidade de 50% de ser afetado. Entretanto, o estudo de DNA da consulente e de seus pais revela uma situação de falsa paternidade. O suposto pai hemofílico não é o seu pai biológico. Do ponto de vista genético, isto significa que a consulente não é portadora do gene da hemofilia, não existindo risco para esta ou futuras gestações.

É eticamente adequado revelar esta informação ?

A quem deve ser dado este resultado ?

Em não revelando, é adequado submeter a paciente a procedimentos diagnósticos, que envolvem riscos desnecessários ao feto ?

Qual o sentido de realizar o diagnóstico pré-natal de hemofilia ?

Zatz M. Os dilemas éticos do mapeamento genético. Revista USP 1995;24:20-27.

Bioética e Genética (aula)
Página de Abertura - Bioética
©Goldim&Matte/97