Caso Lakshmi
Divulgação de Cirurgia e Consentimento Informado


José Roberto Goldim


Na Índia nasceu uma menina fusionada a um irmão gêmeo parcialmente desenvolvido, sem desenvolvimento cefálico. Ela apresentava oito membros. Lakshmi é o nome da deusa, esposa de Vishnu, que apresenta múltiplos membros. O nome dado à criança foi uma referência a esta divindade. Após um período de perplexidade a família, de uma região pobre do interior da Índia, começou a se preocupar com a qualidade de vida da menina, que sempre ficava confinada ao seu leito. A família recebeu a proposta de compra da menina por parte de um proprietário de um circo de Nova Delhi, mas recusou. Uma equipe médica se prontificou a realizar uma cirurgia de separação dos corpos, sem custo para a família. Mais de 30 profissionais foram envolvidos em uma preparação que durou mais de dois meses. A cirurgia foi realizada com sucesso. A família autorizou e participou de inúmeros programas e reportagens com a menina, outros membros da família  e a equipe médica.

A principal questão envolvida neste caso foi a ampla divulgação dada na imprensa leiga sobre a preparação, realização e resultados da cirurgia. A espetacularização do caso acabou sendo questionada por alguns órgãos de imprensa da própria Índia. Várias questões podem ser discutidas. Uma importante se refere a vulnerabilidade da família e a validade do consentimento dado para a super-exposição que a menina teve nos meios de comunicação social. A divulgação científica deste caso seria muito adequada, com a finalidade de compartilhar a experiência cirúrgica realizada e os seus resultados, mas a liberação precoce de informações para o grande público é que causa mal-estar. Transformar a cirurgia num espetáculo, divulgado em todo o mundo, com altíssima exposição física da paciente no período pré e pós-cirúrgico é contrário às normas de prática médica na Índia.


Casos
Página de Abertura - Bioética

©Goldim/2007