Modelo Ternário 

Autores básicos

Diego Gracia Guillen (Espanha)
Obra de referência
Guillen DG. Orientamenti e tendenze della bioetica spagnola. In: Viafora C. Vent'anni da bioetica. Pádua:,se,1990:293.

Gracia, Diego. Procedimientos para la toma de desiciones clínicas. Madrid, EDEMA, p.36

Referência histórica
Principialismo e Casuística.
Proposta básica
O Modelo Ternário, a exemplo do Modelo Coerentista, propõe a utilização conjunta dos modelos baseados em princípios e em casos.  A novidade é introdução de um terceiro elemento, que o autor chama de obrigações morais. Este componente introduz uma perspectiva de complexidade ao modelo, permitindo a inserção da incerteza como elemento.

O Modelo Ternário, na visão de Francesco Bellino (Fundamentos de Bioética. Bauru: EDUSC, 1998:215-217), é um modelo para a análise de problemas morais em Bioética Clínica.  A sua proposta divide esta análise em três momentos distintos:

É uma proposta individualista, que introduz alguns componentes sociais.
Crítica
A crítica a esta proposta tem sido a de que Diego Gracia considera os princípios da Não-Maleficência e da Justiça como sendo absolutos. A Beneficência seria sempre relativa à Autonomia. Se existe princípios absolutos, eles contradizem o próprio Modelo que os considera como deveres prima facie.


Modelos explicativos utilizados em Bioética
Textos - Conceitos Fundamentais
Página de Abertura - Bioética

Texto incluído em 13/02/1999 e atualizado em 05/04/2003
(C)Goldim/1997-2003