Como a Web 2.0 está mudando a ciência

Compartilhe

 
A mudança que a Web 2.0 pode causar na comunicação da ciência não é pequena e pode ser maior até do que a introdução dos periódicos científicos no século XVII. Talvez pela primeira vez iremos fazer uma divulgação científica verdadeira, onde não precisamos convencer o público que ciência é importante. O público atualmente pode participar ativamente tanto do financiamento de trabalhos científicos como da análise e produção de dados que servem como base para muitos artigos publicados recentemente.
A introdução dos primeiros periódicos em meados do século XVII trouxe várias vantagens sobre a forma como a ciência era comunicada até então. Cartas mantinham as descobertas de uma forma privada, livros eram caros para serem editados e demoravam muito tempo para serem publicados e as reuniões das recém criadas sociedades científicas ainda não atingiam um grande público.
Os primeiros periódicos científicos diminuíram os custos, diversificaram o conteúdo por publicaram experimentos e descobertas de vários cientistas diferentes e introduziram um controle de qualidade pela revisão por pares. Essa importante ferramenta para a comunicação da ciência foi muito importante, mas pouco evoluiu nos últimos séculos. As vantagens que a introdução dos periódicos trouxeram no século XVII se transformaram em grandes problemas.
O controle da editoração dos periódicos passou de sociedades sem fins lucrativos para empresas, que cobram caro pelo serviço, mesmo sendo o trabalho de revisão por pares ainda feito de forma gratuita pelos cientistas. Além disso o tempo entre a conclusão de um experimento até a publicação do artigo pode levar de meses até anos para ser concluído. Como o número de cientistas aumentou e as ferramentas modernas multiplicaram a velocidade de análise dos dados e escrita dos manuscritos esse tempo se transformou em uma eternidade. 
Quanto a revisão por pares, o controle de qualidade dos artigos pode não ser tão isento, privilegiando artigos submetidos por certos autores de certas instituições. Pode também suprimir novas ideias, já que o financiamento da própria ciência depende dos artigos publicados, aumentando a guerra entre cientistas e laboratórios pelo pouco dinheiro destinado a ciência.
Com a popularização da Web, muitos acharam que essa seria a salvação para a comunicação da ciência. Diminuição dos custos de editoração, distribuição do conteúdo, aumento da velocidade da revisão por pares…eram promessas que não aconteceram. A ciência manteve os seus velhos hábitos, agora em um meio eletrônico. As novas ferramentas que podem – e estão – alterando a ciência de forma avassaladora: como publicamos, como fazemos, como se ensina/aprende e como divulgamos ciência.
Novas maneiras de se pensar a publicação e distribuição de artigos científicos como os portais ArXiv e PLoS, de contribuir diretamente com a ciência sem intermediários como os exemplos do projeto Genoma do Mexilhão Dourado e do Programa Alexa, de ajudar na geração e análise de dados científicos sem sair de casa  através da computação distribuída do projeto BOINC e de jogos como o Foldit, de mudar efetivamente como encaramos o ensino de ciência pela Khan Academy e o Veduca. E claro, novas maneiras de reinserir a ciência na cultura através de iniciativas como o Science Blogs Brasil, despertar a curiosidade científica através do Manual do Mundoou mesmo participar de uma conversa de bar sobre ciência realmente entendendo o que está sendo falado como no Dragões de Garagem e no Fronteiras da Ciência.
A Web 2.0 pode trazer a ciência não só para perto do grande público, mas fazer com que ele participe em tempo real e ativamente do processo científico. Acho que não existe uma melhor maneira de fazer divulgação científica do que colocar o público dentro dos nossos muros e não apenas dizer para eles como a ciência é importante através de cartas e vídeos enviadas da nossa torre de marfim.
Texto de Luiz Bento para o ScienceBlogs
25 de setembro de 2013

Publicado por Priscila Jacobsen