Messenger de cara nova

Compartilhe

Recursos do programa de mensagens instântaneas do Microsoft busca integração com redes sociaisFebre da internet há anos, o Windows Live Messenger, programa de mensagens instantâneas da Microsoft, vai mudar. Mais do que só uma atualização, a versão apresentada ontem, em São Paulo, pelo presidente mundial da companhia, Steve Ballmer, é uma adoção radical do novo jeito de fazer as coisas em tecnologia: com a participação de todos.

Previsto para estar disponível até o fim do ano, pelo link downloadlive.com, o novo Messenger integra, em uma só tela, conteúdos de redes sociais como o Facebook e o MySpace, e permite usar serviços de outros sites sem sair de dentro do programa.

– Vivemos num mundo em que as pessoas têm múltiplas faces online, e o Brasil tem participação muito intensa nas redes sociais – afirmou Ballmer.

As mudanças no Messenger ilustram a adesão da Microsoft à cloud computing – tendência que coloca a maior parte dos recursos de informática disponíveis via internet e não mais por meio de programas instalados em apenas um computador. É um movimento no território de seu principal inimigo atualmente, o Google, que ainda reina em serviços online.

O Google também procura uma solução que congregue as atividades dos internautas, cada vez mais pulverizadas. Mais da metade do tempo gasto online é dividida entre mensagens instantâneas, e-mail, buscas e compras – o resto, em sites de conteúdo. Juntar isso tudo em um só programa tem valor maior para anunciantes.

– Não temos medo de lançar produtos totalmente novos, que não foram testados. Também não nos furtamos de melhorar o que deu certo – disse Ballmer, ao ser questionado se a Microsoft não estaria marcando passo ao apenas atualizar um programa que já existe em vez de tentar ideias novas.

O Windows Live Messenger em números:
– O programa é utilizado por 320 milhões de pessoas no planeta, que trocam cerca de 10 bilhões de mensagens instantâneas por dia.
– O Brasil tem a maior base de usuários: 46 milhões, superando inclusive os Estados Unidos.
– Cerca de 25% dos minutos gastos na internet no país, segundo a Microsoft, são passados no Messenge.

Fonte: ZHOnline
Data: 29/04/2010

29 de abril de 2010

Publicado por Gabriela Marchioro