Programa desenvolvido por bolsista do CNPq divulga ciência entre meninas

Compartilhe

O projeto Mulheres Cientistas: promovendo o interesse de meninas na ciência por meio da física surgiu quando a professora e vice-coordenadora da iniciativa, Daniela Borges Pavani, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), teve a ideia de discutir na escola e na universidade o porquê da baixa representatividade de mulheres na ciência e do desinteresse de meninas em idade escolar pelas carreiras nos campos de ciência e tecnologia.

“Desde o início, nos propusemos a enfrentar estas questões onde as primeiras decisões sobre que carreira seguir são tomadas (escola básica) e onde são executadas (universidade). Neste último caso, sempre nos interessou também discutir a percepção das/dos estudantes e professoras(es) sobre a ocorrência ou não de discriminação de gênero e o impacto sobre a permanência na carreira”, afirmou.

A coordenadora e mais quatro bolsistas começaram a produzir vídeos motivacionais, que estão disponíveis no Youtube. O conteúdo são depoimentos destacando a realização profissional de mulheres nos campos de C&T. Assim, nasceu, em parceria com a UFRGS TV, o programa “Lugar de Mulher”. Os programas estão disponíveis no canal da UFRGS TV na internet e também no canal de  TV que a instituição de ensino passa seus programas em uma rede de canais a cabo de Porto Alegre.

O projeto é mais um dos 325 aprovados na Chamada 18/2013 – Meninas e Jovens fazendo Ciências Exatas, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTI) e foi desenvolvido ao longo de 2014. Daniela explica que, além de produzir o programa com entrevistas com mulheres bem estabelecidas em suas carreiras, em paralelo foram realizados estudos em escolas públicas. 

A pesquisa, feita com mais de 300 alunos e alunas do ensino médio e séries finais do ensino fundamental, identificou o interesse dos estudantes em ciências e nas carreiras de C&T, dentre os quais se destacou a astronomia. Após isso, foram realizados debates sobre questões de gênero, palestras e oficinas científicas (em especial envolvendo temas astronômicos) e exposições.

“Como forma de empoderamento e com o objetivo de destacar que as discriminações de gênero ocorrem  e que devemos dar voz às meninas e mulheres para que se desenvolvam pessoal e profissionalmente, levamos ao Instituto de Física da UFRGS cem meninas da escola, no que chamamos ‘Jornada de Mulheres na Ciência’,  para vivenciarem um dia especial. Elas visitaram os laboratórios de pesquisa do IF e participaram de oficinas envolvendo física e astronomia “, explicou Daniela.

O projeto continua ativo como programa de extensão da universidade e já está entrando em sua terceira edição.  Em 2016, a empreitada entrou na grade fixa da TV da universidade e foi contemplado com recursos do edital MEC/Proext para realização de atividades que envolvem oficinas de robótica e de ciências para meninas e meninos de escolas públicas, oficinas de gênero, palestras para o público em geral, debates no Instituto de Física.

Fonte: CNPq
 

O projeto “Meninas na ciências” tem como objetivo atrair meninas para as carrerias de ciência e tecnologia (C&T) e estimular mulheres que já escolheram estas carreiras a persistirem e se tornarem agentes no desenvolvimento científico e tecnológico do Brasil. Este objetivo é trilhado a partir da formação de alunas e alunos de graduação para difundirem a ciência e a tecnologia por meio da astronomia, da física e da robótica em escolas públicas. Além desta função formadora na área de ciências, o projeto visa sensibilizar a comunidade acadêmica e as comunidades mais carentes sobre o papel da mulher na sociedade, contribuindo para a eliminação de estereótipos de gênero. Em linhas gerais, nossas ações incluem: (1) formação continuada de alunas e alunos de graduação com foco em astronomia, física e robótica para o ensino de ciências e tecnologias, (2) oficinas de ciências e debates sobre questões de gênero em escolas públicas da capital e região metropolitana, priorizando aquelas em situação de vulnerabilidade social, (3) curso de robótica em uma escola pública e (4) produção de filmes para difundir a presença de mulheres em carreira de C&T, criando assim modelos femininos em áreas onde há baixa representatividade de mulheres.

O projeto é uma ação de extensão do Instituto de Física da UFRGS desde o final de 2013. As atividades de extensão do projeto estão em conformidade com o princípio constitucional da indissociabilidade com o Ensino e a Pesquisa.

Fonte: Site do Projeto

29 de junho de 2016

Publicado por Priscila Jacobsen