Venha pra luta contra o machismo você também!

Nesse domingo, dia 26/05/2013, a partir das 16h, ocorrerá a 3ª edição da Marcha das Vadias em Porto Alegre.

Esse movimento surgiu em 2011, no Canadá, após uma série de estupros ocorridos no campus de uma universidade em Toronto, ocasião na qual o policial Michael Sanguinetiti afirmou que as mulheres estudantes deveriam evitar se vestir como “vadias” para não serem estupradas. O movimento vem, então, ressignificar o termo “vadia” e afirmar que nenhuma mulher que sofreu abuso sexual é culpada por ele. O único culpado é o estuprador. O estupro, o abuso sexual ou qualquer outra forma de violência contra a mulher jamais deveria ser justificada em razão das vestimentas dela. A maneira com a qual uma mulher se veste não autoriza a violência, não dá direito ao homem de tocá-la. Parafraseando um dos cartazes da 2ª edição da marcha, realizada no ano passado na capital gaúcha: “Ensinem seus filhos a não estuprar, não as suas filhas a como se vestir”.

Dar um novo significado a palavra “vadia” é afirmar que “se ser vadia é ser livre, somos todas vadias”. É questionar a lógica patriarcal na qual estamos enclausuradas(os) desde antes do nosso nascimento, é perguntar como e porque surgem as opressões de gênero, é afirmar, categoricamente, os direitos da mulher.

Nesse sentido, o Centro Acadêmico André da Rocha, além de expressar seu reconhecimento à causa e reafirmar a sua luta contra as opressões, se soma ao movimento e convida às(aos) suas(seus) associadas(os) e a toda comunidade a participar da sua oficina de cartazes, no próprio domingo, dia 26/05, a partir das 14h30, no arco da Redenção. Esperamos todas(os) lá!

O quê? Oficina de onfecção de cartazes do CAAR para a Marcha das Vadias.
Quando? dia 26 de maio, às 14h30.
Onde? No arco da Redenção.

 

Comentários estão fechados.