Elza Soares vai receber Honoris Causa da UFRGS: distribuição de ingressos inicia em 20/05 no Centro Cultural

Uma das lendas da música popular brasileira, bandeira da luta da mulher negra em um país preconceituoso contra o gênero e contra a cor da pele, Elza Soares, 81 anos, receberá uma devida homenagem pelo conjunto de sua obra na Universidade Federal do Rio Grande do Sul: receberá o título de Doutora Honoris Causa. Em sessão na manhã desta sexta-feira, 17, o Conselho Universitário da UFRGS aprovou a entrega do título em 26 de maio às 20h, com entrada gratuita, no Salão de Atos.

A distribuição de ingressos ocorrerá a partir de segunda, 20 de maio, das 9h às 18h, na recepção do Centro Cultural da UFRGS. O limite de ingressos disponibilizados – comunidade interna e externa à UFRGS – é de dois por pessoa.

A entrega do reconhecimento a Elza Soares é um momento histórico também para a cultura brasileira, em razão de ser a primeira vez que uma artista mulher e negra, ligada à música popular, recebe a distinção. Somente Maria Bethania recebera tal título pela Universidade Federal da Bahia, em 2016.

Outros artistas da música brasileira também receberam o título, como Gilberto Gil (Universidade de Aveiro, Portugal – 2006); Luiz Gonzaga (in memoriam – UFRPE, 2012); Milton Nascimento (UEMG, 2012, e Berklee, Estados Unidos – 2016); Waltel Branco (UFPR, 2012); Sebastião Tapajós (UFOPA, 2013); Naná Vasconcelos (UFRPE, 2015); Geraldo Azevedo (UPE e UNIFASF, 2016); Nei Lopes (UFRGS, 2017); Martinho da Vila (UFRJ, 2017); Hermeto Paschoal (New England Conservatory, Estados Unidos -2017) e Egberto Gismonti (UNIRIO, 2017). É a primeira honraria de tal grau concedida pela UFRGS a um músico. O último doutor honoris causa concedido pela UFRGS aconteceu em março deste ano, para Paul Kieran Whelton, em uma proposição da Faculdade de Medicina.

Lançamento de biografia

Logo após o honoris causa, no mesmo Salão de Atos da UFRGS, Elza Soares recebe para uma conversa o escritor e músico José Miguel Wisnik. Os dois darão o seu testemunho e debaterão sobre as Coisas Essenciais da Vida, projeto desenvolvido pelo Departamento de Difusão Cultural da UFRGS até 2003, e que tem uma sessão especial com os convidados no dia 26 de maio.

A última etapa da programação do dia dedicado à rainha Elza Soares ocorrerá com uma sessão de autógrafos da biografia ‘Elza’, escrita pelo jornalista Zeca Camargo, para as primeiras 250 pessoas que pegarem senhas no estande da Livraria Baleia, no saguão de entrada do Centro Cultural. Para receber a senha, o interessado deve mostrar a sua obra ou comprar um exemplar no local (preço sugerido é de R$ 59,90). Elza Soares e Zeca Camargo estarão autografando as obras.

Sobre Elza Soares

Com 35 álbuns gravados (afora os compactos e coletâneas) e mais de 60 anos de carreira, Elza Soares é uma das maiores personalidades da história da música popular brasileira. Eleita a Melhor Cantora do Milênio pela BBC de Londres em 1999, Elza viu seus trabalhos serem aclamados pelo público e pela crítica. Um de seus discos mais recentes, A mulher do fim do mundo (2015) recebeu o Grammy Latino na categoria de Melhor Álbum de Música Popular Brasileira e o prêmio de Melhor Álbum pela Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA).  Com um percurso sempre pautado pela ousadia, a artista se mantém atual e aberta a novas tendências, transitando também pelo rap e pelas experimentações com música eletrônica e incorporando temas relacionados ao preconceito étnico-racial, ao empoderamento feminino e à valorização das religiões de matriz africana.

Sobre o projeto Coisas Essenciais da Vida

A frase ‘coisas essenciais da vida’, mote da Série Depoimentos desenvolvida pelo Departamento de Difusão Cultural em 2002 e 2003, foi inspirada na obra Walden, do escritor americano Henry Thoreau, publicada em 1854. Nesse texto, o autor conta como viveu isolado durante dois anos. Ao deixar a cidade afastando-se do convívio social, Thoreau buscava, antes de mais nada, uma radical reflexão sobre o sentido de viver bem a vida. Naquele momento, marcado por uma rápida urbanização e industrialização, em que a tensão entre os confortos e os desconfortos do mundo moderno começava a surgir, Thoreau questionava a ideia de que uma vida bem vivida é sinônimo de acúmulo excessivo de bens materiais.

A partir da obra de Henry Thoreau, concebemos o projeto ‘coisas essenciais da vida’, que tinha como proposta central o questionamento sobre o que pode ser considerado essencial na vida de hoje, marcada não só pelo excesso – e pelo desperdício – de tudo que é palpável, como alimentos e objetos, mas também pelo excesso de estímulos e informações. O consumo exacerbado, de um lado, e uma aguda carência, de outro, perceptível também no que se refere aos bens culturais, às produções simbólicas, tornava fundamental a possibilidade de um pensamento plural sobre o estado das coisas no mundo contemporâneo.

Assim, artistas e pensadores das mais diferentes áreas foram convidados a dar o seu testemunho sobre o tema em encontros mensais em diferentes espaços da universidade. Participaram da Série Depoimentos: ‘coisas essenciais da vida’ o cineasta Beto Brant, cujo depoimento esteve associado à pré-estreia de seu último filme, O Invasor; o filósofo Nelson Brissac, criador do Arte/Cidade; o pesquisador e professor da ECA-USP, Teixeira Coelho; as artistas plásticas Elida Tessler e Maria Lucia Cattani; o psicanalista Contardo Calligaris; o jornalista Ruy Carlos Ostermann; e o escritor Armindo Trevisan. Em 2003, ano em que a programação voltou-se para a produção realizada por mulheres, participaram a cantora Elza Soares (acompanhada pelo compositor e professor e ensaísta Zé Miguel Wisnik), a poeta Alice Ruiz (acompanhada pela compositora Alzira Espíndola), as cineastas Liliana Sulzbach e Ana Luiza Azevedo, a filósofa Olgária Matos, a psicanalista Maria Rita Kehl e a diretora teatral Maria Helena Lopes.

Hoje, passados mais de quinze anos, o tema continua atual e urgente. Por isso a ideia de reeditar um dos mais marcantes depoimentos da série: aquele realizado pela cantora e compositora Elza Soares ao lado de seu parceiro de inúmeros projetos, o ensaísta e compositor Zé Miguel Wisnik.

SERVIÇO

Sobre: Distinção de Doutora Honoris Causa a Elza Soares + Conversa com José Miguel Wisnik – projeto Coisas Essenciais da Vida + Lançamento da biografia ‘Elza’ e sessão de autógrafos.

Data: 26/05

Horário: a partir das 20h

Local: Salão de Atos da UFRGS (Av. Paulo Gama, 110, Porto Alegre-RS)

Ingressos: Distribuição a partir de 20/05 das 9h às 18h na recepção do Centro Cultural da UFRGS (Rua Eng. Luiz Englert, 333, Porto Alegre-RS). Limite de dois ingressos por pessoa – comunidade interna e externa à UFRGS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *