Pesquisa da UFRGS realiza levantamento inédito sobre suicídios no RS

Análise de casos de 2017 a 2019 também investiga a influência de novas drogas nessas ocorrências

Maria Cristina Franck desenvolve o método para a detecção das novas substâncias psicotrópicas no IGP-RS

A taxa de suicídios no Rio Grande do Sul é a maior do Brasil. No entanto, os tabus que ainda envolvem o assunto fazem com que haja poucos estudos relacionados ao tema. Para a professora da UFRGS Renata Pereira Limberger, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas, possuir dados sobre os casos de suicídio é fundamental para planejar e implantar políticas públicas voltadas a preveni-los. Com esse entendimento, a docente buscou a perita criminal Maria Cristina Franck para uma pesquisa inédita.

Maria Cristina está classificando todos os casos ocorridos no Rio Grande do Sul entre 2017 e 2019 segundo gênero, idade, ausência parental, contexto do óbito, região, estação do ano, dia da semana, turno e resultados toxicológicos, entre outros aspectos. Os dados são levantados através de consulta às ocorrências policiais e aos laudos emitidos pelo Instituto-Geral de Perícias do RS. Este levantamento é inédito e os resultados vão beneficiar especialmente o estado na prevenção ao suicídio.

Além disso, a pesquisadora está desenvolvendo um método analítico para detectar novas substâncias psicotrópicas no sangue. Este novo método em breve vai ser implantando na rotina do Instituto-Geral de Perícias do Rio Grande do Sul, qualificando as análises e registrando informações que hoje não existem sobre o uso dessas novas drogas. Saiba mais na entrevista acima.

Você pode gostar...