PAT Planalto Sul

Sobre PAT Planalto Sul

O Plano de Ação Territorial (PAT) Planalto Sul é um instrumento de conservação de espécies ameaçadas de extinção, de gestão participativa, e com enfoque territorial. O PAT Planalto Sul integra as atividades do projeto Pró-espécies – Estratégia Nacional para Conservação de Espécies Ameaçadas de Extinção. O projeto objetiva minimizar os impactos sobre as espécies ameaçadas de extinção no Brasil, especialmente àquelas criticamente ameaçadas, que não estão protegidas em unidades de conservação e não integram outros Planos de Ação Nacional (PAN). Desde 2018 a Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura do Rio Grande do Sul (SEMA) trabalha em conjunto com o Instituto de Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA) para o planejamento e implementação do PAT Planalto Sul. O território do PAT abrange 27 municípios do RS e 12 de SC, distribuídos na região dos Campos de Cima da Serra.

O PAT possui seis objetivos específicos e 41 ações para a redução do risco de extinção de 22 espécies focais, sendo 17 espécies de plantas e 5 espécies da fauna. As ações de conservação abordam temas, tais como: a proteção dos ambientes de ocorrência conhecida e potencial das espécies focais, a mitigação dos efeitos negativos das espécies exóticas invasoras sobre as espécies focais e seus ecossistemas, a redução da conversão da vegetação nativa para usos incompatíveis com a conservação das espécies focais, a redução das fontes de alterações físicas, químicas e biológicas que afetam seus ambientes, a ampliação e difusão do conhecimento sobre as espécies e ambientes, e, o fortalecimento das cadeias produtivas sustentáveis que conservem e restaurem a vegetação nativa do território.

Os documentos públicos do PAT Planalto Sul, como a matriz de planejamento completa, o mapa de localização, a portaria de formalização e um relatório de progresso podem ser acessados no link abaixo.
PAT-PLANALTO-SUL-foto

O PAN Lagoas do Sul foi criado a partir de iniciativas e ações existentes em diferentes espaços de governança e que vêm contribuindo direta ou indiretamente para a conservação das lagoas, espécies e modos de vida associados. Dentre os atores que têm participado ativamente de seu processo de construção e execução, estão os povos e comunidades tradicionais.

De acordo com a Instrução Normativa (IN) ICMBio nº 21, de 18 de dezembro de 2018, “o Plano de Ação Nacional para Conservação de Espécies Ameaçadas de Extinção – PAN é um instrumento de gestão, construído de forma participativa, para o ordenamento e a priorização de ações para a conservação da biodiversidade e seus ambientes naturais, com um objetivo estabelecido em um horizonte temporal definido.”

Livros e Materiais

Confira mais detalhes sobre o Plano de Ação Nacional Lagoas do Sul