UFRGS e a Covid-19

Solução barata e acessível adapta equipamento para higienizar os pés no combate ao coronavírus

< Voltar
Sumário
Modelo de pedilúvio. Imagem: arquivo do pesquisador / divulgação.

Uma solução fácil, barata e acessível. O professor do Centro de Diagnóstico e Pesquisa em Patologia Aviária (CDPA) da UFRGS, Vladimir Pinheiro do Nascimento, propõe uma adaptação de equipamento utilizado em ambientes avícolas que visa reduzir os riscos de contaminação por vírus em ambientes de grande, médio e pequeno fluxo.

O pedilúvio é uma caixa que abriga uma esponja embebida em uma solução desinfetante que tem o objetivo de higienizar os pés, ideal para inativar a Covid-19. “Esse equipamento é usado por muito tempo pela indústria avícola. A nossa proposta é trazer algo que já funciona na biossegurança de granjas e abatedouros para ser usado na entrada de hospitais, supermercados e condomínios”, explica o pesquisador.

A Covid-19 é um vírus que possui um envelope lipídico que, em contato com desinfetantes, é inativado. “Os desinfetantes atuam sobre a gordura, como o sabão por exemplo. Com a higienização adequada é possível inativar o vírus”, salienta ele, revelando que o pedilúvio foi utilizado na entrada da Expointer durante a crise da aftosa no Rio Grande do Sul.

Essa tecnologia é aberta, gratuita e não é nova. Pode ser confeccionada e adaptada a diversos ambientes, se utilizando de uma caixa retangular de metal ou de plástico rígido suficiente para abrigar os pés ao entrar nos ambientes. “Há uma outra proposta que seria trocar a esponja por roletes, como os rolos de pintura, que possibilitariam retirar o material orgânico e desinfetar a sola dos calçados em um efeito mecânico, como se usa nas quadras de tênis”.

A solução criativa e viável pode ser adaptada da indústria para o dia-a-dia da população neste momento de crise e enfretamento ao coronavírus (Covid-19). “Isso pode ajudar as pessoas a reduzirem a carga viral na entrada de ambientes. Estamos cuidando muitos das mãos, o que é correto, mas precisamos pensar nos pés também. É algo barato, de fácil acesso, uma solução típica de um país que tem a avicultura forte. Precisamos de soluções viáveis neste momento”, reforça Vladimir.

Pedilúvio

Pedilúvio feito em condomínio com materiais de pintura adaptados. Foto: Divulgação/Vladimir.

Uma caixa metálica ou de plástico rígido que pode ser feita em serralheria. O tamanho deve ser ajustado à entrada do local, suficiente para passar os pés. Dentro desta caixa deve ser colocada uma esponja, ou adaptados roletes de fibra de poliéster ou lã sintética, preenchida com uma solução desinfetante.

Pode ser usado na entrada de hospitais, supermercados, condomínios, casas e apartamentos. O objetivo é diminuir a carga viral nos ambientes, reduzindo os riscos de contaminação das pessoas pela Covid-19.

O custo de confecção pode variar entre R$ 50 a R$ 300, dependendo do material usado e da quantidade, quando o item for solicitado às empresas. Você também pode fazer uma busca na Internet e verificar a comercialização ou a sua confecção.

O papel da ciência

A biossegurança é muito importante em avicultura. Na UFRGS, a redução de riscos de contaminação em ambientes é pesquisada a muitos anos pela Faculdade de Veterinária. No decorrer dos anos, estudantes, professores e técnicos têm pesquisado o uso do pedilúvio, por exemplo.

O CDPA tem mais de 30 anos de atuação com pesquisas envolvendo doenças entéricas, salmoneloses, campilobacterioses, viroses e os modelos matemáticos, que são doenças que afetam as aves e os humanos, como a intoxicação alimentar, por exemplo. “Esse tipo de equipamento sempre foi usado para evitar, por exemplo, a contaminação bacteriana e também de vírus. O fato de nós passarmos alguns anos pesquisando o efeito de desinfetantes e de substâncias antimicrobianas em cima de agentes infecciosos só foi possível porque tivemos recursos públicos para a pesquisa”, enaltece o professor.

Por isso, pensar em soluções para reduzir os riscos de contaminação por Covid-19 é um dos papeis das universidades públicas federais. “Nós, como servidores públicos, temos intrínseca a possibilidade do apoio público da formação das pessoas como também no auxílio em momentos de crise como o que estamos passando agora. Temos na ciência a condição de desenvolver vacinas, sequenciar o vírus, propor tratamento, pesquisar soluções e adaptações. Tudo isso só pode ser feito se tivermos um sistema de pesquisa forte dentro das universidades, em especial as públicas. É uma maneira de justificarmos o nosso trabalho para a sociedade, nos mostrarmos como realmente somos”, finaliza ele.

MAIS

Vladimir Pinheiro do Nascimento é médico veterinário e Ph.D. em Medicina Veterinária pela Universidade de Glasgow (Grã-Bretanha). Professor Titular de Medicina de Aves do Departamento de Medicina Animal da Faculdade de Veterinária (FAVET/UFRGS). Atualmente exerce o cargo de Pró-Reitor de Graduação da UFRGS. Realiza pesquisas no Centro de Diagnóstico e Pesquisa em Patologia Aviária (FAVET/UFRGS).

Confira o áudio com o professor Vladimir Pinheiro.

Professor Vladimir Pinheiro do Nascimento. Foto: arquivo pessoal / divulgação