UFRGS e a Covid-19

UFRGS atinge marca de 100 mil testes covid-19 RT-PCR realizados no ICBS

< Voltar
Sumário
Foto: Divulgação

Além da testagem, Unidade trabalha atualmente no monitoramento genômico do coronavírus

O Instituto de Ciências Básicas da Saúde (ICBS/UFRGS) alcançou, neste mês de agosto, a marca de 100 mil testes RT-PCR realizados. O trabalho, iniciado em abril de 2020, como forma de colaboração do monitoramento dos casos do covid-19 no Rio Grande do Sul se expandiu durante mais de um ano e quatro meses de atuação. Recentemente, além da testagem, o ICBS atua em mais duas frentes: genotipagem e sequenciamento, como forma de avaliar, de forma mais detalhada, as adaptações do SARS-CoV 2 no andamento da pandemia.

O número de 100 mil testes, de abril de 2020 a agosto de 2021, está detalhado da seguinte forma: 80.751 para a Prefeitura de Porto Alegre; 8.018 para o Laboratório Central de Saúde Pública do RS (Lacen/RS), 7.030 para a Comunidade da própria Universidade, 3.792 para outras prefeituras e 409 para outros setores. O principal contrato do serviço de testes é com a prefeitura de Porto Alegre e completou um ano neste mês de agosto. Atualmente, o serviço realiza cerca de 500 testes por dia, mas alcançou seu pico entre os dias 14 de fevereiro e 14 de março, ultrapassando os mil testes por dia. Em 28 de fevereiro, foi atingido o maior número na força-tarefa, com 1,2 mil testes realizados. Nesse período, a equipe em atuação chegou a 150 pessoas.

Novas frentes

Readequações da atuação foram feitas durante todo o processo, de acordo com a demanda e com as necessidades. Neste mês de agosto, o acompanhamento genômico começou a ser realizado, com o objetivo de monitorar variantes. São duas frentes de ação: genotipagem, para identificar quais as variantes nos testes positivos; e sequenciamento, para identificar a existência de novas variantes em circulação. Um sequenciador de nova geração foi instalado recentemente e ajudará, também, nas diversas pesquisas sobre a covid-19.

A diretora do Instituto, Ilma Brum da Silva, que acompanha o trabalho desde o início no ano passado, afirma: “A ação mostra o quanto o ICBS está sendo capaz de responder às demandas da sociedade. Inicialmente, com as realizações dos testes. Agora, além da testagem, vamos nos adequar à necessidade de monitoramento genômico”. Segundo ela, também há um retorno muito positivo da comunidade acadêmica envolvida: “Recebemos como retorno dos participantes que se trata de uma boa oportunidade de aprendizado para formação de alunos de graduação, alunos de pós-graduação, técnicos e docentes”, complementa.

Leia também:

Tags: