UFRGS e a Covid-19

UFRGS disponibiliza aos servidores orientações de como cuidar da saúde mental durante o isolamento social

< Voltar
Sumário

Uma das sugestões é limitar o uso de redes sociais e smartphone. O excesso de informação pode provocar fadiga, exaustão, sentimentos depressivos e pensamentos de impotência

Durante o isolamento social, limite o uso de redes sociais e do smartphone. Foto: Arquivo -Secom/UFRGS

A equipe de Acompanhamento Psicossocial, vinculada à Divisão de Promoção da Saúde (DPS/UFRGS), preparou um conjunto de ações para auxiliar na manutenção da saúde mental dos servidores da Universidade neste período de isolamento social.

Aos servidores da UFRGS está disponível o serviço de Atendimento psicossocial online. O atendimento é feito pelo sistema Mconf (www.mconf.ufrgs.br) e destina-se àqueles que estejam enfrentando alguma dificuldade relacionada ao trabalho, à organização da rotina de trabalho remoto, ao isolamento social ocasionado pela Covid-19, dentre outras questões de saúde mental associadas à atividade laboral.

Os atendimentos são realizados de segunda a sexta-feira, das 8 às 17 horas, e o interessado precisa se inscrever através do formulário disponível em: https://forms.gle/4NZwh7UvLq75PSQF8. O servidor receberá um e-mail com informações de data e horário do atendimento, além de orientações sobre como acessar o Mconf. Para mais informações, entre em contato com: psicossocial_dps@ufrgs.br

Dentre as sugestões de como enfrentar o isolamento social, está a limitação do uso de redes sociais e do smartphone. Segundo a equipe de Acompanhamento Psicossocial, o excesso de informação pode provocar fadiga, exaustão, sentimentos depressivos e pensamentos de impotência.

Enfrentando o isolamento social

1. ORGANIZE SUA ROTINA

Defina horários diários para o trabalho em casa, para atividade física, para o lazer, para atualizar-se a respeito das notícias e para comunicar-se com amigos e familiares via dispositivos tecnológicos. Procure acordar, dormir e realizar suas refeições nos mesmos horários em que o faria em situações normais. Estabeleça cronogramas semanais ou quinzenais para o cumprimento de metas laborais ou objetivos pessoais e respeite os finais de semana como dias de descanso. A ausência de organização, do estabelecimento de objetivos e de disciplina pode levar a vivências de desorientação, ansiedade e depressão, em especial no contexto de situações excepcionais, em que a sociedade vive uma experiência não rotineira.

2. LIMITE O USO DE SMARTPHONES! LIMITE O ACESSO A REDES SOCIAIS!

Procure utilizar as redes e o smartphone apenas o necessário, para informar-se de fatos e para comunicar-se com entes queridos. Evite a superexposição (por exemplo, ficar com a TV ligada o dia inteiro em um canal de notícias). O excesso de informação pode provocar fadiga, exaustão, sentimentos depressivos e pensamentos de impotência. Verifique, sempre, a autenticidade das informações que você compartilha. Evite compartilhar nas redes informações que provoquem ansiedade. Procure comunicar sentimentos de esperança, de alento e de vitalidade.

3. PRATIQUE A RESILIÊNCIA E CULTIVE OTIMISMO

Certamente você já vivenciou alguma situação estressora. Tente lembrar das estratégias que você utilizou naquele momento. O que você aprendeu na ocasião? O que você pode tirar de aprendizado da atual situação que vivenciamos? Dissemine histórias positivas e imagens positivas de pessoas e locais que experimentaram a Covid-19 e se recuperaram. Divulgue relatos de indivíduos que ajudaram uma pessoa a se recuperar e estão dispostos a compartilhar sua experiência.

4. ENCARE A QUARENTENA E TODOS OS CUIDADOS NECESSÁRIOS COMO UMA ATITUDE SOLIDÁRIA

Pense que esse período de isolamento social é temporário, que chegará ao fim e que tem a finalidade de proteger você e os demais de efeitos devastadores da doença. Ou ainda, encontre formas de colaborar com a comunidade: ofereça-se para fazer compras para pessoas dos grupos de risco (se você também não estiver neles), ajude na divulgação de informações úteis e confiáveis, ou simplesmente fique atento e escute pessoas que você percebe que precisam de um pouco mais de atenção, por exemplo, uma pessoa que mora sozinha que já tem algum problema ou transtorno mental.

5. NÃO HESITE EM PROCURAR AJUDA DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE MENTAL

Nesse momento, o Conselho Federal de Psicologia autorizou a psicoterapia na modalidade online para todos os profissionais de saúde mental. Sendo assim, se necessário, faça usufruto dela. Caso precise de um médico psiquiatra, estabeleça contato com um. Se já faz uso de medicamentos, não pare de tomá-los. Se porventura conhece alguém que necessite de ajuda profissional, incentive-o a procurar esse auxílio.

LEMBRE-SE: o confinamento é temporário.

Departamento de Atenção à Saúde – DAS

Tags: