UFRGS e a Covid-19

Ventilador pulmonar proposto pela UFRGS é de baixo custo, fácil montagem e simples manutenção

< Voltar
Sumário
Protótipo de ventilador pulmonar. Foto: Divulgação/GEPEC-VENT.

Construir um ventilador pulmonar hospitalar com valor significativamente reduzido em relação ao preço dos respiradores disponíveis atualmente no mercado. Essa é a proposta do Grupo de Estudos e Pesquisas em Engenharia Criativa (Gepec), que une três departamentos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e busca, de forma criativa, solucionar problemas e atender demandas da sociedade. O Gepec-Vent é uma das soluções desenvolvidas para auxiliar no enfrentamento à Covid-19: um respirador pulmonar de baixo custo, com fácil montagem, simples operação e manutenção.

Professores do Departamento da Engenharia Civil (Deciv), do Departamento Interdisciplinar do Campus Litoral Norte (Didacln) e do Departamento de Medicina Social (Famed), além de estudantes do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil: Construção e Infraestrutura, o designer Felipe da Cruz e o engenheiro eletricista Arthur Leão, que atuam voluntariamente, estão unidos em torno desse projeto, que já tem o primeiro protótipo construído.

“A UFRGS não tem a estrutura para produzir o ventilador em escala. O que nos cabe é agrupar conhecimentos de diversas áreas em busca de uma proposta viável. Pensamos no desenho, no hardware e software necessários para controlar o ventilador, na parceria com empresas que possam ajudar a montar o protótipo”, explica Laís Zucchetti, professora vinculada ao Didacln, que atua neste projeto em conjunto com profissionais das áreas de tecnologia e saúde, como engenheiros, arquitetos, designers e médicos.

A estimativa é de que o protótipo de ventilador pulmonar proposto pela UFRGS tenha um custo de R$ 20 mil. “O custo atual varia de R$ 80 a R$ 150 mil cada, sendo que se tivermos isenção do governo, o valor pode baixar mais ainda. Estamos atuando em rede para disponibilizar um modelo de respirador de baixo custo e fácil montagem e manutenção”, anuncia Laís.

As premissas do projeto

O projeto do ventilador partiu de algumas premissas, sendo que o diferencial está no uso de produtos já disponíveis em grande volume no mercado: peças de prateleira. Assim, não há necessidade de produção sob demanda de peças, permitindo a utilização imediata na montagem do respirador. “Esta premissa foi adotada em função da escala de produção e da necessidade imediata de ventiladores nas unidades de saúde para que, uma vez aprovada a solução, possam ser produzidos em grande escala. Além disso, a utilização de peças de prateleira facilitará a manutenção ou troca de partes do sistema”, informa a professora.

Outra premissa é o baixo custo de investimento necessário para a construção do equipamento. “Vencido o ciclo epidêmico, provavelmente muitos ventiladores permanecerão ociosos nos seus locais de primeiro uso. Muitos hospitais do interior não têm recursos compatíveis com o custo, ou mão de obra compatível com a sofisticação da manutenção dos aparelhos comerciais. Nossa proposta contempla esses problemas ao utilizar peças de prateleira de baixo custo e manutenção simplificada”, diz a proposta.

As outras premissas do projeto são:

  • Visibilidade de funcionamento – facilidade de operação e manutenção;
  • Facilidade de montagem do sistema – deverá ser facilmente realizada por qualquer pessoa, a partir de instruções simples, agregando rapidez ao processo e à entrega/entrada em funcionamento dos ventiladores;
  • Robustez – a capacidade de um sistema de permanecer funcional mesmo em sobrecarga, ou seja, mesmo após sofrer perturbações em sua condição normal de operação;
  • Reprodutibilidade – é o resultado da utilização de peças de prateleira, a fácil montagem, e a visualização da operação do ventilador. A partir disso, o projeto poderá ser reproduzido em qualquer parte do país, bem como do exterior, sanando um dos problemas dessa pandemia, o rápido acesso aos respiradores;
  • Fonte de energia necessária – para o funcionamento do sistema é a convencional de instalações de saúde, sendo apenas necessário verificar a capacidade total de carga exigida pelos equipamentos. O plug convencional garantirá o maior atendimento aos pacientes, visto que não haverá necessidade de realizar instalações elétricas específicas, podendo ser realizados em locais temporários e provisórios;
  • Redundância em sistemas – replicar estruturas para a realização de determinadas funções, de tal forma que a perda de funcionalidade de uma ou mais dessas estruturas não determina a completa perda de funcionalidade do sistema, podendo, portanto, aumentar a sua durabilidade;
  • Flexibilidade/ versatilidade de atuação – o equipamento deverá funcionar por volume ou por pressão;
  • Mobilidade – o sistema será dotado de rodízios para movimentação nos ambientes, permitindo o rápido deslocamento para atendimento dos pacientes.

Doações

A equipe multidisciplinar conta com o apoio de algumas empresas para a doação de materiais utilizados na construção do protótipo. Entretanto, são necessárias neste momento doações para a fabricação de protótipos que serão testados quanto a sua eficiência e eficácia.

Após as testagens, o equipamento será enviado para laboratórios que façam a certificação do funcionamento. “Os custos da nossa pesquisa estão na compra das peças, no transporte e nos testes necessários para a certificação do protótipo”, enumera Zucchetti.

Confira abaixo como você pode ajudar.

Saiba mais em Instagram: https://www.instagram.com/gepec.vent/.

Tags: