Em 9 de junho do presente ano, a ANEL solicitou uma contribuição no valor de R$100,00 para o primeiro congresso da entidade, para o fim de auxiliar no transporte e inscrição de delegados para o mesmo.
Um estudante solicitou esclarecimentos, que seguem abaixo, respondidos:

1. O diretório recebeu solicitação de apoio financeiro ao Congresso da Associação Nacional dos Estudantes Livre? Recebeu, sim. Em 9 de Junho.
2. Se sim, de quem partiu a solicitação? A solicitação partiu da ANEL – RS.
3. A solicitação foi deferida? Foi deferida
4. Se sim, qual o valor da doação? Penso que devemos chamar de ajuda financeira. E foi no valor de 100 reais.
5. A que fim se destinam tais recursos? Como especificado no ofício, para transporte e inscrições dos estudantes do Rio Grande do Sul
6. De que forma será feita a doação? Em dinheiro
7. Quais são os termos da prestação de contas? Um representante da ANEL-RS assinará um recibo ao receber o auxílio financeiro.
Informamos que o auxílio financeiro tem como objetivo um maior conhecimento da entidade e não um alinhamento com a mesma. O DAECA deliberou auxiliar, conforme suas condições, nos eventos que envolvem estudantes da FCE, favorecendo principalmente os eventos que tem potencial de servir de base para discussões do diretório. Um desses assuntos é o movimento estudantil nacional e, por este motivo, o auxílio financeiro ao encontro da ANEL foi aprovado.
Informamos ainda que o auxílio financeiro até o presente momento não se efetivou.

O DAECA-Diretório Acadêmico de Economia, Contábeis e Atuariais da UFRGS e a Biblioteca Gládis W. do Amaral, da Faculdade de Ciências Econômicas da mesma Universidade estão, conjuntamente, promovendo uma pesquisa que visa a identificar a percepção do público em relação ao acervo e ao horário de funcionamento. É feito o convite à todos os membros da comunidade acadêmica para que participem, respondendo o questionário.

Ela estará disponível por tempo limitado em:
http://tinyurl.com/pesquisadaeca

Autores: Celso Pontes e Felipe Araldi – estudantes de Ciências Atuariais da UFRGS

Estudantes de atuária desta e de outras universidades estão acostumados a ouvir “Ah, é um curso novo!” em muitas das vezes nas quais respondem a questões como “Que curso tu faz?”. Hoje, um bom argumento para rebater essa afirmação ganha ainda mais peso. É que em 24 de março de 1941 (há 70 anos, portanto) era publicada a primeira edição da Revista Brasileira de Atuária

Na onda nacionalista da época, representada no mercado segurador pela criação do Instituto de Resseguros do Brasil (atual IRB-Brasil Re.) dois anos antes, a primeira edição do periódico foi prefaciado por ninguém menos que pelo então presidente da república, o gaúcho Getúlio Vargas. Do rebuscado linguajar utilizado pelo nosso ex-presidente no Editorial (reproduzido em parte a seguir), vê-se da importância estratégica que o Estado atribuía a esta ciência para o seu desenvolvimento e para o bem-estar da população, e que como disse o atuário Severino Garcia Ramos “muito dignificam a profissão do atuário”.

A RBA surgiu como meio para publicação de textos relacionados à atuária, sendo basicamente editada pelos engenheiros, estatísticos e matemáticos envolvidos com o tema, que atuavam em seguradores, no Serviço Atuarial do então Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio e no IRB. Este mesmo grupo seria, anos depois, o cerne da criação do Instituto Brasileiro de Atuária.

A Revista em si não teve vida longa, mas de lá para cá a atuária, que se expandia mundo a fora, no país passou por altos e baixo. Outros periódicos surgiram, tiveram algum sucesso, mas igualmente deixaram de ser editadas sem que imprimissem traços definitivos na cultura atuarial brasileira. Entretanto, não seria justo com a RBA e com seus idealizadores atribuir a revista o título de primeiro fracasso editorial da atuária nacional. Mais vale a reflexão sobre a importância da pesquisa em nossa área e quais dos objetivos existentes desde a criação da Revista ainda não foram cumpridos.

Trecho do prefácio de Getúlio Dorneles Vargas à primeira edição da Revista Brasileira de Atuária:

“A atuária como técnica especializada indispensável ao êxito das organizações de previdência social é, geralmente, pouco conhecida pelo público que colhe os benefícios de sua aplicação. É pois digna de aplausos a publicação da “Revista Brasileira de Atuária”, que tem por objetivo, no nosso país e no estrangeiro, a vulgarização dos elementos essenciais dessa ciência, e de louvores o esclarecido esforço dos seus paladinos, colaboradores do bem estar social do Brasil”

admin

IV Jornadas de Economía Crítica

IV Jornadas de Economía Crítica
Dilemas de la Acción y del Pensamiento Critico latinoamericano:
Desarrollo, Estado, Movimientos Sociales.
Llamado a Presentación de Ponencias
25, 26 y 27 de agosto, Córdoba, Argentina
La actual coyuntura nacional, latinoamericana e internacional nos llama a reflexionar. A nuestro alrededor se evidencian innumerables conflictos en el sistema económico mundial, desde la crisis de la deuda soberana con foco en Europa (a poco tiempo de la crisis del sistema financiero mundial con epicentro en Estados Unidos) hasta las revueltas que se riegan por África y Oriente Medio. Por otra parte, no podemos dejar de destacar que, a diez años de las jornadas del 19 y 20 de diciembre de 2001, resulta ineludible discutir qué aspectos de los ámbitos político, económico y social exponen rupturas o continuidades con los patrones anteriores.
En tanto, ¿qué tiene para decir la Economía Política como Ciencia, sobre estos hitos de la historia argentina y mundial? ¿Puede desprenderse de las cadenas que el orden imperante le ha arrojado encima, de los prejuicios de la doctrina degradada que se nos enseña en las Universidades, de las trabas que enfrentan los movimientos sociales para a la vez reproducirse como trabajadoras/es y desarrollar una conciencia liberadora? Y más aún, si la Economía Política es capaz de colaborar en algo con la urgencia de una porción cada vez mayor de las/os trabajadoras/es del mundo por hacerse de medios para subsistir, ¿qué es lo que debe aportar: políticas para el desarrollo, alternativas al desarrollo, o un cambio de paradigma respecto de lo que es el desarrollo? ¿Con qué actores y otras Ciencias debe relacionarse la Economía Política, para avanzar conceptualmente hacia una teoría que nos permita comprender y transformar nuestra realidad?
Las IV Jornadas de Economía Crítica (JEC) se proponen consolidar el espacio de discusión abierto hace ya 5 años, para que estudiantes, graduadas/os, docentes, investigadoras/es y profesionales en Ciencias Económicas y Sociales puedan reflexionar, debatir e interpretar su realidad. Nuestra intención aborda todo el espectro del pensamiento y accionar sociales, políticos y económicos críticos, combinando los aportes teóricos de cada disciplina con la dinámica propia de las organizaciones sociales.
Las IV Jornadas de Economía Crítica son organizadas por la Escuela de Economía Política de la UNLP (EEP-UNLP), Escuela de Economía Política de la UBA (EsEP-UBA), Red de Estudios de Economía Política de la UNR, Regional Bahía Blanca de la UNS, Grupo de Economía Scalabrini Ortiz de la UNMdP, Regional Córdoba de la UNC, y la Escuela de Pensamiento Crítico de la UNQ (EPeC-UNQ).
Fechas importantes
Presentación de resúmenes
Hasta el viernes 20 de mayo
Presentación de ponencias
Hasta el viernes 15 de julio
Preinscripciones de asistentes
Hasta el miércoles 24 de agosto
IV Jornadas de Economía Crítica
25, 26 y 27 de agosto
Ejes temáticos:
a. Patrones y políticas de Crecimiento, Distribución y Empleo en Argentina – horizontes y límites.
b. Clases sociales y políticas públicas en el Desarrollo.
c. América Latina en una economía mundial en Crisis: desafíos y problemas de la inserción e integración.
d. Economía Crítica en Movimiento: las Teorías y Prácticas que interpelan el Pensamiento Único.
e. Deconstruyendo la realidad a través de la Historia Económica y Social.
f. A 10 años del 19 y 20 de diciembre: aportes para comprender el conflicto social.
Se enfatiza que no es requisito que la ponencia se encuadre estrictamente en estos ejes (que son tentativos y no excluyentes), mientras su contenido sea afín con la finalidad de las Jornadas de Economía Crítica de promover alternativas teóricas a las ideas neo- y nuevo-clásicas.

A pedidos do professor estaremos disponibilizando o plano de ensino até ser criada a lista de emails da Turma – A (ECO02002)

Clique Aqui para download

CONTRA O AUMENTO-cartaz

Na última quinta, três de fevereiro, ocorreu a primeira manifestação contra a proposta de aumento do preço das passagens de ônibus de Porto Alegre.  As empresas de transporte coletivo urbano propuseram um aumento de 36 centavos, um valor 15% maior do que o atual.

Este aumento, todavia, não vem com uma proposta de remanejamento do transporte público: as linhas continuarão transportando trabalhadores em péssimas condições nos horários de pico, assim como nos horários noturnos a falta de horários seguirá sendo um problema. Ainda, os trabalhadores mais necessitados sentirão mais fortemente este aumento, uma vez que o aumento do salário mínimo estará em um patamar muito abaixo dos 15% de aumento sugerido pelas empresas.

Na última manifestação na frente da prefeitura, mais uma vez estudantes foram agredidos, em um ato pacífico contra o aumento das passagens na condução. A guarda municipal expulsou a tapas e cacetadas os estudantes que estavam em frente à prefeitura no centro da cidade, mas não antes dos estudantes entregarem um documento a favor do congelamento dos preços das passagens.

Buscamos conseguir reunir mais e mais pessoas para o novo ato, no qual esperaremos maior mobilização e uma resposta por parte do prefeito de Porto Alegre.

admin

Teoria dos Jogos- Arquivos

Conforme solicitado pelo professor Sabino, ficam disponibilizadas as listas de teoria dos jogos para download.

Súmula da disciplina

Lista 1

Lista 2

Lista Complementar: exercícios ANPEC

Próximo »