Archive for março, 2011

tiagorublescki

Palestra Bixos

Segunda-feira dia 28 o DAECA receberá seus calouros e calouras em grande estilo. Primeiro, às 19h, será realizado uma palestra sobre a História da FCE e o Movimento Estudantil com os professores Ário Zimmermann (chefe de Departamento de Economia) e Ronaldo Herrlein Jr. (chefe da COMGRAD). Logo após a palestra o DAECA abrirá suas portas para o primeiro BUTECA de 2011. O BUTECA se firmou com um importante momento de integração entre os estudantes do DAECA, onde rola cerveja barata e música boa. Esse primeiro BUTECA contará com a participação especial do trio Irish Fellas (http://www.myspace.com/556465467) conjunto de música tradicional irlandesa formado pelos músicos Caetano Maschio Santos, Helena nunes e nosso colega Victor de Franceschi. Participe!

FCE E ME

Autores: Celso Pontes e Felipe Araldi – estudantes de Ciências Atuariais da UFRGS

Estudantes de atuária desta e de outras universidades estão acostumados a ouvir “Ah, é um curso novo!” em muitas das vezes nas quais respondem a questões como “Que curso tu faz?”. Hoje, um bom argumento para rebater essa afirmação ganha ainda mais peso. É que em 24 de março de 1941 (há 70 anos, portanto) era publicada a primeira edição da Revista Brasileira de Atuária

Na onda nacionalista da época, representada no mercado segurador pela criação do Instituto de Resseguros do Brasil (atual IRB-Brasil Re.) dois anos antes, a primeira edição do periódico foi prefaciado por ninguém menos que pelo então presidente da república, o gaúcho Getúlio Vargas. Do rebuscado linguajar utilizado pelo nosso ex-presidente no Editorial (reproduzido em parte a seguir), vê-se da importância estratégica que o Estado atribuía a esta ciência para o seu desenvolvimento e para o bem-estar da população, e que como disse o atuário Severino Garcia Ramos “muito dignificam a profissão do atuário”.

A RBA surgiu como meio para publicação de textos relacionados à atuária, sendo basicamente editada pelos engenheiros, estatísticos e matemáticos envolvidos com o tema, que atuavam em seguradores, no Serviço Atuarial do então Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio e no IRB. Este mesmo grupo seria, anos depois, o cerne da criação do Instituto Brasileiro de Atuária.

A Revista em si não teve vida longa, mas de lá para cá a atuária, que se expandia mundo a fora, no país passou por altos e baixo. Outros periódicos surgiram, tiveram algum sucesso, mas igualmente deixaram de ser editadas sem que imprimissem traços definitivos na cultura atuarial brasileira. Entretanto, não seria justo com a RBA e com seus idealizadores atribuir a revista o título de primeiro fracasso editorial da atuária nacional. Mais vale a reflexão sobre a importância da pesquisa em nossa área e quais dos objetivos existentes desde a criação da Revista ainda não foram cumpridos.

Trecho do prefácio de Getúlio Dorneles Vargas à primeira edição da Revista Brasileira de Atuária:

“A atuária como técnica especializada indispensável ao êxito das organizações de previdência social é, geralmente, pouco conhecida pelo público que colhe os benefícios de sua aplicação. É pois digna de aplausos a publicação da “Revista Brasileira de Atuária”, que tem por objetivo, no nosso país e no estrangeiro, a vulgarização dos elementos essenciais dessa ciência, e de louvores o esclarecido esforço dos seus paladinos, colaboradores do bem estar social do Brasil”

pato

IV Jornadas de Economía Crítica

IV Jornadas de Economía Crítica
Dilemas de la Acción y del Pensamiento Critico latinoamericano:
Desarrollo, Estado, Movimientos Sociales.
Llamado a Presentación de Ponencias
25, 26 y 27 de agosto, Córdoba, Argentina
La actual coyuntura nacional, latinoamericana e internacional nos llama a reflexionar. A nuestro alrededor se evidencian innumerables conflictos en el sistema económico mundial, desde la crisis de la deuda soberana con foco en Europa (a poco tiempo de la crisis del sistema financiero mundial con epicentro en Estados Unidos) hasta las revueltas que se riegan por África y Oriente Medio. Por otra parte, no podemos dejar de destacar que, a diez años de las jornadas del 19 y 20 de diciembre de 2001, resulta ineludible discutir qué aspectos de los ámbitos político, económico y social exponen rupturas o continuidades con los patrones anteriores.
En tanto, ¿qué tiene para decir la Economía Política como Ciencia, sobre estos hitos de la historia argentina y mundial? ¿Puede desprenderse de las cadenas que el orden imperante le ha arrojado encima, de los prejuicios de la doctrina degradada que se nos enseña en las Universidades, de las trabas que enfrentan los movimientos sociales para a la vez reproducirse como trabajadoras/es y desarrollar una conciencia liberadora? Y más aún, si la Economía Política es capaz de colaborar en algo con la urgencia de una porción cada vez mayor de las/os trabajadoras/es del mundo por hacerse de medios para subsistir, ¿qué es lo que debe aportar: políticas para el desarrollo, alternativas al desarrollo, o un cambio de paradigma respecto de lo que es el desarrollo? ¿Con qué actores y otras Ciencias debe relacionarse la Economía Política, para avanzar conceptualmente hacia una teoría que nos permita comprender y transformar nuestra realidad?
Las IV Jornadas de Economía Crítica (JEC) se proponen consolidar el espacio de discusión abierto hace ya 5 años, para que estudiantes, graduadas/os, docentes, investigadoras/es y profesionales en Ciencias Económicas y Sociales puedan reflexionar, debatir e interpretar su realidad. Nuestra intención aborda todo el espectro del pensamiento y accionar sociales, políticos y económicos críticos, combinando los aportes teóricos de cada disciplina con la dinámica propia de las organizaciones sociales.
Las IV Jornadas de Economía Crítica son organizadas por la Escuela de Economía Política de la UNLP (EEP-UNLP), Escuela de Economía Política de la UBA (EsEP-UBA), Red de Estudios de Economía Política de la UNR, Regional Bahía Blanca de la UNS, Grupo de Economía Scalabrini Ortiz de la UNMdP, Regional Córdoba de la UNC, y la Escuela de Pensamiento Crítico de la UNQ (EPeC-UNQ).
Fechas importantes
Presentación de resúmenes
Hasta el viernes 20 de mayo
Presentación de ponencias
Hasta el viernes 15 de julio
Preinscripciones de asistentes
Hasta el miércoles 24 de agosto
IV Jornadas de Economía Crítica
25, 26 y 27 de agosto
Ejes temáticos:
a. Patrones y políticas de Crecimiento, Distribución y Empleo en Argentina – horizontes y límites.
b. Clases sociales y políticas públicas en el Desarrollo.
c. América Latina en una economía mundial en Crisis: desafíos y problemas de la inserción e integración.
d. Economía Crítica en Movimiento: las Teorías y Prácticas que interpelan el Pensamiento Único.
e. Deconstruyendo la realidad a través de la Historia Económica y Social.
f. A 10 años del 19 y 20 de diciembre: aportes para comprender el conflicto social.
Se enfatiza que no es requisito que la ponencia se encuadre estrictamente en estos ejes (que son tentativos y no excluyentes), mientras su contenido sea afín con la finalidad de las Jornadas de Economía Crítica de promover alternativas teóricas a las ideas neo- y nuevo-clásicas.
tiagorublescki

Economia Política – Programa

Conforme solicitado pela professora Gláucia Campregher, fica disponibilizado o programa da disciplina de Economia Política.

Clique aqui para download.

tiagorublescki

TRI 2011

Já estamos realizando o TRI em 2011.
Para confeccionar ou renovar a carteira escolar é só se dirigir ao DAECA. Segue abaixo a lista de documentos necessários para renovação, 1ª e 2ª via do cartão.

Documentos necessários para a confecção do cartão TRI, que dá direito à meia-passagem para os estudantes de Porto Alegre:

1ª via do cartão:

* 1 foto 3×4 atual.
* Cópia da carteira de identidade
* Comprovante de matrícula autenticado (pode ser impresso pelo Portal do Aluno)
* Comprovante de residência atualizado
* Cópia do CPF (o estudante menor de 18 anos que não possuir esse documento deverá fornecer cópia do CPF da mãe, do pai ou do responsável legal)
* Formulário preenchido (pode ser retirado no DAECA)
* Taxa de R$ 5,00

Renovação:

* Comprovante de matrícula autenticado (pode ser impresso pelo Portal do Aluno)
* Fotocópia do cartão TRI, apresentando o original
* Formulário preenchido (pode ser retirado no DAECA)
* Taxa de R$ 5,00

2ª via – quem perdeu seu cartão deve encaminar os mesmos documentos da 1ª via, informando no formulário que é 2ª via (não existe espaço específico para isso, então o estudante deve escrever na parte superior do formulário “2ª via”).
* Taxa de R$ 9,00

Para maiores informações acessar a página do TRI

Gestão Práxis 2011card_escolar

A pedidos do professor estaremos disponibilizando o plano de ensino até ser criada a lista de emails da Turma – A (ECO02002)

Clique Aqui para download

tiagorublescki

Troca de Textos 2011

O DAECA neste ano de 2011 está colocando novamente a disposição dos alunos um espaço para a troca de textos entre os estudantes de Economia, Contábeis e Atuariais.

Os textos estão alocados em uma estante, separados por semestre, dentro da salinha do DAECA a disposição dos alunos sem custo nenhum. Para retirá-los os alunos devem trazer outros textos e realizar a troca. Caso você tenha textos que não estão mais sendo úteis para você, traga para o DAECA e facilite a vida acadêmica de outros colegas. Com a saída do Xerox da unidade no ano de 2010 acreditamos que a troca de textos pode ser usada como recurso importante para os estudantes da FCE.

No início desse semestre, alguns estudantes já nos disponibilizaram alguns dos seus textos para começarmos as trocas e reorganizamos a estante conforme novo currículo.

Traga ao DAECA seus textos e aproveite.

Gestão Práxis 2011

“A Práxis é a atividade concreta pela qual os sujeitos humanos se afirmam no mundo, modificando a realidade objetiva e, para poderem alterá-la, transformando-se a si mesmos.” Leandro Konder