Convivências

Promovido pelo DEDS, desde 1996, o Programa Convivências propõe um encontro de saberes entre a Universidade e comunidades populares urbanas e rurais do estado, como quilombolas, indígenas e periféricas. Através de uma metodologia participativa de construção de conhecimentos, atuam estudantes de graduação, professores e técnico-administrativos da UFRGS de diversas áreas, os quais têm a oportunidade de conviver junto a essas comunidades durante o período de recesso escolar.

Ao promover a mediação do conhecimento nas diferentes realidades, desenvolvendo atividades interdisciplinares, o Convivências possibilita a cooperação dialógica e estimula a atuação ativa dos membros da comunidade visitada, com vistas à promoção do protagonismo político desses atores frente à realidade social.

Sendo assim, a iniciativa representa um aprendizado ímpar aos atores envolvidos, ao mesmo tempo em que constitui laboratório por excelência no desenvolvimento de tecnologias sociais, concretizando uma extensão social sensível a tempos de aproximação, acolhimento, observação e escuta, indagação, diálogo e realização.

AÇÃO: TERRITÓRIO INDÍGENA DA SERRINHA

Essa edição aconteceu no Verão de 2020, na Terra Indígena da Serrinha, em Ronda Alta, no norte do Rio Grande do Sul. Foram 5 dias em que estudantes de diferentes cursos de graduação e servidores, tiveram a oportunidade de conviver com a comunidade Kaingang desse território retomado no final de 1996, partilhando histórias a partir de rodas de conversa, refeições coletivas, visitação à escola, à barragem e ao barreiro, oficinas de cestaria, de produção e queima tradicional de cerâmica, de brinquedos,  de pintura corporal, atividades com as crianças, dentre outras.  Esta edição foi proposta e coordenada pelo Professor Odalci José Pustai, da Faculdade de Medicina e contou com Iracema Ga Téj Kanheru Nascimento,  Kujà (xamã) Kaingang, Pesquisadora da Ação Saberes Indígenas na Escola e Mestra da disciplina Encontro de Saberes. 

AÇÃO: COMUNIDADE QUILOMBOLA DE SÃO ROQUE 

Nesta edição, o Convivências aconteceu na Comunidade Quilombola de São Roque, em Arroio do Meio. As vivências com a comunidade foram mediadas nas visitas precursoras pelo movimento social, na presença de integrantes do Instituto de Assessoria às Comunidades Remanescentes de Quilombos – IACOREQ. Nessas visitas foram estabelecidos contatos também com o poder público do município tendo em vista algumas demandas da comunidade em termos de saúde, transporte, água e educação. No período da convivência estudantes e técnicos da Universidade se hospedaram nas casas dos integrantes da comunidade, compartilhando suas rotinas; e conheceram o território, suas dificuldades e potencialidades, a partir da mediação de seus moradores. Além disso, oportunizou-se o compartilhamento de saberes e memórias através das rodas de conversa, saraus e oficinas de ervas medicinais, teatro, dança e educação financeira. Foi realizado um censo populacional dos quilombolas com dados sobre saúde e, também, uma reunião com o Prefeito de Arroio do Meio e o subsecretário de saúde, onde as lideranças da comunidade falaram de necessidades que não estavam sendo atendidas e onde estudantes e técnicos atuaram como observadores e mediadores. 

???

AÇÃO: QUILOMBO DOS ALPES

Nesta edição, o Convivências aconteceu na Comunidade Quilombola dos Alpes, em Porto Alegre, constituída por descendentes de Edwirges Francisca Garcia. A matriarca chegou ao local no início do século XX e morreu, em 1998, deixando um rico legado de conhecimentos religiosos e do uso de ervas e chás, que são mantidos por cerca de 70 famílias. Essas resistem à especulação imobiliária e ao descaso dos governos, são guardiãs de tradições e memórias e professoras de saberes múltiplos que preservam ambientes já degradados em outros espaços da cidade. Participaram da vivência: estudantes, técnicos administrativos e docentes, que tornaram efetivos os movimentos dialógicos de aprender e ensinar, respeitando conhecimentos e tradições da Comunidade que subiu o Morro da Glória (Alpes) e nele se mantém há mais de cem anos.

AÇÃO: INTERVIVÊNCIAS ENTRE COMUNIDADES – CONECTANDO HISTÓRIAS DA JUVENTUDE E DA ANCESTRALIDADE

Essa edição do Convivências, contou com a participação de técnicos e docentes, bolsistas do DEDS, 15 estudantes selecionados para o Programa e 15 estudantes vinculados ao Grupo de Brincantes do Paralelo 30. A ação desenvolveu-se com duas comunidades, Lomba do Pinheiro e Quilombo do Limoeiro do Bacopari, em Palmares do Sul, com o objetivo de promover a convivência entre jovens e velhos. Na primeira, tivemos oportunidade de conhecer um dos maiores bairros de Porto Alegre, onde participamos de experiências como hortas comunitárias e espaços de convivências, de promoção de saúde, geração de renda e atendimento a crianças em situação de vulnerabilidade. Na comunidade quilombola, convivemos com o meio rural e suas particularidades como as diferenças de ritmos, de relações, de organização frente às políticas de reconhecimento dessas comunidades com seus avanços e deficiências. 

AÇÃO: IMIGRAÇÃO E REFÚGIO COMO TEMA CONTEMPORÂNEO

Com coordenação de Denise Jardim (Departamento de Antropologia – PPGAS/IFCH), o projeto teve como proposta conhecer o cotidiano dos imigrantes mais recentes e refugiados que se encontram na cidade de Caxias do Sul, RS. Relatório da Professora Denise Jardim

AÇÃO: CONVIVÊNCIAS RESTINGA

Na experiência de vivência na comunidade da Restinga, em 2014, coordenada pelo DEDS, fomos com os estudantes inscritos no programa visitar vários espaços dos bairros Restinga Nova e Velha, conhecendo pessoas ativas da comunidade.

AÇÃO: COMUNIDADE MBYA GUARANI TEKOA KOENJU (São Miguel das Missões)

Com o objetivo de poder traçar conjuntamente uma agenda de apoio aos indígenas na Universidade, o Programa buscou compreender os desafios da comunidade Mbya Guarani Tekoa Koenju na luta por seus direitos e no combate a preconceitos.  

AÇÃO: QUILOMBO DO LIMOEIRO (Palmares do Sul)

Proposta do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural (PGDR) da UFRGS que objetivou a articulação com a comunidade local, Associação Comunitária Quilombola do Limoeiro e suas redes.

AÇÃO: VILA PLANETÁRIO (Porto Alegre)

Comunidade vizinha à sede do DEDS no Câmpus Saúde. O projeto buscou aproximar e promover o diálogo entre a Universidade e essa comunidade, possibilitando a troca de saberes.

AÇÃO: BAIRRO RESTINGA (Porto Alegre)

Com a realização de oficinas, o Programa possibilitou a aproximação do Curso Pré-Vestibular Esperança Popular com os alunos e a comunidade local, objetivando a desmistificação do ingresso na universidade pública.

AÇÃO: MARÉ DAS ARTES E CONHECIMENTO

Com coordenação do DEDS, as atividades deste projeto foram realizadas durante o Festival Maré de Arte na cidade litorânea de Tramandaí, RS. Os estudantes universitários dialogaram com a rede pública de ensino e trocaram experiências com as pessoas da cidade.

AÇÃO: PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES DA COMIDA E DO COMER EM COMUNIDADE AGRÍCOLA LITORÂNEA

Com coordenação de Maria Eunice de Souza Maciel e Maurem Ramos, o projeto aconteceu na zona rural de Tramandaí , RS, no distrito de Estância Velha, onde a comunidade mantém o cultivo de hortaliças, frutas, mel e pequenas criações de ovinos e bovinos. O espaço social constituiu-se pela riqueza para a troca de saberes e fazeres relativos à alimentação.

AÇÃO: CONVIVENDO EM COMUNIDADES INDÍGENAS

O projeto foi realizado na Terra Indígena Guarita, localizada no município de Redentora, onde se mantém o maior contingente populacional do povo kaingang no Estado. As atividades, coordenadas pelos professores Ana Lúcia Tettamanzy, José Otávio Catafesto e Odalci José Pustai, foram dirigidas para o reconhecimento da diversidade étnica e para o diálogo entre os saberes indígenas e acadêmicos.  Relatório do Professor Odalci José Pustai

AÇÃO: QUEM SUJOU A MINHA ÁGUA – PERCEBENDO O AMBIENTE AO MEU REDOR, TRANSFORMANDO MEU AMBIENTE INTERIOR

Coordenada pelo professor Doutor Clóvis Souza Buje (PPG em Biologia Animal do Instituto de Biociências da UFRGS), a ação teve por objetivo geral relatar/avaliar a percepção dos ilhéus do Bairro Arquipélago, no Delta do Jacuí, Porto Alegre, RS, sobre o seu ambiente natural e correlacioná-la aos seus conhecimentos, considerando a complexidade das questões sociais e ambientais que os circundam e os constituem.

AÇÃO: PROMOÇÃO DE SAÚDE – VIVÊNCIAS E SENTIDOS NO TRABALHO COM A COMUNIDADE

Com coordenação geral da professora Doutora Ramona Fernanda Ceriotti Toassi (Faculdade de Odontologia da UFRGS), a ação buscou complementar a formação de futuros profissionais junto à realidade social, a partir das atividades realizadas na comunidade atendida pela Unidade de Saúde Parque dos Anjos, no bairro Parque dos Anjos, município de Gravataí, RS. Sob o ponto de vista da população local, buscou-se sensibilizá-la com relação ao autocuidado com a própria saúde, estimulando a comunidade escolar a desenvolver os princípios da escola promotora da saúde e orientando para possíveis alterações, em particular no desenvolvimento infantil.

AÇÃO: LIMOEIRO – AÇÕES INTERDISCIPLINARES EM COMUNIDADE REMANESCENTE DE QUILOMBO

Coordenado pelo DEDS e desenvolvido na comunidade Quilombola de Limoeiro do Bacupari, município de Palmares do Sul, RS, o projeto constituiu iniciativa interdisciplinar através de diferentes eixos, como saúde, etnobiologia, educação física e cultura. Objetivou-se promover o fortalecimento das relações entre a Universidade e a comunidade, estimulando o protagonismo dos agentes quilombolas através do desenvolvimento das ações, ao mesmo tempo em que foi promovida, no público acadêmico, a consciência frente às questões de políticas de reconhecimento e de regularização fundiária dos povos remanescentes de quilombos.

AÇÃO: CONSTRUINDO A SOCIEDADE NOVA E DESCONSTRUINDO O PRECONCEITO – UNIVERSITÁRIOS E POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA

Coordenada pelos professores Fernando Fuão, Themis Silveira Dovera e Alberto Reppold, a ação teve como objetivo a consolidação das relações de convivência entre universitários, professores e pessoas em situação de rua num processo de acolhimento e de sensibilização.

AÇÃO: AÇÕES INTERDISCIPLINARES EM EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

Segundo suas coordenadoras, as professoras Kátia Valença e Márcia Cançado Figueiredo, a ação objetivou a formação de profissionais comprometidos com a realidade social, enfocando o processo saúde-doença em todas as suas dimensões e manifestações considerando o cidadão, a família e a comunidade, integrados à realidade epidemiológica e social da comunidade de Casca, no município de Mostardas, RS.

Redimensionar fontes
Modo contraste