Semana da África na UFRGS

A Semana da África na UFRGS é um evento acadêmico proposto por estudantes africanos e realizado pelo DEDS em parceria com o NEAB-UFRGS e outros departamentos da Universidade desde 2013. Trata-se de um espaço para que pesquisadores, estudantes e professores apresentem trabalhos que tratem de questões do continente africano. Também são realizadas exposições,  apresentações relacionadas às diversas culturas africanas e ciclos de cinema, além da publicação de revistas relacionadas às respectivas edições.

Acesse a página do evento: www.ufrgs.br/africa

Cada semana possui um tema que orienta a formação das mesas e debates :

SAÚDE E SABERES EM CONTEXTOS AFRICANOS

Nesta nona edição da Semana da África o tema central diz respeito ao impacto da pandemia de COVID 19 sobre o continente africano, e ao modo pelo qual o atendimento médico tem sido dispensado às populações afetadas pelo vírus. Paralelamente aos cuidados médicos e hospitalares específicos do contexto pandêmico, também serão debatidos de modo mais geral diferentes meios pelos quais as culturas tradicionais africanas lidam com a saúde e a doença, o equilíbrio físico/espiritual e a cura.

No evento foram apresentados e debatidos determinados aspectos da crise sanitária mundial no que respeita ao continente, bem como as práticas tradicionais do cuidado espiritual na África e na diáspora africana. Paralelamente foram realizadas atividades culturais alusivas à Semana da África, bem como a apresentação de trabalhos de iniciação científica com foco nas realidades sociais africanas.

EDIÇÃO #AFRICAFICAEMCASA EM DECORRENCIA DA PANDEMIA DE COVID.

Na oitava edição da semana da África, se ambicionava dialogar a respeito do significado cultural, político e econômico das línguas originárias do continente africano, todavia, em decorrência da pandemia de COVID, essa edição teve que ser readaptada para o formato virtual e o tema proposto foi mudado devido a urgência do que estava acontecendo mundialmente.

Na live de abertura, Miguel de Barros, sociólogo guineense, vinculado ao Centro de Estudos Sociais Amilcar Cabral, abordou o tema “Os Desafios da África Pós-Covid”. Os mediadores foram José Rivair Macedo e Vanito Ianium Vieira Cá. Também foram disponibilizados 10 vídeos sobre diversos aspectos da cultura africana, produzidos especificamente para o evento.

FLUXOS TRANSNACIONAIS E AFRICANIDADE

A 7ª edição teve como disparador no foco de debate os “Fluxos Transnacionais e Africanidade”, reflexão propositiva para pensar em como os sujeitos africanos confluem com os espaços de atuação por onde passam, quais os desafios e dentro das possibilidades, quais são as estratégias para a produção de suas existências.

Essas foram questões abordadas nas rodas de debate, em que os africanos falaram das suas experiências de chegada, vivência, planejamentos futuros e produções de conhecimento.

COSMOVISÕES AFRICANAS: FORMAS DE VER E INTERPRETAR O MUNDO A PARTIR DA ÁFRICA

Na sexta edição da Semana da África o tema central foi respectivo aos modos de ver, conviver e de interpretar o mundo desenvolvidos pelas sociedades africanas. Berço da humanidade, o continente viu florescer ao longo de sua história diferentes povos, sociedades e culturas.

No evento foram apresentados e debatidos determinados aspectos das cosmovisões africanas, com acento nas formas específicas de interpretação dos fenômenos sociais, políticos e religiosos, onde prevalecem valores coletivos e a marca da ancestralidade.

Paralelamente foram realizadas oficinas de caráter educativo dirigidas ao público infanto-juvenil, eventos culturais e sessões de apresentação de trabalhos acadêmicos sobre diversos aspectos dos povos africanos e sua relação com os afrodescendentes e as culturas negras do Novo Mundo.

GÊNERO E PARTICIPAÇÃO FEMININA

Inspirada na Semana da África, foi realizada, na Mostra Interativa do Salão de Extensão 2017, a atividade Múltiplas Áfricas, que foi premiada como Destaque da Mostra. Durante a atividade, coordenada pelo professor José Rivair Macedo (PPG História e NEAB-UFRGS), estudantes e imigrantes de diversos países africanos (Angola, Benim, Cabo Verde, Gabão, Gana, Guiné Bissau, Namíbia, República do Congo, República Democrática do Congo e Senegal) conversaram com o público.

Cumpriu-se, assim, a proposta de revelar um continente com riqueza cultural de valor incalculável e diversos recursos naturais, que se moderniza e luta contra as mazelas deixadas pela exploração da colonização europeia durante mais de cinco séculos. Essa atividade foi oferecida aos escolares na 6ª Semana da África da UFRGS, em 2018.

EDUCAÇÃO E CULTURA

Na quarta edição da Semana da África na UFRGS, a escolha do eixo temático “Cultura e Educação” possibilitou disponibilizar ao público brasileiro os processos e transmissão de conhecimentos na África, em perspectiva tradicional e em perspectiva escolar, moderna. Foram produzidos minicursos, na parte da manhã; performances públicas sobre formas de expressão cultural africanas, contações de histórias; oficinas de música Iorubá e mesas de discussões.

PENSAMENTO AFRICANO CONTEMPORÂNEO

Durante o planejamento da Semana da África na UFRGS de 2015, que aconteceu do dia 26 ao 29 de maio, foi criada uma comissão organizadora, com representantes de diferentes setores da Universidade (estudantes africanos, IFCH, PROREXT, PROGRAD, RELINTER) que propôs como tema geral de discussão as variadas formas de expressão do pensamento africano contemporâneo, por considerar ser este um significativo núcleo gerador de reflexão para se pensar os dilemas, desafios e conquistas alcançadas pelos africanos, e também uma oportunidade de dialogar com jovens pesquisadores do continente africano.

O tema “Pensamento Africano Contemporâneo” serviu de mote para abordar aspectos da economia, religião, história, cultura, gênero, desenvolvimento social, urbano e rural dos países africanos e sua relação com a sociedade brasileira. A carga horária de 23 horas da Semana da África, contou com a presença de cerca de 150 pessoas por turno, oportunizando aprendizados e aproximando interesses comuns entre brasileiros e africanos.

O evento foi realizado a partir de três modalidades: Mesas de discussão; Apresentação de trabalho de estudantes e pesquisadores africanos; Ciclo de filmes curta-metragem africanos. Estiveram nesta edição o Prof. Muryatan Santana Barbosa, Mahomed Bamba (UFBA), Mahfouz Ag Adnane (PUCRS), Jeferson Tenório e o jornalista e escritor José Luiz Pereira da Costa.

PRODUÇÃO E DIFUSÃO DE CONHECIMENTO SOBRE A ÁFRICA

A segunda edição da Semana da África na UFRGS trouxe para estudo e reflexão a temática Difusão e Produção de Conhecimento sobre a África, renovando a parceria entre o Departamento de Educação e Desenvolvimento Social – PROREXT, a Pró-Reitoria de Graduação e a Secretaria de Relações Internacionais. Especialistas e estudantes/convênio PEC-G e PEC-PG promoveram, na semana de 20 a 23 de maio de 2014, uma ampla troca de experiências e conhecimentos, bem como o debate interdisciplinar sobre questões importantes como a relação entre ensino e sociedade nos países africanos; políticas de inovação tecnológica, informação e comunicação, emancipação feminina e participação das mulheres na nova estrutura social africana.

Além dos painéis temáticos, a programação contou com um ciclo de cinema africano, o lançamento da coleção Agostinho Neto – 5 volumes que reúnem cerca de 6.000 documentos referentes à atuação política de António Agostinho Neto e histórico do Movimento de Libertação de Angola, e o lançamento da Revista da África, referente ao evento de 2013.

25 DE MAIO – 50 ANOS DO DIA INTERNACIONAL DA ÁFRICA

A primeira edição da Semana da África na UFRGS aconteceu na semana do dia 25 de maio, pois essa é a data do cinquentenário da Organização da União Africana, posteriormente instituída pela Organização das Nações Unidas como Dia Internacional da África. O evento foi criado em decorrência da proposta de estudantes africanos do Programa de Estudantes Convênio (PEC) em articulação com o DEDS.

A programação foi composta por Ciclo de Cinema e Pensamento Africano, Painéis e Espaço na Rádio da Universidade. As temáticas Pensamento Africano, Arte e Cultura e Cooperação Internacional UFRGS/África foram amplamente discutidas com o público de professores e estudantes de educação básica, comunidade acadêmica, ativistas de movimentos sociais e representantes de outras Instituições de Ensino Superior (IES).

Foram importantes mediadores nesse espaço de discussão estudantes PEC, mestrandos e doutorandos em diferentes Unidades Acadêmicas, além de docentes da UFRGS.

Redimensionar fontes
Modo contraste