Design para a transformação social elaboração de um negócio social no sistema prisional

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Thaís Falabella Ricaldoni
Edson José Carpintero Rezende

Resumo

O sistema prisional brasileiro é repleto de problemáticas, como a superlotação, a violência, a falta de ensino e oportunidades para egressos, não atingindo a sua função social. Neste cenário, a Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (APAC) desponta como um modelo alternativo de cumprimento penal humanizado. Embora a APAC tenha diversos avanços em comparação ao sistema prisional comum, ela ainda lida com diversas problemáticas derivadas de sua atividade fim e da vulnerabilidade social de seus apenados. Nota-se o potencial de atuação do design participativo nesse contexto por sua habilidade de gerar propostas criativas para minimizar problemas complexos, inclusive de cunho social, envolvendo a população atingida. Observa-se, também, a oportunidade de desenvolver um negócio social na APAC a fim de gerar renda para essa população vulnerável e apresentar meios de inserção social baseados no empreendedorismo e empoderamento. Assim, este artigo sintetiza uma pesquisa de mestrado, na qual foi desenvolvido um estudo de caso na unidade da APAC Santa Luzia – Minas Gerais – Brasil, focado na análise de como o design participativo pode colaborar para a transformação social por meio da elaboração de um negócio social. A pesquisa incluiu técnicas de coleta de dados qualitativos e oficinas de design participativo realizadas com os apenados nessa unidade, que perpassaram pela identificação de problemas e oportunidades, criação de possíveis soluções, prototipação e viabilização. Nessas oficinas foi elaborado um projeto de negócio social baseado na comercialização de sacolas com estampas criadas para sensibilizar o público sobre questões que envolvem o sistema prisional e a APAC. Os resultados dessa pesquisa mostram o potencial do design participativo de conduzir apenados a gerar negócios com potencial de sobrevivência no mercado e indicam que uma aplicação mais ampla do design, partindo de uma visão estratégica, pode contribuir para a transformação social.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Falabella Ricaldoni, T., & José Carpintero Rezende, E. (2020). Design para a transformação social: elaboração de um negócio social no sistema prisional. Design E Tecnologia, 10(20), 81-94. https://doi.org/10.23972/det2020iss20pp81-94
Edição
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Edson José Carpintero Rezende, Universidade do Estado de Minas Gerais

Possui graduação em Odontologia pela UFMG (1990), licenciatura em Ciências pela PUC-MG (1986), pós-graduação "Latu sensu" em Microbiologia pela PUC-MG (1988), pós-graduação "Latu sensu" em Odontologia Legal pela Associação Brasileira de Odontologia (2003), mestrado em Saúde Coletiva pela UEFS (2006), doutorado em Ciências da Saúde pela Faculdade de Medicina da UFMG (2011) e Pós-doutorado em Lazer pela Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da UFMG. Atualmente é professor efetivo de Metodologia Científica e pesquisador nos cursos de graduação e pós-graduação Latu Sensu e Strictu Sensu na Escola de Design da Universidade do Estado de Minas Gerais. É líder do grupo de pesquisa "Design em interface com a saúde" e professor pesquisador do grupo extensionista e de pesquisa em Design Social, ambos cadastrados no CNPq.