6ª edição do Cine Caramelo começa dia 13 na Sala Redenção

Um dos eventos de maior destaque no circuito do cinema infanto-juvenil no Brasil chega a sua sexta edição de 13 a 17 de maio, na Sala Redenção – Cinema Universitário. O Cine Caramelo – Festival infanto-juvenil de cinema de Porto Alegre ocorre, além da Sala Redenção, na Sala Paulo Amorim e Instituto Ling. Embora a programação durante a semana da mostra seja preferencialmente voltada às escolas (diariamente às 14h as escolas terão sessão exclusiva), às 16h e às 19h as sessões serão abertas ao público. 

Além do Cine Caramelo, haverá sessão especial do documentário “Exteriores – Mulheres Brasileiras na Diplomacia”, no dia 13 às 16h, com debate ao final. O Cinemas em Rede apresenta nesta semana o filme brasileiro Paraíso Perdido em 16/05 às 19h.

programação

INFORMAÇÕES

Sejam todos muito bem-vindos à sexta edição do Cine Caramelo – Festival infantojuvenil de cinema de Porto Alegre, que acontece de 13 de maio à 15 de junho na Sala Redenção, Sala Paulo Amorim e Instituto Ling, com itinerâncias em escolas da rede municipal e também no Centro de Cultura de Três Coroas.

Neste ano o Cine Caramelo vem consolidar seu compromisso com o cuidado, o respeito e a valorização da infância. Propõe para isso um espaço de convívio privilegiado com exibições de filmes, sessões comentadas e cinema para bebês, permeado por diversas atividades lúdicas, culturais e pedagógicas integradas, tais como performance musical, roda de conversa, interação de palhaçaria e oficina de animação em flipbook. Tudo isso aberto ao público e gratuito.

De 13 a 17 de maio, na Sala Redenção – Cinema Universitário da UFRGS, espaço tradicional das cinco edições anteriores do Cine Caramelo – acontecem, durante o dia, sessões infantojuvenis abertas às escolas e ao público em geral. Duas destas sessões terão tradução para Libras, garantindo o acesso de deficientes auditivos. À noite, sessões para adultos, exibindo uma seleção especial de filmes que refletem sobre a inclusão de crianças e adultos com deficiência na escola, no convívio social, no mercado de trabalho e na arte.

Assim, enquanto as sessões infantojuvenis são marcadas pela diversidade de temas, trazendo contos que vão do épico ao futurista, histórias de aventura que divertem e ao mesmo tempo estimulam a memória e a reflexão, as sessões adultas apresentam obras marcantes na abordagem da diferença e da inclusão nos dias de hoje. Um dos destaques é o documentário “Meu nome é Daniel”, realizado por um jovem cineasta que nasceu com uma deficiência que nenhum médico foi capaz de diagnosticar. Através de imagens de arquivo da família e de cenas gravadas nos dias atuais, ele leva o público a passear por suas histórias e reflexões.

O diretor Daniel Gonçalves é o homenageado desta edição do Cine Caramelo e conversará com o público após a sessão. “Meu Nome é Daniel” ganhou recentemente o prêmio “Documental Calificado Oscar” do Festival Internacional de Cine de Cartagena, realizado na Colômbia, qualificando o filme para disputar o Oscar da categoria Melhor Documentário em 2020. Será exibido ainda um programa de curtas metragens realizados pelo diretor antes do longa.

Outra sessão comentada imperdível acontecerá logo após a exbição do documentário “Dançando com a Diferença – ROAD”, que trata do tema da Dança Inclusiva. Marcio Pizarro Noronha, professor no curso de Dança na UFRGS, e pesquisador na área de dança e deficiência, interartes e transmidialidades, estará presente na sessão para falar de suas experiências.

A sexta edição do Cine Caramelo é uma realização da Véspera Visual Media. Conta com apoio do Sistema Fecomércio SESC-RS, Instituto Ling, Cinemateca Paulo Amorim, Prefeitura de Três Coroas, Departamento de Difusão Cultural (UFRGS), Sala Redenção – Cinema Universitário (UFRGS), Videocamp e Financiamento do Fundo de Apoio à Cultura (PRÓ-CULTURA RS FAC), Lei nº 13.490/10.

Andreia Vigo

Curadora e Diretora geral do Cine Caramelo

 

 

Sessões infanto-juvenis

 

Peixonauta – O filme
Dir. Kiko Mistrorigo e Célia Catunda | Brasil | 2016 | 87min | 3 a 5 anos

Peixonauta, Marina e Zico saem do Parque em busca do Dr. Jardim e dos primos Pedro e Juca, mas ao chegarem na cidade grande percebem que as pessoas encolheram. Intrigados e correndo contra o tempo, Peixonauta e seus amigos precisam salvar a população do desaparecimento completo.
13 de Maio | 2ª-feira | 14h

 

Bruxarias
Dir. Virginia Curiá | Espanha | 2015 | 78min | Sessão com Libras | 7 a 10 anos
Malva tem 10 anos a ajuda a avó na venda de produtos medicinais, cuja fórmula vem de seus ancestrais. Quando a avó é raptada por Rufa, uma fabricante de cosméticos que quer roubar os ingredientes secretos, Malva parte numa busca que a conduzirá pela história mágica de seus antepassados.
14 de Maio | 3ª-feira | 14h

 

Uma viagem ao mundo das fábulas

Dir. Tomm Moore e Nora Twomey | Bélgica/Irlanda/França | 2009 | 80min | 9 a 12 anos

Em pleno século IX, Brendon, um jovem de 12 anos de idade, vive no mosteiro de uma remota vila medieval que está sob o cerco de invasões bárbaras. Ele recebeu a importante e misteriosa missão de concluir e apresentar para o mundo o mais fantástico dos livros, o chamado Livro de Kells.

15 de Maio | 4ª-feira | 14h

 

Historietas Assombradas – O filme

Dir. Victor-Hugo Borges | Brasil | 2017 | 90min | Sessão com Libras | 9 a 12 anos

Aos 12 anos, Pepe mora com sua avó, uma bruxa-empresária e descobre que é adotado. Ao saber que seus pais estão vivos ele parte em uma aventura para encontrá-los. O menino atrai a atenção de Edmundo, um vilão biomecânico que precisa da energia de crianças para se tornar imortal.

16 de Maio | 5ª-feira | 14h

 

 

Programa de curtas, 50min [6 a 8 anos] *

 

Lipe, Vovô e o Monstro
Dir. Felippe Steffens e Carlos Mateus | RS | 2016 | 9min

Um menino vai passar o final de semana no sítio dos avós. Durante uma pescaria, ele conhece um segredo de seu avô, e acaba fazendo uma nova e inusitada amizade.

17 de Maio | 6ª-feira | 14h

Meu tio que me disse

Dir. Vanusa Angelita Ferlin | SC | 2015 | 10min

Tatiana é uma menina curiosa e está intrigada com a euforia de todos pela data de Natal. Até que um dia a mãe se depara com a pergunta: Papai Noel existe mesmo? A partir da resposta da mãe, a “pergunta” vai ao quintal brincar com os amigos, que respondem com muita imaginação.

17 de Maio | 6ª-feira | 14h

Astrogildo e a astronave
Dir. Edson Bastos | CE | 2016 | 18min

Astrogildo anuncia para jornalistas do mundo inteiro que o seu mais novo invento, uma Astronave, vai voar dentro de um dia. Com a ajuda de Finício, um menino que sonha em conhecer seu pai, que foi para o céu com a ajuda de um avião, Astrogildo terá de enfrentar seus medos para conseguir voar.

17 de Maio | 6ª-feira | 14h

O melhor som do mundo

Dir. Pedro Paulo de Andrade | SP | 2015 | 13min

Vinicius não coleciona figurinhas, nem carrinhos, nem gibis. Ele coleciona sons. Mas será possível encontrar o melhor som do mundo?

17 de Maio | 6ª-feira | 14h

 

Sessões adultos

Outro olhar – Convivendo com a diferença

Dir. Renata Sette | Brasil | 2015 | 34min

O documentário que conta a história de um indivíduo em busca do universal. O indivíduo, no caso, é Charbel Gabriel, um senhor de 60 anos que ainda trabalha, exercita-se, cuida-se, estuda, interage diariamente com a família e a comunidade e tem síndrome de Down. Charbel é uma prova de que a síndrome não o afasta nem o limita no convívio com a comunidade, família e amigos.

13 de Maio | 2ª-feira | 19h

17 de Maio | 6ª-feira | 16h

Outro olhar – Uma nova Perspectiva

Dir. Renata Sette | Brasil | 2014| 26min

A história da estudante gaúcha Renata Basso, que tem síndrome de Down e acaba de concluir o ensino médio, é o fio condutor de um retrato impressionante sobre a educação inclusiva no Brasil. Por meio de entrevistas com professores, colegas de classe, familiares e a própria Renata, o filme mostra que o esforço coletivo torna possível oferecer uma aprendizagem de qualidade a estudantes especiais.

13 de Maio | 2ª-feira | 19h

17 de Maio | 6ª-feira | 16h

 Quem são elas?

Dir. Debora Diniz | Brasil | 2006 | 20min

Em julho de 2004, a Justiça brasileira autorizou que mulheres grávidas de fetos sem cérebro interrompessem a gestação. Durante quatro meses, dezenas de mulheres foram amparadas por essa decisão e optaram pelo aborto. O filme conta a história de quatro dessas mulheres durante dois anos. Protagonistas de suas próprias vidas, elas são as narradoras de suas escolhas em um filme que impressiona pela força e resignação diante do luto precoce.

14 de Maio | 3ª-feira | 16h

Habeas Corpus

Dir. Debora Diniz e Ramon Navarro | Brasil | 2005 | 20min

O documentário acompanha Tatielle, uma jovem mulher do interior de Goiás. Grávida de 5 meses de um feto que não sobreviveria ao parto, um habeas corpus apresentado por um padre que sequer a conhecia impediu Tatielle de interromper a gestação. Já sentindo as dores do parto, Tatielle foi mandada embora do hospital onde estava internada. De volta para casa, Tatielle agonizou cinco dias as dores de um parto proibido pela Religião e pela Justiça.

14 de Maio | 3ª-feira | 16h

Meu nome é Daniel

Dir. Daniel Gonçalves | Brasil | 2018 | 82min | Classificação 10 anos

O cineasta Daniel Gonçalves apresenta este documentário sobre sua própria vida: ele nasceu com uma deficiência que nenhum médico foi capaz de diagnosticar. Por meio de imagens de arquivo, vídeos de família e cenas atuais, o diretor propõe um passeio por sua história e suas reflexões. Selecionado e premiado em importante festivais de cinema como 42ª Mostra Internacional de Cinema de São PauloFestival do Rio 2018 (Menção Honrosa Direção de Documentário), Mostra de Cinema de Tiradentes 2019 (Melhor Longa Metragem Júri Popular), Festival Internacional de Cine de Cartagena de Índias 2019 (Documentário qualificado ao Oscar 2020), entre outros.

14 de Maio | 3ª-feira | 19h - Sessão comentada com Daniel Gonçalves

Formado em jornalismo pela PUC-Rio e pós-graduado em cinema documentário pela Fundação Getúlio Vargas, trabalhou durante três anos na TV Globo e hoje é sócio da produtora SeuFilme. Dirigiu os documentários tem bala aí? (2008); Luz Guia (2012); Como Seria? (2014); e Pela Estrada Afora (2015), documentário para o programa Sala de Notícias do Canal Futura. Meu nome é Daniel é seu primeiro longa-metragem.

Mediação Lau Patron

Lau Patrón nasceu em Porto Alegre em 1988, metade uruguaia e metade brasileira. Trabalhou como produtora audiovisual e publicitária, antes de se tornar mãe de João Vicente, um menino corajoso portador de uma síndrome raríssima autoimune. Em 2015, criou a página Avante Leãozinho, onde divide suas reflexões sobre inclusão, além de acolher outras famílias. Desenvolvendo novos projetos na linha da inclusão, é palestrante TEDx e acredita na mudança que passa pelo afeto. É autora de 71 Leões, livro que reúne histórias, poesias e crônicas que estavam na gaveta há vários anos.

Como Somos

Dir. Naira Soares e Mirella de Souza | Brasil | 2015 | 30 min

Como Somos é um documentário que conta a história de doze famílias com algo especial em comum: a convivência com um familiar autista e/ou com síndrome de Down. Partindo do pressuposto de que instituições públicas e privadas dizem não estar preparadas para receber essas pessoas, o questionamento que fica é: E as famílias? Será que foram preparadas?

15 de Maio | 4ª-feira | 16h

Pessoas com Eficiências

Dir. Ricardo Chut | Brasil | 2016 | 10min

Depoimentos reais de 19 pessoas com deficiência, que vivem em São Paulo, sobre os desafios e expectativas sobre o mercado de trabalho. Apesar da existência de uma lei federal que vigora há 25 anos e que determina que empresas a partir de 100 funcionários tenham um percentual de funcionários com alguma deficiência, menos de 10% das empresas cumprem a exigência.

15 de Maio | 4ª-feira | 16h

Dançando com a diferença – Road

Dir. Zito Marques | Brasil | 2016 | 42min

A convite do Teatro Viriato, o diretor artístico do Grupo Dançando com a Diferença, Henrique Amoedo, desenvolveu um trabalho de sensibilização para a inclusão através da dança com diversas instituições da região de Viseu. Foram promovidos encontros entre Henrique e diferentes profissionais relacionados com a área e com pessoas interessadas na temática da inclusão.

15 de Maio | 4ª-feira | 19h - Sessão comentada com o Marcio Pizarro Noronha

Professor no curso de Dança na UFRGS, atua no campo de pesquisa interartes e transmidialidades, com estudos dos processos de subjetivação na contemporaneidade. É doutor em Antropologia (USP) e em História (PUC-RS), mestre em Antropologia (UFSC), com especializações em Jornalismo e História.

Escute

Dir. Manoela Meyer | Brasil | 2015 | 25min

A experiência de um cineasta cego. O casal com deficiência visual que segue frequentando salas de cinema. A sensibilidade para sonorizar filmes sem enxergar. Este é um documentário sobre pessoas com deficiência visual e suas percepções a respeito de estética, imaginação e sentimentos no cinema.

17 de Maio | 6ª-feira | 19h

Luiza

Dir. Caio Baú | Brasil | 2017 | 15min

“Luiza” trata da delicada relação entre uma jovem deficiente e o universo que a cerca, tendo a sexualidade como fio condutor para abordar questões como preconceito, relações entre pais e filhos, super-proteção da família, autonomia, diferenças e amor.

17 de Maio | 6ª-feira | 19h

 

 

Programa de curtas Daniel Gonçalves, 45min
- 17 de Maio | 6ª-feira | 16h

Tem bala aí?

Dir. Daniel Gonçalves | RJ | 2008 | 17min

“Tem bala ai?” A partir dessa pergunta e de sua própria experiência, o diretor apresenta as festas rave para quem nunca esteve em uma. Livre de estereótipos e do tradicional preconceito em relação à música eletrônica, o filme mostra a rave como ela é.

Luz Guia

Dir. Daniel Gonçalves | RJ | 2012 | 12min

No final de 2011, uma equipe de ceramistas e instrutores de reciclagem – formada por deficientes visuais do Instituto Benjamin Constant, desenvolveu e executou o presépio Luz Guia.

Como Seria?

Dir. Daniel Gonçalves | RJ | 2014 | 3min

Aos trinta, chegou a hora de mais pessoas saberem que sim, que é possível levar uma vida normal com a paralisia cerebral que faz meus movimentos diferentes dos demais. Mas, por favor, não me venham com essa pieguice de superação, ok?!

Pela Estrada Afora

Dir. Daniel Gonçalves | RJ | 2015 | 13min

Pela Estrada Afora percorreu os 5800 quilômetros da maior linha regular de ônibus do mundo, de São Paulo a Lima. Em mais de 100 horas de viagem, passamos por 5 estados brasileiros, cruzamos a Cordilheira dos Andes, no Peru, e conhecemos Enrique, Júlio Cesar e Pedro.

INFORMAÇÕES

O documentário “Exteriores – Mulheres Brasileiras na Diplomacia” é um projeto do Grupo de Mulheres Diplomatas, coletivo criado em 2013 e que hoje reúne mais de um terço das diplomatas brasileiras. Foi produzido em 2018, no contexto da celebração do centenário de ingresso na carreira diplomática de Maria José de Castro Rebello Mendes, a primeira diplomata brasileira e a primeira mulher a ser aprovada em concurso público no país.

“Exteriores” é uma realização independente e fruto de financiamento coletivo realizado entre junho e julho de 2018. Na ocasião, o Grupo de Mulheres Diplomatas reuniu cerca de R$ 45 mil por meio de doações voluntárias para financiar a produção do documentário, que levou seis meses para ser concluído. O projeto também contou com o apoio da Associação dos Diplomatas Brasileiros (ADB).

O documentário não tem qualquer vinculação institucional com o Ministério das Relações Exteriores (MRE). As opiniões nele expressas não devem ser interpretadas como opiniões do MRE.

A veiculação desse documentário na UFRGS é uma parceria entre o projeto de Extensão LAB-PEB (Laboratório de Análise de Política Externa Brasileira), Divisão Cultural e o Grupo de Mulheres Diplomatas.

“Exteriores – Mulheres Brasileiras na Diplomacia”
13 de maio | segunda-feira | 16h | Sessão com debate

Ficha técnica:

Exteriores – Mulheres Brasileiras na Diplomacia (53min)
Direção: Ivana Diniz
Produção: Argonautas
Direção de arte: Marcia Roth
Edição e finalização: Marisa Rabelo
Roteiro: Ana Beatriz Nogueira e Ivana Diniz

INFORMAÇÕES

Paraiso Perdido
Dir. Monique Gardenberg | 2018 | Brasil | Musical | 110min

Paraíso Perdido é um clube noturno gerenciado por José (Erasmo Carlos) e movimentado por apresentações musicais de seus herdeiros. O policial Odair (Lee Taylor) se aproxima da família ao ser contratado para fazer a segurança do jovem talento Ímã (Jaloo), neto de José e alvo frequente de homofóbicos, e aos poucos o laço entre o agente e o clã de artistas românticos vai se revelando mais e mais forte – com nós surpreendentes.

16 de Maio | Quinta-Feira | 19h

Após a sessão haverá debate em rede com a diretora Monica Gardenberg.

Deixe uma resposta

Facebook
Twitter
YouTube
Instagram
X