Cineasta discute documentário sobre pioneiras da causa ambiental no Brasil

Ricas, donas de casa, moradoras de um bairro nobre de Porto Alegre. Privilegiadas e vivendo no ambiente da ditadura militar brasileira. Nesse ambiente confortável, Giselda Castro e Magda Renner trocaram o ambiente de luxo pelo altruísmo em prol das causas ambientais e de lutas incipientes no Brasil, como o aleitamento materno, o uso de pílulas anticoncepcionais, a luta contra o machismo e o clamor por mais direitos civis.

A trajetória das “madames do Três Figueiras” (em referência ao bairro de classe média-alta da capital gaúcha), no entanto, não foi desde o princípio anti-sistema. Elas fundaram a Ação Democrática Feminina Gaúcha, um grupo a favor do Golpe de 1964, claramente conservador. Mas a iniciativa delas e de outras mulheres importantes à época, como Hilda Zimmermann, de procurar saber dos problemas ambientais e das comunidades fez o leme convergir para causas progressistas. O grupo tornou-se o Núcleo Amigos da Terra, entidade parte de uma organização mundial do meio ambiente.

A luta juntou aliados como Augusto Carneiro e José Lutzemberger, fundadores da Agapan – Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural. Abarcou outros temas, como a causa do machismo, e chegou a outros países. Em 2001, a dupla, já idosa, foi a Washington em protesto coordenado por várias frentes do globo. Posteriormente, levaram discussões acerca dos problemas crescentes em relação à degradação ambiental ao Fórum Social Mundial. 

Giselda faleceu em 2012. Magda, quatro anos depois. A fim de relembrar a trajetória marcante de duas das pioneiras da causa ambiental no Brasil, Daniela Sallet lançou em 2017 o documentário Substantivo Feminino. Na quinta-feira, 21 de novembro, às 19h, Sallet estará na Sala Redenção – Cinema Universitário para falar sobre a sua obra e resgatar o rico passado das “madames do Três Figueiras”. A mediação será feita por Bruna Dalmaso-Junqueira, mestra e doutoranda em Educação pela UFRGS, militante feminista e atuante nas áreas de educação e feminismos, gênero, trabalho docente feminino, escrita não-sexista e hegemonia. A sessão será exibida para salas de cinemas de todo o país, dentro do projeto Cinemas em Rede.

Serviço

Exibição do documentário Substantivo Feminino + Debate com a diretora Daniela Sallet (com mediação de Bruna Junqueira, doutorante em Educação pela UFRGS)

  • Data: 21/11/19
  • Horário: 19h
  • Local: Sala Redenção – Cinema Universitário (Rua Eng. Luiz Englert, 333, Porto Alegre-RS)
  • Entrada livre.

Deixe uma resposta

X