Novembro, 2019

28novallday29fevExposição Nosso Lugar ao SolCentro Cultural da UFRGS

Mais

Informações

Desenvolvida em três eixos, a exposição Nosso Lugar ao Sol discute uma nova leitura das imagens que serão exibidas a partir de 29 de novembro no Centro Cultural da UFRGS. Por meio das dualidades juventude e impermanência; natural e artificial; desejo e consumação; efêmero e permanente; e vida e morte, a mostra traçará uma perspectiva dos trabalhos desenvolvidos pela fotógrafa Rochele Zandavalli (Garibaldi, RS, 1980), buscando também dialogar sobre a fetichização e outros aspectos do corpo feminino.

O primeiro eixo da exposição terá como mote a série Todos esses novos adoradores do sol, projeto desenvolvido desde 2013 com os princípios da dualidade mencionados e que retratam imagens de um jovem que perambula em meio à vegetação, observando tudo através de uma lupa. No caso, a lupa é a representação da câmera fotográfica. Outra série que abordará a temática será Morangos mofados.

A questão em torno da fetichização da mulher girará em torno da apropriação de fotografias antigas e de uma sequência de intervenções nas imagens, como incisões, cortes, bordados, justaposição a suportes como pequenas toalhas de crochê, além de utilizar esmaltes de unhas como recursos imagéticos. A partir dessas representações, Zandavalli indaga ao espectador o motivo de certos objetos serem valorizados, ao passo que são usados especialmente para embelezar tecidos mortos, como as unhas. Nas palavras da artista, unhas lixadas e pintadas aludem, simbolicamente, às “garras civilizadas”: “Uma camada de falso verniz, um artifício superficial e frágil, que domestica nossas presas animais”, explica.

Em seu último núcleo, a exposição penetra ainda mais na discussão sobre o corpo feminino, através da reprodução do vídeo Freethenipple, um comentário crítico à censura imposta aos mamilos femininos em redes de compartilhamento de imagens. Produzido a partir da captação de centenas de imagens censuradas nas plataformas digitais, o vídeo evidencia como o corpo da mulher vem sendo constantemente violentado. “As intervenções censurantes utilizadas para garantir a circulação das fotografias são muitas, desde poses e objetos em frente aos seios, passando por tarjas, riscos, emojis, pixeis, blur, até o ponto de ocorrer a completa retirada digital do mamilo. Resta um seio artificializado, ultrajado e negado. E isso significa muito”, ilustra Zandavalli.

Nosso lugar ao sol conta com a curadoria da professora do Instituto de Artes Paula Ramos e com realização do Departamento de Difusão Cultural da UFRGS. O vernissage ocorre em 28 de novembro de 2019, às 19h, com entrada livre. A visitação ao público inicia no seguinte e segue até fevereiro de 2020 de segunda a sexta-feira das 9h às 19h no Centro Cultural da UFRGS.

Data

Novembro 28 (Quinta) - Fevereiro 29 (Sábado)

Localização

Centro Cultural da UFRGS

Av. Eng. Luiz Englert, 333

Organizador

Centro Cultural da UFRGS

Deixe uma resposta

X