Luis Fernando Verissimo será homenageado no 1º Prêmio do Centro Cultural da UFRGS

Aos 83 anos e com uma vasta coleção de crônicas, textos humorísticos, romances e obras publicadas por todo o país e pelo mundo, Luis Fernando Verissimo será o primeiro homenageado da história do Prêmio Centro Cultural da UFRGS. A distinção é uma justa homenagem a um dos maiores cronistas que o Brasil produziu nas últimas décadas. A cerimônia ocorrerá em 12 de novembro, às 19h, com entrada livre, no Centro Cultural da UFRGS – a premiação ocorreria em 29 de outubro e teve de ser transferida por motivos pessoais do homenageado.

O Centro Cultural receberá na data dedicada ao escritor diversos artistas da cena cultural de Porto Alegre. Os atores Anderson Vieira, Ilana Kaplan e Mirna Spritzer lerão, ao lado do diretor de cinema Jorge Furtado, textos escritos ao longo da trajetória de Verissimo e selecionados pelo professor Giba Assis Brasil. A performance musicada ficará a cargo de uma dupla de peso de peso, com um toque especial de jazz com o trompetista Luiz Fernando Rocha (membro do saudoso Jazz 6, grupo formado nos bares porto alegrenses e que contava com o filho de Erico Verissimo no sax alto) e Ras Vicente ao piano.

“Tivemos a ideia de organizar o prêmio a fim de fazer um tributo aos difusores culturais, a quem promove a arte e a cultura de maneira geral. A universidade distingue os pesquisadores e valoriza esse aspecto, no entanto, penso que faltava uma homenagem da UFRGS a personalidades que se tornam de certa forma embaixadores do Rio Grande do Sul país afora, como é o caso do Luis Fernando”, afirma Claudia Boettcher, diretora do Centro Cultural e do Departamento de Difusão Cultural da UFRGS.

De modo a prestar a honra ao mestre de obras como O analista de Bagé e As mentiras que os homens contam, o 1º Prêmio Centro Cultural da UFRGS será uma escultura feita pelo artista Mauro Fuke. O trabalho, feito em madeira, será revelado ao público na cerimônia de entrega e será baseado nas espécies florestais que nomeiam as salas do Centro Cultural. 

A ideia de outorgar este prêmio surgiu a partir da iniciativa da diretora do Centro Cultural e da coordenadora de Programação do espaço, Lígia Petrucci, em conversa informal. A produtora cultural da universidade ilustra que o nome de Luis Fernando Verissimo foi o primeiro e único pensado pela dupla. 

“Quando pensamos em fazer esse tipo de premiação, nosso nome prioritário foi o do Luis Fernando. Ele é um dos maiores cronistas do nosso país e completou em 2019 a marca de 50 anos de textos jornalísticos. Além disso, ele é uma voz fundamental para a nossa sociedade. Seus escritos que combinam humor, reflexões  filosóficas e políticas são guiados por uma grande inteligência que é a dele. Nós temos que agradecer por termos uma pessoa como o Luis Fernando, que é lido por todo o Brasil. O nosso Verissimo”, argumenta Petrucci.

Sobre o Prêmio Centro Cultural da UFRGS

Criado em 2019 sob a administração da diretora do Centro Cultural, Claudia Boettcher, o Prêmio Centro Cultural busca agraciar com a distinção personalidades que se distinguam pelo fazer artístico de forma geral, especialmente levando em conta a difusão e a promoção da arte e da cultura no país. É um prêmio que busca trazer ao ambiente universitário a justa homenagem a pessoas que contribuíram com a sociedade de maneira única, alcançando públicos dos mais diversos, como é o caso dos agentes ligados à cultura. O prêmio-escultura terá como base a madeira e fará alusão às espécies de árvores nativas do Brasil cujos nomes designam todas as salas do Centro Cultural da UFRGS.

O mais novo espaço cultural da UFRGS foi inaugurado em setembro de 2018 com o objetivo de estimular, preservar e valorizar a cultura e a arte nas suas mais diversificadas manifestações. Desde então, vem se dedicando a oferecer programações que promovam a circulação de conhecimentos e o debate de ideias, além de criar oportunidades de convívio entre a sociedade e a universidade.  A diversidade de ações artísticas e culturais buscam fomentar a apreciação da arte, o questionamento, a dúvida e o encontro, preservando a memória e, ao mesmo tempo, abrindo-se para o novo em um movimento constante de interação com a comunidade local. Desta forma, nada mais justo que propor a criação do 1º Prêmio Centro Cultural da UFRGS com o intuito de reverenciarmos pessoas tão importantes na construção da identidade do gaúcho e do brasileiro, de maneira geral.

Verissimo, por Giba Assis Brasil - montador e professor de cinema

Minha geração aprendeu a admirar o Luis Fernando Verissimo pela qualidade do seu texto, que um amigo uma vez comparou aos dribles do

Garrincha: a gente sabe pra onde ele vai, e pensa que sabe como, mas quando vê está sentado no chão, e ele com a bola. Todo mundo acha que consegue fazer igual, e por isso a internet e o mundo real estão cheios de falsos verissimos e falsos ponteiros direitos, cujo principal mérito é validar seus modelos originais.

Verissimo é admirável também por seus personagens inesquecíveis, por seus temas e seu talento de cronista, sua capacidade de estar sempre antenado com a conjuntura; por sua cultura e conhecimento de mundo, indissociáveis de sua ligação com Porto Alegre. Ser colorado, no caso, é um bônus; nem precisava.

Aos poucos, junto com as novas gerações, fomos descobrindo que havia muito mais pra admirar no Verissimo: a ironia que não se confunde com sarcasmo, o rir-com-o-outro sempre acima do rir-do-outro, no limite o rir-de-si-mesmo; e por trás de tudo, claro, o humanismo generoso e solidário de quem sabe que os tempos podem ser distópicos, mas que a utopia, como ensinou Galeano, sempre serve para seguir andando.

Fotos - por Luiz Eduardo Achutti

"Quando o Luis Fernando era criança, a família tinha um jornal chamado O Patentino. Todos escreviam e ficava no banheiro para a família se comunicar. Então, um dia tive que fazer uma foto dele para um jornal voltado para jovens da Zero Hora sobre esse assunto. Levei ele no banheiro e fiz duas fotos"
Luiz Eduardo Robinson Achutti
Professor da UFRGS e fotógrafo

Deixe uma resposta

X