Em homenagem à lendária revista francesa Cahiers Du Cinéma, fundada pelo crítico de cinema André Bazin no início da década de 1950, ao lado de Jacques Doniol-Valcroze e Lo Duca, a Sala Redenção – Cinema Universitário recordará alguns filmes selecionados nas primeiras – e famosas – listas de Melhores do Ano da revista. Entre os dias 3 e 20 de dezembro, seis filmes que viraram expoentes da grande tela serão exibidos, dentre eles: Noites de Cabíria (1957), do expoente diretor italiano, Federico Fellini, e o singular e genial O Batedor de Carteiras (1959), de Robert Bresson.

Na continuação da semana, como parte da programação da mostra Sigma de cinema, o documentário Vila Flores – Território e Memória (2018), de Marcelo Monteiro, Juliano Ambrosini e Nando Rossa, retrata a história do centro cultural e educacional de Porto Alegre. Na sequência da exibição que acontece dia 5 de dezembro, às 19h, haverá debate com participação de Bia Kern, fundadora da ONG Mulher em Construção, a arquiteta Cibele Vieira Figueira e Antonia Wallig, gestora cultural e co-fundadora do Vila Flores.

Ainda nessa semana, a Sala Redenção apresenta, na Mostra Recam, o Ciclo Artistas do Mercosul. A dupla de filmes conta a história da vida e obra de dois grandes artistas do cinema e da música. Por um lado Fattoruso, um documentário uruguaio-brasileiro de 2017,dirigido por Santiago Bednarik, retrata a vida e obra do compositor, arranjador, multi-instrumentista e cantor uruguaio Hugo Fattoruso, com entrevistas de músicos brasileiros,argentinos e outros. Por outro, Narcisa (2014), dirigido por Daniela Muttis, fala da história da Narcisa Hirsch uma cineasta argentina de origem alemã, pioneira no cinema experimental argentino.

Segunda-feira – 2 de dezembro

16h


  • Título: Fattoruso (2017, Uruguai)
  • Direção: Santiago Bednarik 
  • Gênero: Documentário
  • Duração: 90 minutos
  • Legendado
  • Classificação etária: Livre
  • Sinopse: O filme aborda a vida atual de Hugo Fattoruso em busca de contar sua história em um diálogo entre cenas de sua vida cotidiana, documentos de arquivo e entrevistas coletadas. Esta é uma história de amor para a música. A dedicação e o compromisso absoluto de uma pessoa que coloca sua alma a serviço da arte, deixando uma marca profunda na música universal e em todas as pessoas que a conhecem.

Terça-feira – 3 de dezembro

16h


  • Título: Juventude Transviada (1955, EUA)
  • Direção: Nicholas Ray
  • Gênero: Drama
  • Duração: 111 minutos
  • Legendado
  • Classificação etária: 14 anos
  • Sinopse: Jim Stark (James Dean) é um jovem problemático, e por sua causa, os pais se mudam de uma cidade para outra, até se fixarem em Los Angeles. Certo dia ele é preso por embriaguez e desordem, e no distrito policial, conhece Judy (Natalie Wood), uma jovem revoltada com o pai e um rapaz que atirou em alguns cães. Após ser libertado, tenta se aproximar de Judy, mas cria um desentendimento com o namorado de Judy, que é o líder de uma gangue do colégio. Esta rivalidade vai gerar algumas situações com trágicas consequências.

Quarta-feira – 4 de dezembro

16h


  • Título: Era o Hotel Cambridge (2016, Brasil)
  • Direção: Eliane Caffé
  • Gênero: Drama
  • Duração: 99 minutos
  • Classificação etária: 12 anos
  • Sinopse: Refugiados recém-chegados ao Brasil dividem com um grupo de sem-tetos um velho edifício abandonado no centro de São Paulo. Além da tensão diária que a ameaça de despejo causa, os novos moradores do prédio terão que lidar com seus dramas pessoais e aprender a conviver com pessoas que, apesar de diferentes, enfrentam juntos a vida nas ruas.                                                                                                      Após a sessão haverá um debate com integrantes do evento e convidados.                                                    Este filme é uma parceria com o Sesc/RS.

Quinta-feira – 5 de dezembro

16h


  • Título: Vila Flores (2018, Brasil)
  • Direção: Marcelo Monteiro, Juliano Ambrosini e Nando Rossa 
  • Gênero: Documentário
  • Classificação etária: Livre
  • Sinopse: O conjunto, construído entre os anos 1925 e 1928 pelo engenheiro-arquiteto Jos é Franz Seraph Lutzenberger, é um complexo arquitetônico formado por 3 edificações e um pátio em um terreno de 1.415 m². As edificações estão listadas no Inventário do Patrimônio Cultural de Bens Imóveis do Bairro Floresta, classificadas como imóveis de Estruturação e situadas em Área de Interesse Cultural de Porto Alegre.

Sexta-feira – 6 de dezembro

16h


  • Título: Narcisa (2014, Argentina)
  • Direção: Daniela Muttis
  • Gênero: Documentário
  • Duração: 61 minutos
  • Legendado
  • Classificação etária: Livre
  • Sinopse: Narcisa Hirsch produziu na Argentina um trabalho que, desde o final dos anos 60, possui uma amplitude estética, conceitual e cinematográfica que poucos cineastas experimentais conseguiram alcançar. Às vezes, tenciona a relação entre o visual e o verbal, outras vezes como uma paisagista alucinada de pura iconicidade, e outras, a partir de uma concepção musical da imagem, suas obras evocam a partir do título, aquele ponto de “brilho intolerável” onde convergem o universo real e o imaginado,ou seja, a vigília e o sonho.

Sábado – 7 de dezembro (Dia da Cultura na UFRGS)

12h


  • Título: Idioma Desconhecido (2018, Brasil)
  • Direção: José Marques de Carvalho Jr.
  • Gênero: Documentário
  • Duração: 75 minutos
  • Elenco: Marcelo Yuka, Otto, Gregório Duvivier
  • Sinopse: Idioma Desconhecido é uma investigação sobre o nosso inconsciente, e toda vulnerabilidade social que ele traz. O documentário conta com 15 entrevistados, entre eles os músicos Marcelo Yuka e Otto, o ator e humorista Gregório Duvivier, o artista plástico Eduardo Marinho, o escritor e quadrinista Lourenço Mutarelli, a psicóloga e hipnóloga Gilda Moura, e o psicanalista Pedro de Santi.

16h


  • Título: Lembro mais dos corvos (2018, Brasil)
  • Direção: Gustavo Vinagre
  • Gênero: Documentário
  • Duração: 82 minutos
  • Sinopse: Durante uma crise de insônia, a atriz Julia Katharine, uma mulher transexual, conta a história de sua vida através de um monólogo. A intimidade da personagem central é exposta através de relatos reais de resistência e autoaceitação.

20h


  • Título: Koyaanisqatsi (1982, EUA)
  • Direção: Godfrey Reggio
  • Gênero: Documentário
  • Duração: 87 minutos
  • Legendado
  • Sinopse: As relações entre os seres humanos, a natureza, o tempo e a tecnologia. Cidade, campo, paisagem, rotina, pessoas, construções, destruição. Um documentário sem atores e sem diálogos, composto por uma impressionante coleção de imagens e uma marcante trilha sonora. 

0h


X