Patrícia Fagundes debate criação e formalização de redes como alternativas para a cultura

Em meio a diversas mudanças ocorridas e planejadas para os campos da cultura e da educação em âmbito federal, a professora do Departamento de Artes Dramáticas da UFRGS, Patrícia Fagundes, palestra em 14 de agosto, às 19h, no próximo Conferências UFRGS 2019. Além de pesquisadora do Programa de Pós-Graduação, a docente trabalha agora para conectar diferentes agentes da cultura e da educação de maneira geral como alternativas para o enfraquecimento de políticas públicas voltadas às áreas.

Seguindo o mote do ciclo de palestras de desenvolvimento de uma política cultural da universidade para os próximos anos, Patrícia Fagundes afirma que a sua ideia pode representar um “farol para ajudar a atravessar a tempestade”. O tema de sua palestra discorre sobre o conteúdo mencionado: Imaginários para nosso tempo: criação, diversidade, redes e desenvolvimento.

“Tenho um mapa de propostas para a área da cultura. Acho que [a palestra] é bem oportuna, sobretudo neste momento, para que possamos criar novas narrativas. Narrativas estas contrárias às hegemônicas, ligadas ao poder. Tenho um projeto para formar uma rede, como uma forma de organização contemporânea nas quais façamos alianças que possam nos fortalecer e ocupar territórios”, explica.

A rede referida pela diretora de teatro teria como objetivo fortalecer o diálogo e, inclusive, institucionalizar e formalizar essas alianças, criando uma espécie de corredor cultural entre as entidades e atores parceiros. O vínculo a ser alicerçado no âmbito das artes dramáticas começaria com os institutos de educação superior públicos, como UFSM, UFPEL e UERGS, para citarmos alguns exemplos regionais.

O corte de verbas para a educação e cultura são entraves para a execução de um planejamento em política cultural de qualquer entidade. Seguindo essa premissa, a professora sugere que o governo adote políticas de países europeus.

“Na Europa, muitas universidades são públicas. Ocorre que, embora o sistema seja capitalista, os governos locais investem maciçamente em educação e cultura, com políticas de formação de público. Não existe um país que se desenvolveu sem essas políticas. A Inglaterra é um exemplo. Podemos dizer que o Reino Unido é comunista, por acaso?”, brinca a pesquisadora, em meio à conversa sobre alternativas de geração de receitas propostas recentemente pelo Governo Federal, como o Future-se.

Serviço

Sobre: Conferências UFRGS 2019 – Cultura: para uma política cultural da UFRGS
Palestra: Patrícia Fagundes, docente do Departamento de Artes Dramáticas da UFRGS
Inscrição: clique aqui
Tema: Imaginários para nosso tempo: criação, diversidade, redes e desenvolvimento
Data: 14/08
Horário: 19h
Local: Sala Araucária – 2º andar – Centro Cultural da UFRGS (Rua Eng. Luiz Englert, 333, Porto Alegre-RS)

Deixe uma resposta

X