Salão de Festas da UFRGS abre exposição com acervo da Pinacoteca Barão de Santo Ângelo

Com diversas obras de Maria Lídia Magliani, telas do século XIX e do início século passado e curadoria do professor do Instituto de Artes da UFRGS, Paulo Gomes, o Salão de Festas da Reitoria recebe a exposição Artistas, historiadores e críticos: uma perspectiva a partir da Pinacoteca Barão de Santo Ângelo. A abertura ocorre no dia 10 de outubro às 18h30. A visitação ao público começa no dia seguinte, 11: as terças e quintas das 10h às 17h; e quartas e sextas-feiras das 12h às 17h.

A realização da exposição é uma iniciativa conjunta do Departamento de Difusão Cultural da UFRGS e da Pinacoteca Barão de Santo Ângelo, parte do Instituto de Artes. O projeto integra a programação do aniversário de 85 anos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Serviço

Exposição Artistas, historiadores e críticos: uma perspectiva a partir da Pinacoteca Barão de Santo Ângelo

Abertura: 10 de outubro às 18h30

Visitação: 11 de outubro a janeiro de 2020

Horários: terças e quintas-feiras das 10h às 17h; e quartas e sextas das 12h às 17h

Endereço: Salão de Festas da Reitoria – Av. Paulo Gama, 110, Campus Centro, 2º andar do prédio da Reitoria da UFRGS

Texto do curador, Paulo Gomes - professor do Instituto de Artes da UFRGS

Artistas, Historiadores e Críticos: Uma Perspectiva a Partir do Acervo da Pinacoteca Barão de Santo Ângelo

Tendo por missão “conservar, restaurar, ampliar e divulgar o patrimônio artístico e documental do Instituto de Artes da UFRGS”, a Pinacoteca Barão de Santo Ângelo, em estreita associação com o Departamento de Difusão Cultural da UFRGS, apresenta o resultado da associação de profissionais de instituições internacionais e nacionais, com vistas ao conhecimento e estudo da coleção de arte na UFRGS. O projeto tem ênfase na produção plástica, privilegiando o olhar sobre as relações da produção e de seus autores com o campo das artes, com especial destaque para o Rio Grande do Sul, tanto pelos artistas escolhidos quanto pelo papel que esses artistas e suas obras desempenharam na consolidação do campo das artes no Estado.

A exposição tem a indicação das obras efetuada pela professora e historiadora Ana Lucia Araújo, da Howard University (Washington, EUA), o crítico de arte e diretor de estudos Jacques Leenhardt, da EHESS (École des Hautes Études en  Sciences SocialesParis, França), o artista visual, crítico de arte e curador independente Rolf Külz‑Mackenzie, da Freie Universität (Berlim, Alemanha). Dentre os atuantes no Brasil, conta com o crítico de arte Teixeira Coelho, professor titular da USP, a professora emérita e historiadora Sônia Gomes Pereira, da UFRJ, a professora e crítica de arte Neiva Maria Fonseca Bohns, da UFPel e, completando o grupo, a professora e crítica de arte Icléia Borsa Cattani, do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da UFRGS.

Esta exposição apresenta obras de artistas (ou grupo de artistas)que foram objetos de estudos desenvolvidos pelos autores citados, com vistas à publicação de um volume de ensaiosque teve como objeto a coleção da Pinacoteca Barão de Santo Ângelo. Essa é uma instituição que, conforme já amplamente demonstrado em pesquisas acadêmicas e publicações, tem grande importância no universo das coleções universitárias de arte do paíspor sua representatividade nominal, assim como pela excelência das obras inscritas em seu inventário.

O presente projeto curatorial, promovido pelos curadores convidados, apresenta parte da multiplicidade de investigações em linguagens, formas, suportes, materiais, temáticas e processos que revelam o dinamismo da produção plástica nacional e local, ultrapassando os estreitos limites da ortodoxia formal e da temática, gerando interrogações e propondo problemas que constituem parte de suas poéticas.

A obra de Carlos Pasquetti, Carlos Scliar, Elida Tessler, Maria Lidia Magliani, Regina Silveira e Wilson Tibério, como muitas outras, é exemplar na expressão das particularidades de seus autores e abre possibilidades de novas formulações teórico/conceituais. São obras e artistasque tem como característica distintiva a excelência e a ênfase nos problemas da sua contemporaneidade, alinhadas, na medida do possível, com as manifestações das vanguardas, mas sempre demonstrando, de modo enfático, o domínio das técnicas e dos modos de operar adequados aos projetos individuais, assim como uma preocupação constante com os resultados a serem alcançados na boa articulação entre forma e conteúdo.

Por fim, considera-se que a presente exposição, e os estudos decorrentes dela, elucidarão relações inéditas entre as obras, seus autores e o sistema na qual foram produzidas, justificando plenamente a missão de uma coleção universitária, de seu acervo e dos seus agentes.

Deixe uma resposta

X