A ofensiva raivosa no desmonte do SUS

“Em pouco mais de três décadas o SUS mostrou-se não só viável como essencial. É um pilar da garantia dos direitos sociais em contraposição ao mercado. É responsável (até hoje) por 90 a 95% das cirurgias de coração, tratamentos oncológicos e transplantes de órgãos. Realiza um milhão de internações/mês, 3,5 bilhões de atendimentos/ano, e a assistência primária cobre 60% da população com a Estratégia de Saúde da Família.”

Assim a socióloga Amélia Cohn abre seu artigo sobre o desmonte do SUS, acelerado sob o governo interino de Michel Temer, publicado na Plataforma Política Social. Leia, abaixo, o artigo completo. Mas se preferir ler no sítio original, clique AQUI.