novembro 26th, 2012

Avaliação Final Sobre a Construção de Uma Edificação ‘Sustentável’

Em uma construção tida como ‘sustentável’ foi observado o emprego de técnicas que reforçam esse conceito e outras que foram previstas em projeto, mas que não foram executadas, diminuindo a força do conceito. Segundo Luiz Augusto dos Santos Ercole (2003), Costa Filho, Bonin e Sattler afirmam que o conceito de habitação sustentável pode ser desdobrado em termos concretos, significando:

– considerar toda a disponibilidade de infraestrutura local;
– avaliar as possíveis conexões da habitação em seu entorno;
– evitar a sobrecarga e o desperdício dos serviços públicos disponíveis;
– evitar a transferência à esfera coletiva de problemas gerados na esfera particular;
– contribuir para viabilizar o modo de vida urbana sem a necessária agressão ao meio ambiente.

Considerando que podemos dividir o processo observado em duas fases, em que se avalia: 1) o emprego de materiais reciclados ou reutilizados; 2) a redução energética, a edificação observada obteve um bom emprego na utilização dos materiais reciclados (estrutura e acabamentos), mas não teve um bom aproveitamento na reutilização de resíduos e potenciais energéticos que a própria edificação vai gerar. Exemplos disso são o recolhimento de águas pluviais, a destinação de resíduos sólidos e o tratamento de águas cinza e negras que não foram implantados na construção. Com relação à diminuição do consumo energético, a residência utilizou materiais adequados, porém não executou os sistemas da maneira mais eficiente.

Seguem na galeria de imagens os materiais empregados, assim como um quadro avaliando detalhadamente os requisitos que foram listados no projeto inicial e qual o grau de atendimento de cada um nas etapas finais da construção.

 

Referências Bibliográficas:
ERCOLE, L. A. S. Sistema Modular de Gestão de Águas Residuais Domiciliares: Uma Opção Mais Sustentável Para a Gestão de Resíduos Líquidos. 2003. Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, UFRGS, Porto Alegre.

 

Matéria e quadro elaborados a partir de pesquisa e imagens da aluna Marjory Bertoldo

maio 7th, 2012

Colocação de Piso Intertravado em Área Externa

O piso de concreto intertravado é utilizado para a pavimentação de ruas, acessos de garagens, calçadas de condomínios, praças e jardins, entre outros. A utilização deste piso resulta numa textura homogênea, que pode ser desejável como efeito estético. Possui alta durabilidade e facilita a manutenção e o acesso às redes subterrâneas, visto que as peças podem ser retiradas e recolocadas individualmente em seu lugar. Trata-se, ainda, de um piso ecologicamente mais adequado, pois permite a permeabilidade do solo.

Nesta obra, foi possível observar a colocação de piso intertravado de concreto de acordo com a seguinte ordem de procedimentos:

1. Compactação e nivelamento do solo executadas com o rolo vibrocompactor.

2. Em seguida, foi adicionada uma camada de pó de pedra sobre o solo, o qual foi nivelado com régua de madeira. A espessura dessa camada de pó foi controlada com linha de nylon, e dada de acordo com a especificação do projeto.

3. Os blocos de concreto foram assentados sobre a “cama” de pó de pedra obedecendo à seguinte ordem: colocação das peças de divisão e bordas de faixas de revestimento, preenchimento das faixas com as peças inteiras em juntas desencontradas, preenchimento dos meio-espaços das bordas com peças recortadas no canteiro

4. As juntas dos blocos foram preenchidas com areia fina.

5. Uma máquina, chamada de placa vibratória foi passada sobre os blocos para nivelá-los e para a areia acomodar-se entre as peças.

O responsável pela execução do piso intertravado nesta obra era o próprio fabricante. No projeto foram especificadas duas cores de blocos, um tom de vermelho, para demarcar faixas de divisão no piso, e um tom de cinza, para todo o restante do piso.

A utilização de pó de pedra para obtenção da base de assentamento no lugar de areia, material recomendado pelo fabricante, deve ser especificada em projeto, pois pode tornar o solo mais impermeável.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Beatrice Haffner Silva

agosto 20th, 2011

Sistema Building Shell

O sistema de montagem das fachadas utilizado nesta obra foi o Building Shell, o qual permite uma maior rapidez na construção, ou seja, a obra não precisa estar finalizada em altura para que se possa fazer o acabamento externo (fato que é necessário nas estruturas convencionais, onde o andaime desce do último pavimento ao térreo para que os operários apliquem chapisco, reboco, revestimento, etc).

Os painéis de “concreto arquitetônico” são sistemas de vedação para fachadas, largamente utilizados na América do Norte e Europa. O sucesso deste sistema provém de atributos como: a) qualidade aparente, b) durabilidade, c) variadas opções de forma, cores e texturas, d) eficiência energética, e) custos iniciais competitivos, custos de manutenção reduzidos durante o ciclo de vida da edificação, e f) trata-se de um único sistema completo de fachada.

Para a utilização deste sistema, durante a fase da arquitetura conceitual, o arquiteto deve considerar vários itens, tais como: seleção dos materiais, texturas, geometria da superfície, seções, repetições, custos e métodos de montagem. Diferentemente de uma vedação de alvenaria de blocos ou tijolos, apoiados sobre lajes ou vigas, o painel de concreto arquitetônico funciona como uma vedação pré‐fabricada em pele (Shell em inglês) fixada com inserts metálicos nas lajes.

O painel de “concreto arquitetônico” utilizado nesta obra é um painel de fachada 100% aprovado pela Prefeitura de Porto Alegre, e submetidos à análise no LEME (Laboratório de Ensaios e Modelos Estruturais) da UFRGS, onde foram verificados os seguintes desempenhos:

– Resistência mecânica, ensaio de corpo mole;

– Resistência mecânica, ensaio de corpo duro;

– Resistência à compressão axial de testemunhos;

– Estanqueidade;

– Desempenho acústico e térmico;

– Comportamento frente ao fogo.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Alice Pacheco Napoli

This work is licensed under GPL - 2009 | Powered by Wordpress using the theme aav1