abril 14th, 2015

Alvenaria estrutural

Utilizada como alternativa às estruturas convencionais de concreto  armado, funcionando ao mesmo tempo com estrutura e vedação, a  alvenaria estrutural proporciona economia, segurança, qualidade e  rapidez.

No caso observado, houve a racionalização do sistema, através um projeto de modulação dos blocos (figura 1), prevendo suas amarrações, passagem de instalações, eliminando o desperdício da quebra dos elementos e aumentando a produtividade do serviço.

O projeto empregou blocos, meio blocos, e blocos e meio, e peças especiais, como bolachas, blocos caixa de luz, e blocos canaletas, com a resistência adequada à sua finalidade. Esses blocos são unidos com cordões de argamassa, aplicados com canaleta (figura 2).

Na elevação da alvenaria deve-se utilizar linha-guia (figura 3), régua de nível (figura4) e esquadro, a fim de manter o nível e prumo.

Na amarração de paredes sem função estrutural, utilizam-se telas metálicas eletrossoldadas inseridas nas juntas horizontais da alvenaria a cada duas fiadas (figura 5).

Alvenaria suporta apenas a compressão. Auxiliando na tração causada pela ação do vento são utilizadas pilaretes, com barras inseridas no vazado dos blocos (figura 6), e preenchidas com groute (figura 7). Para garantir o completo preenchimento, são feitas janelas de inspeção (figura 8) na base, e na sexta fiada. A frequência dos pilaretes é calculada, e apresentada no projeto de modulação das paredes.

Na execução de contra verga, verga, e cinta de amarração, são utilizados blocos canaletas, inserindo uma pequena treliça dentro do bloco, e preenchidos com groute (figura 9).

Por possuir grandes dimensões, a execução das torres prevê a inserção de uma junta de dilatação (figura 10 e 11), para que estas possam se movimentar sem transmitir esforços entre si.

 

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Laysla Adrielly.

 

julho 5th, 2013

Deck de madeira

As áreas externas em residências necessitam de um piso que tenha características específicas para uma boa funcionalidade, como ser antiderrapante, ter durabilidade e boa resistência a mudanças climáticas. O mais comum sempre foi utilizar a pedra nestes ambientes mais suscetíveis a intempéries, porém, há alguns anos que a madeira vem sendo incorporada a pisos externos, sendo geralmente utilizadas as de tipo mais nobres, previamente tratadas, resistentes ao apodrecimento e à pragas. A escolha da madeira a ser utilizada no deck depende de alguns fatores, como a área de instalação, a finalidade do espaço, o fluxo de usuários e a insolação que o material receberá. Os tipos de madeira mais utilizados são ipê, cumaru, canelão e itaúba.
Na obra em análise, foi feito um deck ao redor de uma piscina, utilizando madeira ipê, sendo suas ripas previamente tratadas com verniz preservativo.

Instalação:
– o primeiro passo é limpar o contrapiso que receberá o deck, sendo que este já possui um caimento, direcionado para as bordas externas;
– são posicionadas as réguas de madeira a cada 40 cm, já com a pintura impermeabilizante, e, com o auxílio de uma furadeira, é feita a furação simultânea das réguas e do contrapiso, para que estas aberturas coincidam;
– as réguas são removidas para colocação de buchas, e então finalmente fixadas ao contrapiso com parafusos tipo parabolt;
– o nivelamento das réguas é realizado com a utilização de cunhas, deixando o deck no nível desejado;
– as ripas de ipê são fixadas nas réguas, pregadas individualmente;
– no encontro com a borda da piscina é feito o recorte de ajuste, utilizando-se serra elétrica manual;
-finalmente, com as ripas já colocadas, é realizada uma nova limpeza e passada uma camada de verniz.

Observa-se que, ainda que os serviços tenham sido realizados em uma edificação existente, houve negligência do pessoal em relação aos EPIs, pois a situação envolvia os riscos potenciais inerentes a toda obra, decorrentes das restrições à livre circulação e do uso de ferramentas.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Patrícia Lemos

novembro 26th, 2012

Avaliação Final Sobre a Construção de Uma Edificação ‘Sustentável’

Em uma construção tida como ‘sustentável’ foi observado o emprego de técnicas que reforçam esse conceito e outras que foram previstas em projeto, mas que não foram executadas, diminuindo a força do conceito. Segundo Luiz Augusto dos Santos Ercole (2003), Costa Filho, Bonin e Sattler afirmam que o conceito de habitação sustentável pode ser desdobrado em termos concretos, significando:

– considerar toda a disponibilidade de infraestrutura local;
– avaliar as possíveis conexões da habitação em seu entorno;
– evitar a sobrecarga e o desperdício dos serviços públicos disponíveis;
– evitar a transferência à esfera coletiva de problemas gerados na esfera particular;
– contribuir para viabilizar o modo de vida urbana sem a necessária agressão ao meio ambiente.

Considerando que podemos dividir o processo observado em duas fases, em que se avalia: 1) o emprego de materiais reciclados ou reutilizados; 2) a redução energética, a edificação observada obteve um bom emprego na utilização dos materiais reciclados (estrutura e acabamentos), mas não teve um bom aproveitamento na reutilização de resíduos e potenciais energéticos que a própria edificação vai gerar. Exemplos disso são o recolhimento de águas pluviais, a destinação de resíduos sólidos e o tratamento de águas cinza e negras que não foram implantados na construção. Com relação à diminuição do consumo energético, a residência utilizou materiais adequados, porém não executou os sistemas da maneira mais eficiente.

Seguem na galeria de imagens os materiais empregados, assim como um quadro avaliando detalhadamente os requisitos que foram listados no projeto inicial e qual o grau de atendimento de cada um nas etapas finais da construção.

 

Referências Bibliográficas:
ERCOLE, L. A. S. Sistema Modular de Gestão de Águas Residuais Domiciliares: Uma Opção Mais Sustentável Para a Gestão de Resíduos Líquidos. 2003. Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, UFRGS, Porto Alegre.

 

Matéria e quadro elaborados a partir de pesquisa e imagens da aluna Marjory Bertoldo

maio 7th, 2012

Colocação de Piso Intertravado em Área Externa

O piso de concreto intertravado é utilizado para a pavimentação de ruas, acessos de garagens, calçadas de condomínios, praças e jardins, entre outros. A utilização deste piso resulta numa textura homogênea, que pode ser desejável como efeito estético. Possui alta durabilidade e facilita a manutenção e o acesso às redes subterrâneas, visto que as peças podem ser retiradas e recolocadas individualmente em seu lugar. Trata-se, ainda, de um piso ecologicamente mais adequado, pois permite a permeabilidade do solo.

Nesta obra, foi possível observar a colocação de piso intertravado de concreto de acordo com a seguinte ordem de procedimentos:

1. Compactação e nivelamento do solo executadas com o rolo vibrocompactor.

2. Em seguida, foi adicionada uma camada de pó de pedra sobre o solo, o qual foi nivelado com régua de madeira. A espessura dessa camada de pó foi controlada com linha de nylon, e dada de acordo com a especificação do projeto.

3. Os blocos de concreto foram assentados sobre a “cama” de pó de pedra obedecendo à seguinte ordem: colocação das peças de divisão e bordas de faixas de revestimento, preenchimento das faixas com as peças inteiras em juntas desencontradas, preenchimento dos meio-espaços das bordas com peças recortadas no canteiro

4. As juntas dos blocos foram preenchidas com areia fina.

5. Uma máquina, chamada de placa vibratória foi passada sobre os blocos para nivelá-los e para a areia acomodar-se entre as peças.

O responsável pela execução do piso intertravado nesta obra era o próprio fabricante. No projeto foram especificadas duas cores de blocos, um tom de vermelho, para demarcar faixas de divisão no piso, e um tom de cinza, para todo o restante do piso.

A utilização de pó de pedra para obtenção da base de assentamento no lugar de areia, material recomendado pelo fabricante, deve ser especificada em projeto, pois pode tornar o solo mais impermeável.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Beatrice Haffner Silva

abril 30th, 2012

Argamassa Projetada

Nesta obra, a construtora optou por máquinas de projeção de argamassa, cuja importação demanda um investimento na faixa de 50 a 100 mil reais. Essa tecnologia tem como objetivo reduzir os custos, garantir a qualidade e agilizar a conclusão da obra. Para um rendimento satisfatório, além do projetor de argamassa, é necessária uma equipe composta de cinco funcionários especializados, cada um com uma função:

01 – O primeiro deles é encarregado do manuseio da máquina, de conectá-la à eletricidade e de produzir a argamassa, controlando o fornecimento de água e sua mistura com a argamassa seca.

02 – O segundo faz a projeção da argamassa, utiliza uma larga mangueira com um projetor na ponta, através do qual a argamassa vai sendo lançada diretamente na superfície.

03 – O terceiro funcionário acompanha o segundo passando a régua para começar a homogeneizar a camada. Neste caso, a superfície revestida é a face inferior de uma laje treliçada com preenchimento de EPS. Nesse tipo de laje a cura do concreto é mais lenta, ou seja, pode resultar em menor aderência. Sendo assim, observou-se que, em algumas partes, a argamassa não aderiu totalmente e acabou descolando.

04 e 05 – Os outros dois funcionários são responsáveis por garantir o acabamento, utilizando-se da colher de pedreiro para tal. Ajudam também a fixar a argamassa que cai devido a menor aderência.
Mais tarde, o funcionário responsável pela regularização voltou ao local com uma desempenadeira elétrica para fazer o acabamento final do revestimento.

Para esta obra, revestir um teto de 37,5 m² com esta nova tecnologia levou cerca de 30 minutos, sendo que, com o método tradicional, este trabalho levaria cerca de 3 horas. Este resultado foi citado com evidente satisfação pela equipe que, em pouco tempo, podia transladar o maquinário para ser utilizado em outro local.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Louise Serraglio

abril 23rd, 2012

Isolamento Acústico

Nesta obra, a infraestrutura de lazer encontra-se na cobertura do edifício de 19 andares, foram então adotadas algumas medidas de isolamento acústico no piso, nas paredes e no forro para que o uso dos espaços de lazer não interferisse no conforto acústico dos moradores dos andares inferiores.

No piso, a laje do pavimento foi concretada com um rebaixo de 22 centímetros de altura para comportar todas as camadas do isolamento. Foram utilizados isoamortecedores Gerb, que fazem o isolamento de esforços dinâmicos e também atuam no amortecimento. Esses isoamortecedores foram dispostos com distâncias constantes entre si e foram colocados blocos de isopor entre eles, fixados com fita isolante. Sobre esta primeira camada foi colocada uma lona plástica e concretada uma laje, com 4cm de espessura. Após sua cura, foi colocada outra camada de concreto, até obter a espessura de projeto. Essa concretagem em duas etapas foi necessária para não tensionar de uma única vez os isoamortecedores. Durante a concretagem foram usadas finas placas de isopor também junto aos pilares, o que vem a caracterizar esta laje como “flutuante”, ou seja, independente da estrutura principal e que não irá transmitir o ruído através desta.

Para as paredes, o projeto acústico especificou o uso de manta de poliéster em todo ambiente. Entretanto, parte do material foi extraviado no canteiro por apresentar características térmicas semelhantes a um cobertor. Optaram então por complementar o isolamento usando manta de lã de vidro (material semelhante acusticamente, mas que pode causar reação alérgica em contato excessivo com a pele).

O revestimento acústico sobre as paredes foi oculto por paredes de gesso acartonado, suportadas por uma estrutura matálica. A colocação dos montantes metálicos na parede deu-se através de uma peça de fixação (cortada e dobrada a noventa graus), criando o vão necessário para alojar a manta de isolamento. Neste projeto foram utilizadas duas placas de gesso sobrepostas para um melhor desempenho acústico.

A etapa seguinte foi a colocação da manta, com a parte da lã voltada para a parede e a parte com papel voltada para o interior. Sobre as mantas, foram colocadas as placas de gesso acartonado, fixadas nos montantes com parafusos especiais fornecidos pelo mesmo fabricante. Depois de posicionadas, foram removidos eventuais excessos de material nas juntas das placas com auxilio de um estilete.

O forro foi feito utilizando placas de gesso acartonado com mantas de lã de vidro sobre elas, também para fins de isolamento acústico. Quando todas as placas de gesso já estavam colocadas, foi necessário realizar o acabamento entre as juntas. Para isso, foram utilizadas massa e fita específicas. Essa etapa consistiu em passar massa entre as juntas e aplicar a fita, pressionando para remover o excesso de material. Após a secagem foi aplicada uma nova camada de massa, mais larga em relação à primeira e, após a secagem total, a área foi lixada com cuidado e recebeu o acabamento especificado em projeto.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Natália Saccaro Bassanesi

novembro 1st, 2011

Laje Nervurada – Processo Construtivo

Nesta obra acompanhada no primeiro semestre de 2011, foi utilizada a laje nervurada no subsolo, onde será o estacionamento. Devido a problemas que ocorreram com as fundações do prédio, a laje teve que ser executada em partes, o que facilitou o acompanhamento de sua execução. Foi possível observar a montagem com as formas e escoras metálicas, um procedimento bastante interessante.

Uma laje nervurada é constituída por um conjunto de vigas que se cruzam, solidarizadas pela mesa (parte responsável por absorver os esforços de compressão). Esse elemento estrutural terá comportamento intermediário entre o da laje maciça e o da grelha. Segundo a NBR 6118:2003, lajes nervuradas são “lajes moldadas no local ou com nervuras pré-moldadas, cuja zona de tração é constituída por nervuras entre as quais pode ser colocado material inerte”. Este tipo de estrutura propicia uma redução no peso próprio, bem como um melhor aproveitamento do aço e do concreto. Além disso, as lajes nervuradas podem chegar a vencer vãos de 20m.

Nas áreas de apoio observa-se uma concentração de tensões transversais, podendo ocorrer ruína por punção ou por cisalhamento. Nesses casos, entre as alternativas existentes, é possível fazer uma região maciça em volta do pilar formando um capitel para absorver as tensões ou executar faixas maciças em uma ou em duas direções, constituindo vigas-faixa.

O pré-dimensionamento destas estruturas para a determinação da altura da laje, foi determinado pela seguinte equação: h= l/23 a l/28, sendo h = altura da laje nervurada e l = distância entre os apoios (pilares), em centímetros.

O passo a passo construtivo de lajes nervuradas com cubetas plásticas ocorreu de acordo com a seguinte ordem de procedimentos:

1 – Após a montagem do escoramento metálico e do vigamento, foi iniciada a instalação das cubetas plásticas;

2 – Em seguida, iniciou-se a montagem da chapa de apoio das cubetas (tablado de madeira) sobre as escoras;

3 – As formas foram distribuídas sobre os painéis;

4 – As formas plásticas foram alinhadas com o auxílio de um sarrafo de madeira. Em seguida, uma faixa de madeirite foi presa na beirada da laje;

5 – As armaduras foram colocadas;

6 – Os vergalhões e os estribos foram presos;

7 – A laje foi concretada;

8 – Logo após o lançamento do concreto a laje foi sarrafeada e nivelada;

9 – Após 4 dias retirou-se o escoramento e o tablado de apoio das cubetas, deixando o reescoramento a cada 1,5m²;

10 – As cubetas foram retiradas;

11 – Esperou-se a cura completa do concreto, aproximadamente quatro semanas, para a retirada do reescoramento. A laje ficou pronta.

Referências

Diagramas:
http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/158/imprime173924.asp

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Ana Paula Restelli

agosto 20th, 2011

Sistema Building Shell

O sistema de montagem das fachadas utilizado nesta obra foi o Building Shell, o qual permite uma maior rapidez na construção, ou seja, a obra não precisa estar finalizada em altura para que se possa fazer o acabamento externo (fato que é necessário nas estruturas convencionais, onde o andaime desce do último pavimento ao térreo para que os operários apliquem chapisco, reboco, revestimento, etc).

Os painéis de “concreto arquitetônico” são sistemas de vedação para fachadas, largamente utilizados na América do Norte e Europa. O sucesso deste sistema provém de atributos como: a) qualidade aparente, b) durabilidade, c) variadas opções de forma, cores e texturas, d) eficiência energética, e) custos iniciais competitivos, custos de manutenção reduzidos durante o ciclo de vida da edificação, e f) trata-se de um único sistema completo de fachada.

Para a utilização deste sistema, durante a fase da arquitetura conceitual, o arquiteto deve considerar vários itens, tais como: seleção dos materiais, texturas, geometria da superfície, seções, repetições, custos e métodos de montagem. Diferentemente de uma vedação de alvenaria de blocos ou tijolos, apoiados sobre lajes ou vigas, o painel de concreto arquitetônico funciona como uma vedação pré‐fabricada em pele (Shell em inglês) fixada com inserts metálicos nas lajes.

O painel de “concreto arquitetônico” utilizado nesta obra é um painel de fachada 100% aprovado pela Prefeitura de Porto Alegre, e submetidos à análise no LEME (Laboratório de Ensaios e Modelos Estruturais) da UFRGS, onde foram verificados os seguintes desempenhos:

– Resistência mecânica, ensaio de corpo mole;

– Resistência mecânica, ensaio de corpo duro;

– Resistência à compressão axial de testemunhos;

– Estanqueidade;

– Desempenho acústico e térmico;

– Comportamento frente ao fogo.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Alice Pacheco Napoli

This work is licensed under GPL - 2009 | Powered by Wordpress using the theme aav1