junho 23rd, 2011

Paredes Diafragma Moldadas in loco: Etapas de Execução

As paredes diafragma moldadas in loco são formadas por painéis, também chamados de lamelas, que se encaixam uns nos outros através de ranhuras laterais (o chamado sistema “macho-e-fêmea”). As paredes diafragma servem como contenção do solo e têm como vantagens a boa adaptação ao projeto arquitetônico, não causando modificações no terreno – e conseqüentemente não trazendo prejuízo aos vizinhos -, a existência de pouca ou nenhuma vibração durante o processo de construção e o alcance a níveis abaixo da linha do lençol freático ou “linha d’água”.

Os painéis têm dimensões variadas: suas espessuras ficam entre 30 e 120 centímetros e sua profundidade pode alcançar os 50 metros. Na obra em questão, têm espessura de 40 centímetros e atingiram a profundidade de 20 metros. Em relação à largura, as lamelas podem ficar entre 2,50 e 3,20m centímetros. Painéis menores são mais estáveis, necessitam de um tempo menor de escavação e concretagem, e são indicados para solos com baixa capacidade de suporte. Já os painéis mais largos são indicados para paredes diafragma atirantadas – como no caso em questão -, uma vez que, quanto mais largo for o painel, menor a quantidade de juntas e de tirantes necessários.

Etapas de execução:

  1. Execução de “paredes-guia”: muros em concreto armado que percorrem todo o contorno da parede, com a profundidade de 110 cm na obra visitada, servindo de guia para a escavação e dando estabilidade superior aos painéis;
  2. Retirada de terra de dentro dos painéis: escavação através de uma diafragmentadora, constituída por um guindaste equipada com Clam Shell’s com a espessura da lamela, até a altura desejada;
  3. Injeção de lama bentonítica: simultaneamente à retirada de terra, permitindo que o terreno fique estável ao ser escavado e evitando o desmoronamento das paredes da escavação;
  4. Colocação da armadura da parede diafragma;
  5. Concretagem dos painéis: preenchimento dos painéis de baixo para cima, com a conseqüente expulsão da lama bentonítica, que é bombeada de volta aos reservatórios.  Na maioria dos casos, há simultaneidade dos processos de concretagem das lamelas e escavação, realizados em painéis alternados, dividindo o processo em etapas de acordo com a profundidade da parede.
  6. Perfuração da cortina para colocação dos tirantes, através de uma perfuratriz;
  7. Colocação dos tirantes em cordoalhas de aço e seu posterior tensionamento através de macaco hidráulico.

 

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens dos alunos Maria Lourdes Brizuela de Seadi e Adriano Ledur

0 Comments »

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Leave a comment

You must be logged in to post a comment.

This work is licensed under GPL - 2009 | Powered by Wordpress using the theme aav1