outubro 28th, 2013

Porcelanato de Grandes Dimensões: assentamento da primeira linha

As placas cerâmicas de grandes dimensões apresentam algumas particularidades e dificuldades em seu assentamento. Como o material é pouco poroso, a argamassa de assentamento necessita ser especial para esse tipo de piso. Especialmente no caso do porcelanato de grandes dimensões se indica a utilização de argamassa industrializada de classificação AC III (NBR 14081). Além disso, o perfeito nivelamento do contrapiso é muito importante para que se atinja um bom resultado final.

Abaixo segue o passo a passo observado na aplicação de peças de porcelanato na dimensão de 1×1 metro em um edifício residencial.

– Marcação do alinhamento da primeira fila de placas com utilização de fio de nylon;

– Limpeza e umidificação do contrapiso, a fim de impedir que a poeira prejudique o desempenho da argamassa;

– Aplicação da argamassa no piso utilizando  a colher de pedreiro;

– Com a desempenadeira dentada faz-se sulcos e cordões na argamassa espalhada no piso;

– Aplicação argamassa colante no verso das peças de porcelanato, formando uma dupla camada (piso e peça);

– Aplicação das peças, que são pressionadas e batidas com martelo de borracha até o amassamento dos cordões;

– São utilizados espaçadores plásticos de piso (cruzeta) para deixar a distância do rejunte regular entre as peças.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Priscila Schwengber e, ainda,
TCC de Daniela Andrade de Souza.
(http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/28559/000769509.pdf?sequence=1).

				
setembro 26th, 2013

Forro de gesso

O forro de gesso do tipo comum é bastante utilizado em residências e obras de menor porte. As placas possuem um tamanho padrão de 60x60cm e, de acordo com a necessidade, são cortadas em obra para se adaptarem às medidas do projeto.

Nesta obra, o operário marcou na placa o tamanho a ser obtido e, com o auxílio de um sarrafo (utilizado como régua), fez a marcação na mesma, para que em seguida fosse cortada com um serrote.

As placas foram puncionadas na posição de colocação dos pendurais de arame e, em seguida, com um serrote menor, foram feitas ranhuras para estes se acomodarem. As placas foram penduradas na laje através de pitões previamente fixados. Depois de alinhadas, foram fixadas entre si por uma mistura de gesso e fibra de sisal, colocada na parte superior das juntas. Essa cola garante a rigidez entre as placas, para que as mesmas não se desloquem.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Flávia Magalhães Oliveira e colaboração de Isis Fogaça.

junho 7th, 2013

Reboco projetado

O reboco projetado, que consiste na técnica de rebocar paredes com argamassa projetada por máquina, vem sendo utilizado com maior frequência na construção civil. Garantindo maior rapidez na execução, melhor uniformidade e produtividade, as diversas vantagens apresentadas por este método fazem com que empresas optem pela substituição da mão de obra convencional pela máquina.

Vantagens:
– Melhor compactação da massa na superfície;
– Menor quantidade de volume aplicado;
– Maior garantia de uniformidade;
– Maior resistência de aderência da argamassa;
– Maior produtividade;
– Rapidez na execução;

Na obra analisada, a aplicação do reboco projetado contou com cinco funcionários, além da máquina de projeção. Enquanto um deles é responsável pelo manuseio da máquina, sua ligação à eletricidade, nível da água e colocação do pó para argamassa, outro faz a projeção da mistura já pronta na superfície, controlando uma mangueira e lançando o conteúdo na parede. Um terceiro funcionário fica encarregado de passar a régua para homogeneizar e nivelar a camada já aplicada na parede, e os dois trabalhadores restantes realizam o acabamento, com o auxílio da colher de pedreiro completando trechos de argamassa não nivelada ou que se desprendeu depois da passagem da régua. Por último, o mesmo funcionário responsável pelo nivelamento com régua retorna ao local para realizar o acabamento final com desempenadeira elétrica. Vale ressaltar que, em teoria, o método não necessita de chapisco, porém nesta obra o mesmo foi feito previamente ao reboco com a mesma máquina, apenas com uma maior dosagem de água. Esta etapa foi efetuada pois a superfície a receber o reboco era de bloco cerâmico liso, que não obtém muita aderência, portanto o chapisco foi feito apenas como prevenção.

O método demonstrou ser eficiente e rápido, pois os funcionários que realizaram o reboco projetado necessitaram de aproximadamente 15 minutos para finalizar uma parede – no caso, de 2,50m x 10m –, sendo que os mesmos informaram que, através do método convencional, demorariam cerca de 3 horas.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Louise Serraglio

janeiro 3rd, 2013

Módulos Industrializados: sistema Fast Flex

A construção com módulos industrializados tem se tornado cada vez mais frequente devido às exigências cada vez maiores do mercado em busca de rapidez na construção de edificações. Atendendo principalmente as obras que possuem prazo reduzido, este sistema oferece, além da rapidez na execução, redução dos custos gerais, adaptabilidade a situações diversas, flexibilidade para composição de elementos construtivos industrializados e boa qualidade final da edificação.
O sistema Fast Flex é um exemplo de módulos industrializados que permite composições flexíveis e adaptáveis a cada caso. Constituída em módulos de 3x6m, possui variadas composições horizontais e verticais.

Vantagens:
Mobilidade e remoção – prédios inteiros podem ser removidos e transportados;
Rapidez de montagem – possui elementos modulares já fabricados, de fácil transporte e montagem;
Expansão ou redução – a partir de um módulo único, é possível aumentar ou reduzir a edificação, acrescentando ou retirando módulos;

Elementos de composição:
Estrutura – perfis e encaixes em aço galvanizado
Paredes – constituídas por painéis sanduíches, compostos de duas chapas de aço galvanizada, com núcleo termo-acústico em poliuretano ou lã de rocha. Além disso, possui opção por painéis GRC (concreto reforçado por fibras de vidro), que são resistentes ao fogo, isolantes térmicos e acústicos, de montagem simples e sem necessidade de revestimentos adicionais.
Paredes internas – painel sanduíche, painéis Wall, ou gesso acartonado
Cobertura – composta por telha metálica trapezoidal com isolamento termo-acústico

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Renata Berger da Silva

dezembro 1st, 2012

Calfinagem

Calfinagem é o processo de acabamento de paredes internas e externas com cal fina (popularmente calfina), que é uma argamassa composta por cal de boa qualidade e agregado miúdo (areia fina). No Brasil, é mais usado em sua forma virgem (cal virgem + areia), em sua cor branca original. Aplicada sobre paredes no reboco cru, a calfinagem preenche irregularidades e substitui a massa corrida.

Principais vantagens:
Substitui a aplicação de massa corrida;
Resistente à umidade;
Acabamento liso, espelhado e marmorizado;
Econômico se comparado à massa corrida.

Desvantagem:
Não admite retoque; caso estes se fizerem necessários, deverá ser utilizada massa corrida.

Durante o acompanhamento da obra exemplificada nas fotos a seguir, foi possível observar a aplicação da cal fina na parede. A cal fina é aplicada com uma desempenadeira metálica limpa, geralmente em cinco camadas. O acabamento foi feito ao final da aplicação, com a mesma desempenadeira metálica utilizada anteriormente, em movimentos de baixo para cima, produzindo um efeito espelhado na superfície. Em pequenas regiões, como acima de portas, a cal fina foi aplicada de cima para baixo para a argamassa não acumular no encontro com a laje.
Após a secagem final, foi passado um selador sobre a parede para a posterior aplicação de tinta.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Taise Brusamarello

outubro 26th, 2011

Revestimento com argamassa monocapa

A monocapa é um tipo de argamassa decorativa para fachadas e paredes. Além de oferecer funções de proteção e decoração em um único produto, também apresenta vantagens pela redução de custo e de tempo na obra. Pode ser utilizada como argamassa para ser aplicada diretamente sobre a alvenaria tendo inúmeras utilizações com bons resultados e efeitos originais.

A monocapa reduz as etapas e os custos do sistema de construção tradicional, pois elimina o método de multicamadas (chapisco, emboço, reboco e pintura). Este novo sistema poupa estas etapas tradicionais dando velocidade ao canteiro de obra, resultando em alta produtividade e eficiência nos revestimentos.

Nesta obra acompanhada no segundo semestre de 2011, foi possível observar a execução das fachadas com argamassa monocapa, de acordo com a seguinte ordem de procedimentos:

1 – Os operários misturam a argamassa monocapa com água, colocando 75% da água necessária para cada saco, depois adiciona-se gradativamente o pó, e por último os 25% restantes de água. Após, o pó e a água foram misturados no misturador de baixa velocidade durante 2 minutos.

2 – A argamassa monocapa já preparada foi levada pelo elevador de carga para os operários aplicarem nas fachadas.

3 – A monocapa é aplicada diretamente sobre os blocos de concreto, o que facilita e agiliza a execução do revestimento da fachada. As únicas partes que precisam de chapisco são as vigas de concreto moldadas “in loco”. Na obra utilizou-se o chapisco rolado industrializado, que é comprado em pó e misturado no canteiro com água. Ele é aplicado com rolo de textura alta.

4 – Aplicou-se então a primeira camada da argamassa decorativa com uma desempenadeira. Em seguida foi aplicada outra camada da argamassa, seguindo o mesmo procedimento, sempre com a desempenadeira.

5 – Depois de aproximadamente uma semana aplicou-se uma nova camada da mesma mistura de monocapa, porém desta vez com uma máquina à compressão que dará uma textura rugosa à fachada. Depois da aplicação desta última camada o acabamento foi feito passando uma colher de pedreiro ou uma desempenadeira sobre a argamassa recém aplicada para alisá-la e fazer o acabamento final.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Beatrice Haffner Silva

This work is licensed under GPL - 2009 | Powered by Wordpress using the theme aav1