junho 19th, 2015

ALVENARIA RACIONALIZADA: PRIMEIRA FIADA

A correta execução da primeira fiada da alvenaria racionalizada garante a qualidade dos serviços subsequentes.

Inicialmente deve ser feita uma limpeza superficial no pavimento, removendo-se resíduos de todas as superfícies (Figura 1). É necessário, ainda, lavar e escovar as estruturas quando foi utilizado qualquer tipo de desmoldante nas fôrmas.

Antes de executar a primeira fiada de alvenaria, deve ser instalada a linha de vida e removido o guarda-corpo de proteção, após a completa instalação da linha de vida suspensa. Neste caso específico, não foram observadas as recomendações de segurança.

São utilizados chapisco e telas metálicas eletrossoldadas para solidarizar e permitir uma perfeita aderência entre a alvenaria e as estruturas de concreto armado. O chapisco deve ser efetuado no mínimo 3 dias antes do início da alvenaria (tempo de cura). Posteriormente, são fixadas as telas metálicas.

A alvenaria de vedação segue a racionalidade de um projeto de coordenação modular. Deve-se obter as coordenadas exatas do ponto de lançamento inicial. Para tal, instala-se uma linha guia de nylon (Figura 2), que serve como orientação para a fixação de um bloco referencial e pelo qual se nivelarão todos os blocos da primeira fiada (Figura 3). O posicionamento deve ser conferido, com o auxílio de uma régua metálica (Figura 4).

Esse bloco referencial deve ser lançado inicialmente, nos extremos de panos de paredes, vãos de portas, e nas intersecções entre as paredes.

Após, são fixados com argamassa de assentamento na laje (Figura 5 e 6), e em seguida os vãos entre eles são preenchidos com blocos (Figura 7), assegurando-se uma distribuição com intervalo regular. O alinhamento é conferido novamente com uma régua metálica, garantindo a planicidade da primeira fiada (Figura 8).

Com o processo de assentamento finalizado (Figura 9 e 10), o excesso de argamassa é removido, podendo dar início ás fiadas subsequentes.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Caroline Bariviera.

junho 4th, 2011

Execução de Alvenaria: encunhamento

O encontro entre a alvenaria de vedação e a estrutura de concreto do pavimento superior é uma região onde podem ocorrer fissuras. Isso acontece, pois a estrutura pode transmitir os esforços aos quais está submetida para a alvenaria e também, pela retração da argamassa quando esta seca.

Para prevenir as fissuras, é necessário empregar materiais e técnicas que possam absorver estes esforços e maximizar a aderência entre estas partes da construção. O encunhamento com argamassa expansiva é uma destas soluções e deve ser utilizado quando a estrutura é pouco deformável.

Para sua execução, a alvenaria deve ter sido concluída há no mínimo 14 dias, e a superfície deve estar totalmente limpa, sem qualquer tipo de pó, óleo, eflorescências ou outros materiais que prejudiquem a aderência. O encunhamento deve ser realizado de cima para baixo, com intervalo mínimo de 24 horas entre os pavimentos, de maneira a dar tempo para a estrutura se deformar.

A argamassa expansiva é uma mistura seca comprada pronta em sacos de 50kgs. No canteiro de obras é adicionada água, em quantidade definida pelo fabricante (em média 7 litros), sendo trabalhada em betoneira, em argamasseira ou manualmente, por alguns minutos. A folga deixada entre a alvenaria e a estrutura – de 2 a 3 cm – é preenchida em cada um dos lados com uma colher de pedreiro. O excesso é retirado com a própria colher.

 Para melhorar a aderência entre a argamassa expansiva e as partes de concreto da edificação, costuma-se usar o chamado “chapisco rolado”, constituído de uma mistura seca em pó a base de cimento, polímero, agregados minerais e aditivos, comprada pronta em sacos e misturado com água no canteiro de obras. Na aplicação, utiliza-se um rolo de lã, para criar textura.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Angélica Diemer Crusius

junho 4th, 2011

Execução de Alvenaria: elevação das paredes

A execução das alvenarias de blocos cerâmicos, após os procedimentos iniciais de locação de eixos, prumos e vãos, requer observar procedimentos que garantirão sua qualidade.

1. Elevação das paredes

Para fazer a execução de alvenarias, conforme ela vai sendo levantada, deve ser feita a verificação do alinhamento vertical, através do prumo, e do alinhamento horizontal, através do escantilhão*, de preferência a cada 3 ou 4 fiadas em toda a extensão da parede. O assentamento é feito até a altura aproximada de 1,5m, quando ocorre a montagem de andaime para alcançar as fiadas superiores.

Entre cada bloco ou tijolo deve haver juntas verticais e horizontais de 10 a 15mm preenchidas com argamassa. Dimensões menores para as juntas fazem com que a alvenaria absorva pouco as deformações as quais está submetida, e valores maiores fazem com que a parede tenha perda de resistência, além de gerar desperdício de argamassa.

 2. Encontro entre paredes e estrutura

Aqui se ilustra uma maneira bastante usada para fazer a amarração entre a alvenaria e os pilares: utilização de telas soldadas aparafusadas no pilar. Esta amarração é fixada entre fiadas na argamassa de assentamento e se faz a cada duas fiadas, aproximadamente.

Além disso, pode-se observar um reforço na aderência entre alvenarias e as partes de concreto, pois estas recebem uma demão do chamado “chapisco rolado”, constituído de uma mistura seca em pó a base de cimento, polímero, agregados minerais e aditivos, comprada pronta em sacos e misturado com água no canteiro de obras. Na aplicação, utiliza-se um rolo de lã, para criar textura.

 3. Encontro das paredes com as tubulações elétricas

Nos pontos onde a alvenaria encontra as tubulações, por onde passarão fiações elétricas, esses canos são cortados o mais perto possível da viga para se conseguir executar as últimas fiadas.

 4. Execução de vergas de portas

As vergas das portas, neste caso, foram construídas através do assentamento de peças de concreto pré-moldadas em canteiro sobre os topos de parede que conformam o vão em osso. Sobre estas, executa-se a alvenaria normalmente, até a altura desejada.

* Escantilhão é o nome do perfil de madeira ou metálico posicionado verticalmente nas extremidades de vãos ou paredes, de modo a limitar esta extensão e garantir uma referência de prumo para as alvenarias que estão sendo levantadas.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Angélica Diemer Crusius

maio 16th, 2011

Execução de Alvenaria: Processos Iniciais

Prazos mínimos para início da alvenaria:

– A concretagem do pavimento onde será levantada a alvenaria deve ter sido executada no mínimo há 45 dias;

– O escoramento da laje de piso deve ter sido retirado no mínimo há 15 dias;

– O escoramento da laje do pavimento superior deve ter sido totalmente retirado;

– A execução do chapisco deve ter sido realizada há pelo menos 3 dias antes do início da execução da alvenaria.

 Etapas iniciais de execução de alvenaria em blocos cerâmicos:

  1. Liberação da estrutura de concreto – verificação de defeitos de posicionamento, alinhamento e prumos. Havendo a necessidade, eles devem ser corrigidos. Nesta etapa, ocorre também a limpeza da estrutura, assim como a execução do chapisco nas partes de concreto que entram em contato com a alvenaria, de maneira a melhorar a aderência entre estas.
  2. Locação da alvenaria – no caso de utilização de tijolos, isso ocorre através da transferência dos eixos dos pilares para o eixo das vigas, e destas para o piso onde será executada a parede. A marcação na laje é feita com giz valendo-se de réguas e fios de prumo.
  3. Execução da primeira fiada – a laje é inicialmente molhada na linha em que receberá a alvenaria. A argamassa é aplicada sobre o piso neste alinhamento e na lateral e embaixo do tijolo, que é assentado sobre a linha de argamassa da laje, repetindo-se o procedimento até terminar a primeira fiada. Primeiro são colocados os tijolos de extremidades e depois os intermediários. Como a laje pode estar desnivelada, recomenda-se nivelar a face superior dos tijolos da primeira fiada, ou seja, corrigir os desníveis da laje na argamassa que ficará entre ela e a primeira fiada.
  4. Marcação de vãos de portas – podem ser utilizados dois tijolos sem argamassa de assentamento somente para marcação, um em cada lado, delimitando o vão em osso. Começa-se, então, a assentar os tijolos da primeira fiada a partir dos encontros de outras paredes até chegar próximo ao vão em questão. Neste momento, assentam-se os tijolos das laterais do vão da porta, posicionando-os ao lado da marcação. O espaço que sobra entre estes e o restante da alvenaria é preenchido com outro tijolo, que é cortado de acordo com o espaço necessário. Antes de assentar o tijolo limite da outra lateral deve ser feita a conferência do vão em osso, através de trena, a fim de garantir as dimensões especificadas em projeto.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Angélica Diemer Crusius

junho 10th, 2010

Racionalização de alvenaria

O desenvolvimento tecnológico do bloco cerâmico possibilita que hoje sejam feito edifícios de mais de 10 pavimentos com alvenaria portante. Esse aperfeiçoamento veio acompanhado de um aumento do custo do material; a prática da racionalização da alvenaria tem o objetivo de minimizar o desperdício e, desse modo, diminuir o custo de construção.

MÉTODO

Um método utilizado é o Kanban que consiste na criação de pranchas esquemáticas/placas gráficas da distribuição dos blocos cerâmicos em elevação, para cada uma das paredes da construção. A placa contém a imagem de cada tipo de bloco cerâmico utilizado e suas quantidades para aquela elevação.  A presença da imagem tem a finalidade de agilizar a identificação do material para sua seleção, transporte e colocação, bem como facilitar a assimilação do projeto por parte dos trabalhadores.

Os blocos saem do depósito da obra exatamente na quantidade e tipo necessário para a execução das alvenarias que serão erigidas a cada etapa. No pavimento correspondentes, são distribuídos em porções individualizadas para cada uma das elevações e localizadas de forma a facilitar seu manuseio por parte dos pedreiros. São identificadas com placas indicando à qual vista (elevação) aqueles blocos pertencem, não havendo mistura entre blocos de uma parede e outra.

QUANTIFICAÇÃO

A quantificação dos blocos de cada elevação é feita através de um projeto especial de paginação de alvenaria. Mesmo assim é feito um protótipo, ou seja, um primeiro pavimento experimental, verificando sua coerência com o projeto, o percentual de perda que ocorre, o tempo de execução. Esses dados servem para otimizar e corrigir os procedimentos para a construção de alvenarias nos demais pavimentos.

VANTAGENS

• minimização de desperdício

• minimização de resíduos (quebras)

• redução de custo

• fácil assimilação da mão de obra.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens do aluno Gabriel Giambastiani

This work is licensed under GPL - 2009 | Powered by Wordpress using the theme aav1