junho 7th, 2013

Reboco projetado

O reboco projetado, que consiste na técnica de rebocar paredes com argamassa projetada por máquina, vem sendo utilizado com maior frequência na construção civil. Garantindo maior rapidez na execução, melhor uniformidade e produtividade, as diversas vantagens apresentadas por este método fazem com que empresas optem pela substituição da mão de obra convencional pela máquina.

Vantagens:
– Melhor compactação da massa na superfície;
– Menor quantidade de volume aplicado;
– Maior garantia de uniformidade;
– Maior resistência de aderência da argamassa;
– Maior produtividade;
– Rapidez na execução;

Na obra analisada, a aplicação do reboco projetado contou com cinco funcionários, além da máquina de projeção. Enquanto um deles é responsável pelo manuseio da máquina, sua ligação à eletricidade, nível da água e colocação do pó para argamassa, outro faz a projeção da mistura já pronta na superfície, controlando uma mangueira e lançando o conteúdo na parede. Um terceiro funcionário fica encarregado de passar a régua para homogeneizar e nivelar a camada já aplicada na parede, e os dois trabalhadores restantes realizam o acabamento, com o auxílio da colher de pedreiro completando trechos de argamassa não nivelada ou que se desprendeu depois da passagem da régua. Por último, o mesmo funcionário responsável pelo nivelamento com régua retorna ao local para realizar o acabamento final com desempenadeira elétrica. Vale ressaltar que, em teoria, o método não necessita de chapisco, porém nesta obra o mesmo foi feito previamente ao reboco com a mesma máquina, apenas com uma maior dosagem de água. Esta etapa foi efetuada pois a superfície a receber o reboco era de bloco cerâmico liso, que não obtém muita aderência, portanto o chapisco foi feito apenas como prevenção.

O método demonstrou ser eficiente e rápido, pois os funcionários que realizaram o reboco projetado necessitaram de aproximadamente 15 minutos para finalizar uma parede – no caso, de 2,50m x 10m –, sendo que os mesmos informaram que, através do método convencional, demorariam cerca de 3 horas.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Louise Serraglio

maio 24th, 2013

Execução detalhes de fachada

Friso rebaixado

Com o reboco externo recém-terminado, foi marcado o nível do friso rebaixado que, neste caso, coincidia com a linha das vergas das janelas.

O funcionário estendeu uma linha de nível entre duas marcações e, abaixo desta linha, entre as aberturas, fixou pregos nos quais apoiou a régua frisadora. Esta régua apresenta uma ranhura da largura do friso, pela qual se passa o frisador – instrumento que secciona e vai removendo uma parte do reboco da fachada, na altura e profundidade desejadas.

As arestas e superfícies internas do friso rebaixado foram regularizadas com uma pequena desempenadeira de madeira, salpicando-se água para obter maior trabalhabilidade. O funcionário finalizou o procedimento passando uma esponja úmida, que deixou a superfície acabada e lisa.

Acabamento lateral do quadro das janelas

Para a execução do acabamento lateral do quadro das janelas, uma régua de alumínio foi alinhada com o friso já executado e com o contramarco existente e, ainda, verificado em relação à linha de prumo geral (que alinha todas as aberturas daquela prumada). A régua foi, então, fixada com grampos metálicos, servindo de gabarito para a espessura do reboco.

O funcionário preencheu o vão entre o contramarco e o gabarito com uma mistura de argamassa, cimento e água. Os excessos do reboco foram removidos com uma régua metálica. Foi salpicada água, para maior trabalhabilidade, e então, passada uma desempenadeira e, por fim, uma esponja, garantindo assim um bom acabamento.

Com o auxílio de uma espátula metálica e um esquadro, o funcionário executou um pequeno corte no canto inferior lateral, para o encaixe do parapeito que lá será instalado.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Bárbara Ruschel Lorenzoni.

outubro 19th, 2010

Execução de Reboco Convencional

A técnica convencional de reboco consiste na aplicação de três camadas de argamassa: chapisco, emboço, reboco. O chapisco é a primeira camada, mais irregular, cuja função é garantir maior aderência às camadas posteriores e é feita com a argamassa grossa sendo atirada na parede com a colher de pedreiro. O emboço, feito com argamassa grossa, regulariza a superfície. A terceira camada, o reboco, é feita com argamassa fina que define melhor a angulação de vértices, no encontro entre paredes, e uma textura mais fina para sua superfície. Argamassa fina ou grossa é definida pela granulação da areia utilizado na sua composição.

Fissuras no Reboco

Nas superfícies em que existem elementos de concreto rebocados, pilares ou vigas, é comum aparecerem pequenas fissuras entre estes e as alvenarias de tijolos cerâmicos. Isso se deve ao fato de que o concreto absorve mais água e mais rapidamente do que a cerâmica, podendo ocasionar fissuras no reboco sobre a junção entre estes dois materiais.

Também é comum que apareçam fissuras no reboco externo que se devem à sua própria constituição, uma vez que este emprega menos cal e mais cimento que a argamassa do reboco interno, pelo fato da superfície exterior estar exposta à intempéries. Algumas construtoras utilizam argamassas mais sofisticadas, em que agregam fibras (naturais ou de restos industriais de fibra de vidro, borracha ou polipropileno). Estes agregados visam principalmente melhorar seu desempenho mecânico, prevenindo fissuras, suportando rebocos espessos ou que receberão revestimentos pesados, como elementos cerâmicos ou pastilhas de vidro.

Produtividade estimada para reboco interno/externo
Superfície interna:  26m² / dia de trabalho / dupla de operários
Superfície externa:- 2m lineares de fachada / dia / equipe de trabalho, sendo o número de equipes/balancins conforme perímetro do edifício

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens do aluno Gabriel Giambastiani

This work is licensed under GPL - 2009 | Powered by Wordpress using the theme aav1