abril 26th, 2013

Carpete com Manta Acústica

Os carpetes, apesar de não serem muito empregados atualmente, apresentam características que podem indicar sua utilidade em situações específicas. Além da variedade de texturas e estilos, adaptam-se a diferentes ambientes, proporcionam segurança e conforto à pisada, têm características térmicas e acústicas, boa durabilidade e baixo custo.
Neste caso específico, o conforto e o isolamento acústico foram incrementados a partir da instalação de uma manta de espuma de látex sob o carpete.

Instalação:

– Primeiramente, ripas de madeira pré-cortadas foram posicionadas em todo o perímetro do ambiente, ficando aproximadamente 10mm afastadas da parede.
– A seguir, colocou-se uma manta de látex (também pode ser empregado o feltro), cobrindo todo o piso. Esta foi posicionada sempre no mesmo sentido, otimizando seu aproveitamento.
– Após instalada a manta de látex, posicionou-se o carpete sobre ela, deixando-o um pouco maior que o cômodo e garantindo assim o acabamento junto ao rodapé.
– Posicionou-se uma fita colante ao longo de todas as emendas da manta de carpete, fixando-se as bordas deste ao chão, durante o processo de instalação, a fim de evitar seu deslocamento.
– Utilizando uma ferramenta específica, a fita foi aquecida e a cola fundiu-se, unindo assim as duas mantas. Quando a junta solidificou, os pregos previamente colocados foram removidos.
– O próximo passo foi esticar o carpete, partindo de um lado do cômodo em direção à parede oposta, onde o revestimento foi preso em grampos fixados anteriormente nas ripas de madeira.
– Finalmente, foi feito o arremate das bordas do carpete, encaixando-as no pequeno vão deixado entre a ripa e a parede, e o rodapé foi instalado sobre o carpete.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens do aluno Mathias Sant’Anna

dezembro 1st, 2012

Calfinagem

Calfinagem é o processo de acabamento de paredes internas e externas com cal fina (popularmente calfina), que é uma argamassa composta por cal de boa qualidade e agregado miúdo (areia fina). No Brasil, é mais usado em sua forma virgem (cal virgem + areia), em sua cor branca original. Aplicada sobre paredes no reboco cru, a calfinagem preenche irregularidades e substitui a massa corrida.

Principais vantagens:
Substitui a aplicação de massa corrida;
Resistente à umidade;
Acabamento liso, espelhado e marmorizado;
Econômico se comparado à massa corrida.

Desvantagem:
Não admite retoque; caso estes se fizerem necessários, deverá ser utilizada massa corrida.

Durante o acompanhamento da obra exemplificada nas fotos a seguir, foi possível observar a aplicação da cal fina na parede. A cal fina é aplicada com uma desempenadeira metálica limpa, geralmente em cinco camadas. O acabamento foi feito ao final da aplicação, com a mesma desempenadeira metálica utilizada anteriormente, em movimentos de baixo para cima, produzindo um efeito espelhado na superfície. Em pequenas regiões, como acima de portas, a cal fina foi aplicada de cima para baixo para a argamassa não acumular no encontro com a laje.
Após a secagem final, foi passado um selador sobre a parede para a posterior aplicação de tinta.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Taise Brusamarello

novembro 7th, 2010

Assentamento de Piso de Porcelanato

O porcelanato é um tipo de revestimento cerâmico fabricado em processo de queima com alta temperatura. Sua absorção de água é baixa, menos de 0,1%. A quantidade e diversidade das peças fabricadas tem se ampliado, sendo que sua tecnologia possibilita a reprodução de pedras naturais com características técnicas superiores.

Nesta postagem demonstramos o assentamento de um piso de porcelanato na sala de um apartamento, cuja execução obedece às seguintes etapas:

01. Leitura do projeto de paginação do piso. Identificação do local de início da colocação (alinhamento referencial das peças) e onde incidirão recortes e detalhes;

02. Preparação da argamassa de assentamento. A maioria dos fabricantes de porcelanato também fornece suas próprias argamassas de assentamento. Estas são compostas, basicamente, de cimento, areia e aditivos e são vendidas em pó, que deve ser misturado com água seguindo as instruções específicas;

03. Colocação da argamassa de assentamento. Uma pequena quantidade de argamassa é espalhada por uma espátula dentada, sobre o contrapiso regularizado, primeiro em uma direção e depois na outra, várias vezes, formando vincos. Estes garantem uma boa aderência à face posterior do porcelanato e evitam sobras sobre a peça, quando esta é pressionada sobre a argamassa;

04. Assentamento do porcelanato. Após esperar alguns minutos para obter a “pega” (tempo indicado pelo fabricante da argamassa, em que esta desenvolve sua plasticidade e propicia melhor fixação), é colocada a cerâmica cuidadosamente sobre essa base. Para fixar a peça e nivelá-la é utilizado um martelo de borracha. Eventuais excessos de argamassa devem ser removidos imediatamente com uma esponja úmida.

05. Regularização de juntas. A regularidade entre as juntas das peças cerâmicas pode ser obtida pelo emprego de distanciadores tipo cruzetas plásticas, existentes em diferentes espessuras no mercado, garantindo assim que todas tenham a mesma dimensão. As cruzetas são encaixadas nos cantos das peças já assentadas e guiam a colocação das novas peças. Nessa obra foram feitas juntas de 1mm.

06. Recorte do porcelanato. A modulação das peças nem sempre é a mesma do espaço onde serão assentadas, sendo necessários recortes para completar a pavimentação. O local do corte linear é marcado na superfície da cerâmica com uma serra de diamante e assim se facilita a quebra da peça, produzida por simples flexão da mesma.

07. Acabamento final. Após o assentamento de todo o piso deve-se esperar que a argamassa de assentamento seque (entre 1 e 2 dias, dependendo da procedência) para então aplicar o rejunte.

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens da aluna Márcia Gonçalves Heck

outubro 19th, 2010

Execução de Reboco Convencional

A técnica convencional de reboco consiste na aplicação de três camadas de argamassa: chapisco, emboço, reboco. O chapisco é a primeira camada, mais irregular, cuja função é garantir maior aderência às camadas posteriores e é feita com a argamassa grossa sendo atirada na parede com a colher de pedreiro. O emboço, feito com argamassa grossa, regulariza a superfície. A terceira camada, o reboco, é feita com argamassa fina que define melhor a angulação de vértices, no encontro entre paredes, e uma textura mais fina para sua superfície. Argamassa fina ou grossa é definida pela granulação da areia utilizado na sua composição.

Fissuras no Reboco

Nas superfícies em que existem elementos de concreto rebocados, pilares ou vigas, é comum aparecerem pequenas fissuras entre estes e as alvenarias de tijolos cerâmicos. Isso se deve ao fato de que o concreto absorve mais água e mais rapidamente do que a cerâmica, podendo ocasionar fissuras no reboco sobre a junção entre estes dois materiais.

Também é comum que apareçam fissuras no reboco externo que se devem à sua própria constituição, uma vez que este emprega menos cal e mais cimento que a argamassa do reboco interno, pelo fato da superfície exterior estar exposta à intempéries. Algumas construtoras utilizam argamassas mais sofisticadas, em que agregam fibras (naturais ou de restos industriais de fibra de vidro, borracha ou polipropileno). Estes agregados visam principalmente melhorar seu desempenho mecânico, prevenindo fissuras, suportando rebocos espessos ou que receberão revestimentos pesados, como elementos cerâmicos ou pastilhas de vidro.

Produtividade estimada para reboco interno/externo
Superfície interna:  26m² / dia de trabalho / dupla de operários
Superfície externa:- 2m lineares de fachada / dia / equipe de trabalho, sendo o número de equipes/balancins conforme perímetro do edifício

Matéria elaborada a partir de pesquisa e imagens do aluno Gabriel Giambastiani

This work is licensed under GPL - 2009 | Powered by Wordpress using the theme aav1