Faced e Instituto de Letras promovem Setembro Azul na UFRGS

Com o objetivo de valorizar a cultura e identidade da comunidade surda, os aspectos do movimento e divulgar a Língua Brasileira de Sinais (Libras), a Faculdade de Educação, o Instituto de Letras e o Núcleo de Inclusão e Acessibilidade (Incluir) promovem o Setembro Azul, Mês do Orgulho Surdo na UFRGS.

A Universidade oferece desde 2016 o curso Letras/Bacharelado, com formação em tradutor e intérprete de Libras. Além disso, há uma década, todo o aluno de licenciatura cursa a disciplina de Libras na Faced. Nesse contexto, a proposta do Setembro Azul faz parte da iniciativa da direção da Faculdade de Educação de promover meses temáticos para dar visibilidade às minorias e estimular o diálogo em torno de assuntos relevantes que nem sempre conseguem o merecido reconhecimento. Junto com o apoio de outras unidades de ensino, servidores da universidade se uniram com o intuito dar apoio a Cultura Surda dentro e fora da UFRGS.

Durante todo mês de setembro estão previstas inúmeras atividades nas unidades da UFRGS, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul e na Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, em bares da Cidade Baixa, e também em escolas públicas e privadas. A programação completa pode ser conferida no site da Faced. Entre os eventos, destacam-se palestras sobre Formação Continuada de Professores para Surdos, Roda de Conversas sobre Experiências de Docente com Surdos, História dos Surdos na UFRGS, Ensino de Libras para Crianças Ouvintes e Surdos filhos de Surdos, Libras no Espaço Escolar: Processos Inclusivos, Os Tradutores e a Interpretação no Brasil, Os Materiais Bilíngues na Educação de Surdos, Estudando a cultura Surda através do Cinema, Literatura Surda, Tecnologias e Terminologias dos Surdos.

Dia do Surdo – No dia 26 de setembro, comemora-se o Dia do Surdo, data institucionalizada em 2008 que valoriza as pessoas surdas do Brasil. A cor azul foi escolhida para representar o “Orgulho Surdo” e prestar homenagem a todos os que morreram depois de serem classificados como surdos, com uma fazia dessa cor amarrada ao braço, durante o nazismo alemão e a opressão enfrentada pelos surdos na atualidade.