ufrgs.png
  Ramiro Barcelos, 2400 Santa Cecília Porto Alegre, RS

Forma de Acesso ao Curso de Medicina

O processo seletivo para ingresso no curso de Medicina é anual, mas o ingresso é semestral, e se dá por duas vias: o Concurso Vestibular (CV) Unificado da UFRGS, que contempla 50% das vagas, e o Sistema de Seleção Unificada (SISU), que contemplas os outros 50% das vagas. São oferecidas 140 (cento e quarenta) vagas anualmente, metade em cada semestre.  Cabe salientar que tanto o processo seletivo SISU quanto o CV possuem um índice de 50% de suas respectivas vagas destinadas à reserva de vagas para as Ações Afirmativas. Há também o ingresso extravestibular, que ocorre mediante edital específico e é destinado ao preenchimento de vagas abertas em razão de evasão, sendo que tal edital, para Medicina, é aberto esporadicamente, já que temos um índice de concluintes superior a 90% do número de ingressantes.

O CV UFRGS é anual, em 2018, houve 8.215 inscritos para o curso de Medicina, com uma densidade de 83,83 candidatos por vaga. Em acordo com a política da UFRGS, 50% das vagas são reservadas às políticas afirmativas. As médias de aprovação do último colocado aprovado em Medicina para o acesso universal, estudante de escola pública e estudante de escola pública com baixa renda são as mais altas do ingresso na UFRGS, superando todas as demais inclusive no acesso universal. Nas cotas étnicas as médias de aprovação do último colocado são igualmente as médias mais altas para acesso por cotas, superando médias de acesso universal de vários outros cursos. Esses dados dão conta de que a Graduação em Medicina não é apenas o mais procurado da Universidade, como tem os candidatos melhores preparados de acordo com as notas de classificação dos ingressantes nos processos seletivos regulares da UFRGS.

No ingresso via SISU, a seleção é feita pelo MEC (http://sisu.mec.gov.br) que se vale da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Para aprovação na UFRGS, pelo SISU é exigida a pontuação no ENEM de, no mínimo, 450 pontos em cada uma das áreas de conhecimento, e, no mínimo, de 500 pontos na redação, cabendo salientar que os ingressantes em Medicina possuem pontuações muito superiores a estas.

Tanto o processo seletivo SISU quanto o CV reservam 50% de suas respectivas vagas para as Ações Afirmativas exclusivamente para egressos do ensino médio no sistema público, A partir do ingresso de 2018, a modalidade de cota será dividida em duas novas categorias, incluindo pessoas portadoras de necessidades especiais: PcD e não-PcD.  Ao todo, são oito modalidades de classificações, para alunos egressos do sistema público de ensino médio:

  1. a) L1 - candidato com renda familiar bruta mensal igual ou inferior a 1,5 salário-mínimo nacional per capita;
  2. b) L2 - candidato com renda familiar bruta mensal igual ou inferior a 1,5 salário-mínimo nacional per capita autodeclarado preto, pardo ou indígena;
  3. c) L3 - candidato independentemente da renda familiar;
  4. d) L4 - candidato independentemente da renda familiar, autodeclarado preto, pardo ou indígena.
  5. e) L9 - candidato com renda familiar bruta mensal igual ou inferior a 1,5 salário-mínimo nacional per capita e Pessoa com Deficiência;
  6. f) L10 - candidato com renda familiar bruta mensal igual ou inferior a 1,5 salário-mínimo nacional per capita autodeclarado preto, pardo ou indígena e Pessoa com Deficiência;
  7. g) L13 - candidato independentemente da renda familiar e Pessoa com Deficiência;
  8. h) L14 - candidato independentemente da renda familiar, autodeclarado preto, pardo ou indígena e Pessoa com Deficiência.

Poderão ingressar na Universidade por essas modalidades, as pessoas com deficiência física, auditiva, visual, intelectual, transtorno do espectro autista ou com deficiência múltipla, de acordo com a legislação vigente. Caso as vagas não sejam preenchidas, elas serão destinadas, em primeiro lugar, aos candidatos da mesma modalidade, sem deficiência. Por exemplo: as vagas da modalidade L9, caso não ocupadas, são ofertadas aos demais candidatos inscritos para L1.

Os candidatos classificados nas modalidades de reservas de vagas destinadas a pretos, pardos e indígenas são convocados para comparecer perante a Comissão de Verificação da Autodeclaração Étnico-racial em data, horário e local que serão divulgados em edital próprio de convocação, conforme a política institucional. No caso dos indígenas, a comprovação da autodeclaração será feita por meio da apresentação de documentação com validação das lideranças da comunidade de origem ou das instituições da área.

 

A sistemática de entrada pelo ingresso extravestibular, no Curso de Medicina, iniciou-se em 2005. O número de alunos ingressantes por essa modalidade varia de acordo com os cálculos de evasão. Todas as formas de ingresso são normatizadas pela Comissão Permanente de Seleção (COPERSE) da UFRGS. O curso também recebe alunos por Transferência Compulsória, conforme Resolução 11/2013 do CEPE, Seção V, Art. 11.

O curso de graduação em Medicina prevê ainda a reserva de 1 (uma) vaga anual para Processo Seletivo Específico de Ingresso de Estudantes Indígenas em conformidade com a Resolução do CEPE n°61/2014 de 29 de outubro de 2014, que é disputada exclusivamente pelos estudantes indígenas do território nacional que concluíram ou estão em vias de concluir o Ensino Médio até a data prevista para a entrega de documentos em conformidade com o que estabelece a Decisão n.º 268 do CONSUN 2012 e a legislação vigente.

O estudante indígena aprovado no processo seletivo e calouro no curso de graduação em Medicina recebe apoio da UFRGS e da FAMED para a realização de seus estudos. A Universidade disponibiliza a este estudante a moradia estudantil, o Programa de Ações Afirmativas através da Pró-Reitoria de Graduação (PROGRAD) e sob supervisão da Comissão de Graduação de Medicina (COMGRAD/MED) disponibiliza a este estudante um monitor especial remunerado, que além de auxiliar o aluno indígena nos estudos, também auxilia na integração do aluno indígena na comunidade acadêmica de forma a torná-lo cada vez mais independente no seu processo educacional. A COMGRAD/MED ainda disponibiliza ao aluno indígena, um professor tutor que é responsável em acompanhar e orientar o trabalho do monitor especial, bem como acompanhar o progresso do aluno indígena nos primeiros semestres do curso.

Além disso, a FAMED/UFRGS participa do Programa de Estudantes Convênio de Graduação (PEC-G), que é uma atividade de cooperação internacional, cujo objetivo é a formação de recursos humanos, a fim de possibilitar aos cidadãos de países em desenvolvimento com os quais o Brasil mantém acordos educacionais ou culturais realizarem estudos universitários no país, em nível de graduação. O PEC-G é administrado pelo Ministério das Relações Exteriores e pelo Ministério da Educação. Conforme os artigos 73 e 74 da Resolução 11/2013 do CEPE, o Curso de Medicina ainda pode receber alunos temporários por até dois semestres letivos, de acordo com a disponibilidade de vagas, dentro do Convênio da Mobilidade Acadêmica firmado entre as Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) em abril de 2003 através da modalidade Mobilidade ANDIFES. O Curso também pode receber alunos temporários no período de internatos de outras instituições de ensino superior (IES) por até dois semestres letivos, de acordo com a disponibilidade de vagas, dentro do Convênio da Mobilidade Acadêmica denominado Aluno-Visitante, no qual também estão enquadrados os estudantes de instituições estrangeiras com as quais a UFRGS mantém convênios.

O Programa de Ações Afirmativas tem como objetivo ampliar o acesso a todos os cursos de graduação e cursos técnicos da Universidade, redimensionando teorias e metodologias acadêmicas na produção de conhecimento; promover um espaço plural, resultado de diferentes trajetórias; garantir a permanência dos alunos ingressantes por esse sistema, através de programas de bolsas, ampliação dos restaurantes universitários e moradia estudantil, aumento do acervo bibliográfico, entre outras ações.

A Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE) criada em 2012, com o objetivo de tratar dos aspectos relativos à política de atendimento à comunidade discente da UFRGS. O que move as ações da PRAE é o desenvolvimento programas e projetos voltados a integrar a comunidade estudantil à vida universitária, contribuindo, através de suas ações, para maior bem-estar dos estudantes e pela melhoria de seu desempenho acadêmico, com especial atenção aos de situação financeira insuficiente.

As principais atividades desenvolvidas pela PRAE são:

  1. a) Concessão de benefícios, tais como Bolsa Permanência, Bolsa REUNI, Moradia Estudantil, Auxílio Alimentação e Auxílio Transporte, aos estudantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica;
  2. b) Administração dos Restaurantes Universitários, das Casas de Estudantes e da Colônia de Férias de Tramandaí e Centro de Lazer de Capão Novo;
  3. c) Apoio financeiro a Diretórios e Centros Acadêmicos para a realização de projetos sociais e eventos desenvolvidos pelos estudantes.

 

 

 

Ramiro Barcelos, 2400 -Bairro: Santa Cecília | Porto Alegre, RS