Lontra (Lontra longicaudis)

Foto:© 2006 Carla Antonini [CC BY-SA 2.5 ar], via Wikimedia Commons

Grau de Ameaça: IUCN – NT / RS – NT.

Habitat: Vivem em ambientes de água-doce como margens e cursos de rios, lagos e lagoas. Podem ocorrer em ambientes com influência marinha, como estuários e ilhas próximas ao continente.

Distribuição: Ocorre em todo o estado, tanto no bioma Mata Atlântica como no Pampa. Mapa de distribuição conforme a IUCN.

Habito de vida: Hábito semiaquático, diurno/crepuscular podendo apresentar hábito noturno diante de distúrbios antrópicos no ambiente. São territorialistas e solitárias.

Características gerais: Assim como as ariranhas, as lontras possuem adaptações morfológicas a vida semiaquática como membranas interdigitais nas patas, cauda achatada e musculosa bem como corpo alongado e patas curtas. A pelagem é curta e densa de coloração amarronzada. No entanto, elas não possuem machas claras na garganta como as ariranhas, embora a região possa apresentar pelos mais claros que o resto do corpo. As lontras medem apenas cerca de 130 cm e pesam entre 7-15kg. Sua dieta consiste predominantemente em peixes e crustáceos, apesar de alimentar-se de insetos, pequenos mamíferos, aves e répteis de maneira ocasional. As principais ameaças à espécie são a degradação e fragmentação ambiental, sobretudo a degradação de recursos hídricos, a caça por retaliação a eventuais ataques a criações e atropelamentos.

Palavras-chave: Lontra, Lontra longicaudis, Lontra neotropical, Neotropical otter, Neotropical river otter, Nutira, Lobito del río, Classe Mammalia, Ordem Carnivora, Família Mustelidae.

Referências Bibliográficas:

DE ALMEIDA RODRIGUES, Lívia et al. Avaliação do risco de extinção da lontra neotropical Lontra longicaudis (Olfers, 1818) no Brasil. Biodiversidade Brasileira, n. 1, p. 216-227, 2013.

DE ALMEIDA, Lana Resende; PEREIRA, Maria João Ramos. Ecology and biogeography of the neotropical otter Lontra longicaudis: existing knowledge and open questions. Mammal Research, v. 62, n. 4, p. 313-321, 2017.

GONÇALVES, L. G. et al. Mamíferos do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Pacartes, 2014. 212 p.; il. Color. ISBN 978-85-62689-93-2

MARQUES, A. A. B. et al. Lista de Referência da Fauna Ameaçada de Extinção no Rio Grande do Sul. Decreto no 41.672, de 11 junho de 2002. Porto Alegre: FZB/MCT–PUCRS/PANGEA, 2002. 52p. (Publicações Avulsas FZB, 11)

RIO GRANDE DO SUL. 2014. Decreto Estadual n° 51.797, de 08 de setembro de 2014. Declara as Espécies da Fauna Silvestre Ameaçadas de Extinção do Rio Grande do Sul. Diário Oficial do Estado do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.​

Autor: Filipe Ferreira da Silveira – Revisora Lana Resende – BiMaLab (UFRGS)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Este projeto procurará proporcionar a todos os cidadãos interessados informações de qualidade referentes as espécies da fauna do Rio Grande do Sul.