Gambá (Didelphis aurita)

Grau de Ameaça: IUCN – LC.

Habitat: Florestas.

Distribuição: Norte e Noroeste do Estado(Parque Estadual do Turvo). Distribuição conforme a IUCN.

Hábito de vida:  Arborícolas e noturnos. Solitários.

Características gerais: Recorrentes e relativamente adaptados à formações urbanas podem utilizar dos forros das residencias para usar como tocas. Apresenta duas camadas de pelos, uma interna como uma espécie de lanugem de coloração ferrugínea e outra externa de pelos longos de cor cinza ou preta. Barriga e cabeça cor de ferrugem e com marcas distintas de cor preta e ferrugíneas sobre a fronte, com orelha de cor preta e desnuda, inspirando seu nome popular. Cauda com comprimento menor que a cabeça e o corpo. Dieta onívora, é considerado polinizador e dispersor de sementes. São imunes ao veneno de serpentes da Família Viperidae (Jararaca, Cruzeiro, Cascavél). Cauda longa e preênsil. Prole fica no marsúpio até 4 meses. Após esse período, os filhotes se agarram ao dorso da mãe até ficarem independentes. Orelha negra. Pesam de 670g à 1,9Kg.

Palavras-chave: Gambá, Didelphis aurita, Brazilian Common Opossum, Big-eared Opossum, omadreja Orejas Negras, Classe Mammalia, Ordem Didelphimorphia, Família Didelphidae.

Referências Bibliográficas:

ASTUA DE MORAES, D., DE LA SANCHA, N. & COSTA, L. 2015. Didelphis aurita. The IUCN Red List of Threatened Species 2015: e.T40500A22175929. http://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2015-4.RLTS.T40500A22175929.en. Downloaded on 01 October 2018.

ÁVILA, Maurício Cendon do Nascimento. “Distribuição da família Didelphidae (Mammalia, Didelphimorphia) no Rio Grande do Sul, Brasil.” (2012).

GONÇALVES, L. G. et al. Mamíferos do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Pacartes, 2014. 212 p.; il. Color. ISBN 978-85-62689-93-2.

LIMA, I. P. Mamíferos do Brasil. Londrina, UEL, 437p, 2006.

MARQUES, A. A. B. et al. Lista de Referência da Fauna Ameaçada de Extinção no Rio Grande do Sul. Decreto no 41.672, de 11 junho de 2002. Porto Alegre: FZB/MCT–PUCRS/PANGEA, 2002. 52p. (Publicações Avulsas FZB, 11).

RIO GRANDE DO SUL. 2014. Decreto Estadual n° 51.797, de 08 de setembro de 2014. Declara as Espécies da Fauna Silvestre Ameaçadas de Extinção do Rio Grande do Sul. Diário Oficial do Estado do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

WEBER, M. de M., C. Roman, and N. C. Cáceres. “Mamíferos do Rio Grande do Sul.” UFSM (2013).
Autor: Filipe Ferreira da Silveira – Revisor: Gisele Bolze – BiMaLab (UFRGS)

Este projeto procurará proporcionar a todos os cidadãos interessados informações de qualidade referentes as espécies da fauna do Rio Grande do Sul.