Serelepe (Guerlinguetus henseli)

Grau de Ameaça: Segundo IUCN Não encontrado, RS –Não são considerados ameaçados

Habitat: Florestas de Mata Atlântica

Distribuição: Áreas de Mata Atlântica no Noroeste e Norte do RS. Mapa de distribuição conforme a IUCN.

Hábito de vida: Arborícola e terrícola, sendo diurno e solitário, mas pode ser visto aos pares também.

Características gerais: Possui cauda volumosa de comprimento igual ou maior que o corpo, orelhas grandes que acabam se projetando sobre o perfil da cabeça, pelagem muito longa e macia de cor marrom avermelhada e um anel claro ao redor dos olhos. Diferencia-se do Guerlinguetus ingrami por possuir o ventre branco, abdômen ferrugíneo e cauda mais clara. Alimentam-se principalmente de pequenos frutos, invertebrados e sementes. Fazem tocas nos ocos de árvores. Dificilmente são visualizados na natureza, é muito mais comum ver seus vestígios como sementes ruídas pelo solo das matas.

Palavras-chave: Esquilo, Serelepe, Guerlinguetus henseli , Classe Mammalia, Ordem Rodentia, Família Sciuridae

Referências Bibliográficas:

GONÇALVES, L. G. et al. Mamíferos do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Pacartes, 2014. 212 p.; il. Color. ISBN 978-85-62689-93-2

MARQUES, A. A. B. et al. Lista de Referência da Fauna Ameaçada de Extinção no Rio Grande do Sul. Decreto no 41.672, de 11 junho de 2002. Porto Alegre: FZB/MCT–PUCRS/PANGEA, 2002. 52p. (Publicações Avulsas FZB, 11)

REIS, N. R.; et al. Mamíferos do Brasil. Londrina: Edifurb, p. 437, 2006.

RIO GRANDE DO SUL. 2014. Decreto Estadual n° 51.797, de 08 de setembro de 2014. Declara as Espécies da Fauna Silvestre Ameaçadas de Extinção do Rio Grande do Sul. Diário Oficial do Estado do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.​

Autor: Filipe Ferreira da Silveira – Revisora Paula Horn – BiMaLab (UFRGS)

Este projeto procurará proporcionar a todos os cidadãos interessados informações de qualidade referentes as espécies da fauna do Rio Grande do Sul.