Defesa de tese – Martinho Roberto Lazzari (PPGE)


Detalhes do Evento


Título: Três ensaios sobre mudança estrutural e desempenho econômico
Autor: Martinho Roberto Lazzari
Orientador: Ricardo Dathein

Banca Examinadora:
André Moreira Cunha (PPGE/UFRGS)
Flavio Benevett Fligespan (PPGE/UFRGS)
Marcelo Arend (UFSC)

Data: 30/04/2019, terça-feira, 09h30min
Local: Sala de videoconferência CEGOV (prédio anexo à FCE)

Resumo:
Tendo como tema unificador a mudança estrutural e a relação entre os setores econômicos e o desenvolvimento econômico, os três ensaios que compõem esta tese tratam de questões teóricas e aplicadas à economia brasileira. No primeiro ensaio, tem-se o objetivo de  apresentar uma revisão da literatura econômica sobre o tema, ligando as abordagens clássicas sobre o papel da mudança estrutural em processos de catching up de países em desenvolvimento com novos avanços teóricos e empíricos. A questão da mudança estrutural é analisada a partir de várias vertentes, desde a dos economistas do desenvolvimento até a dos estudos sobre o papel da tecnologia como principal motor da mudança. Evidencia-se que a abordagem estruturalista da transformação econômica é capaz de agregar uma série de elementos conceituais e factuais e usá-los para analisar e entender os processos de crescimento econômico em vários países, notadamente nos em desenvolvimento. No segundo ensaio, busca-se examinar as mudanças ocorridas na estrutura produtiva brasileira entre 2000 e 2016 e quantificar e analisar os impactos dessas mudanças sobre o crescimento da produtividade agregada. A partir dos dados das Contas Nacionais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), utiliza-se o método shift-share para decompor a variação da produtividade nos efeitos interno e estruturais (estático e dinâmico). Os resultados mostram que, embora a mudança estrutural tenha contribuído para o aumento da produtividade agregada, dinamicamente seus efeitos foram negativos. No último ensaio, objetiva-se datar e caracterizar, pelo algoritmo Bry-Boschan, a recessão em 13 estados selecionados, quantificando características e relacionando-as com elementos da estrutura produtiva das economias estaduais. Os resultados confirmaram a existência de desempenhos heterogêneos das economias estaduais frente à recessão, com estados mais industrializados sendo os mais atingidos pelos seus efeitos, enquanto estados com maiores participações relativas da agropecuária e da indústria extrativa sofreram menos. Estados com economias mais diversificadas apresentaram uma recessão mais branda.

 

* As defesas de teses e dissertações são realizadas em sessões públicas, isto é, abertas ao público em geral, sem necessidade de inscrições prévias.

Se você encontrou algum erro nesta página, por favor, preencha o formulário abaixo e clique em enviar.