Apresentação

O Grupo de Pesquisa Identidade e Território (GPIT), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), foi criado em fevereiro de 2008 com a intenção de integrar ensino de graduação e pós-graduação, pesquisa e extensão, no estudo de questões identitárias e territoriais.

Linhas de pesquisa

Os estudos se dão segundo duas linhas de pesquisa. Uma de cunho epistemológico que trabalha formas discursivas imagéticas como objeto de estudo. A outra investiga a relação entre classe e território, em especial da segregação espacial das classes pobres e da gentrificação de áreas centrais e ocupação de áreas de preservação ambiental pela classe média.

Classe e território

Investigar as relações entre território e classes, articulando a questão da classe, definida em sentido sociológico, às dinâmicas de ocupação do espaço em escala metropolitana. Desvelar o processo de segregação sócio-espacial, tanto da classe popular como da classe média. Contribuir para a qualificação do debates sobre gentrificação, habitação social e ocupação de áreas de preservação ambiental.

Imagem e Identidade e Território

Investigar imagens relativas a questões identitárias e territoriais (QTIs) no contexto latino-americano. As interpretações buscarão essencialmente compreender os sentidos configurados pelo significado do discurso da imagem do espaço latino-americano. A investigação proposta tem por foco a imagem como discurso legítimo, irredutível a outros discursos literários sobre a cultura latino-americana.

Atividades

Desde a sua criação, o GPIT desenvolve:

1- Trabalhos de pesquisa em suas duas linhas. Saliente-se a pesquisa “Identidade Nacional e Território nas Cinematografias Brasileira e Boliviana”, desenvolvida em rede latino-americana, em conjunto com o Grupo de Pesquisa Modernidade e Cultura (GPMC) da Universidade Federal do Rio de Janeiro e o Observatório Territorial (OT) da Universidad Mayor San Andres, de La Paz, Bolívia;

2- Organização e realização de eventos acadêmicos, como o Simpósio Imagem e Identidade e Território (SIIT), ocorrido em Porto Alegre no mês outubro de 2008, do qual participaram o GPMC e o OT;

3- Atividades artísticas, como a intervenção “Urbanimagem”, realizada pela primeira vez durante o SIIT;

4- Elaboração de periódico eletrônico, cuja primeira edição incluirá trabalhos apresentados no SIIT;

5- Projetos de extensão, como mostra de cinema com debate público dos filmes investigados pelo GPIT no âmbito das pesquisas;

6- Apresentação e publicação de trabalhos individuais ou coletivos, em eventos acadêmicos, pelos participantes do grupo de pesquisa;

7- Defesa de dissertações de mestrado e de teses de doutorado, como resultado dos trabalhos dos estudantes de pós-graduação vinculados ao grupo.